Cais do Sodré tem assistido ao regresso do mau ambiente e da insalubridade nos últimos meses

REPORTAGEM
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Misericórdia

30 Outubro, 2018

Após a acalmia sentida no último par de anos, ouvem-se de novo queixas relativas à decadência urbana num bairro que conheceu grandes mudanças na última década. Insegurança, ruído, sujidade, tráfico e consumo de droga na via pública e vandalismo têm contribuído para uma sensação difusa de degradação e insalubridade. No jardim do Largo Dom Luís I, cada vez mais gente dorme ao relento, depois de grandes noitadas. No Largo de São Paulo, o chafariz passou a ser ponto de confluência de jovens sem ocupação conhecida e que logo de manhã consomem álcool e estupefacientes. Há quem diga que os problemas se acentuaram a partir do momento em que fechou o Miradouro de Santa Catarina, em Julho. Comerciantes, residentes e junta de freguesia pedem mais policiamento.

Os sinais são contraditórios, mas o crescente coro de vozes descontentes deixa adivinhar uma tendência. “Isto tem piorado bastante, sobretudo nos últimos seis meses, desde que começaram a fechar o comércio deste quarteirão”, informa Vítor Barrinhana, gerente do quiosque existente num dos cantos do Largo de São Paulo, referindo-se ao imóvel delimitado a sul pela Rua dos Remolares, em breve a ser convertido em empreendimento de luxo. “Temos assistido aqui ao surgimento de um clima de mau ambiente e de falta de segurança, com roubos, cenas de pancadaria e tráfico de droga. As coisas pioram, sobretudo, a partir das seis da tarde, mas é de madrugada que isto fica mesmo impossível. Há muitos desacatos causados por indivíduos alcoolizados. O que vale é que temos um segurança”, conta o responsável pelo estabelecimento de venda de bebidas, parte de uma rede de quiosques espalhados pela cidade.

Apesar do unânime reconhecimento de que a zona do Cais do Sodré está bem diferente daquilo que foi, durante décadas, tanto pela ampla reabilitação do espaço público como pela revolução observável na actividade comercial dos anos mais recentes, começa a ser voz corrente por ali que “as coisas estão bem piores nos últimos meses”. Tanto que há mesmo quem receie um retrocesso do profundo processo de reabilitação daquela parte da cidade, verificado ao longo da última década. “Com o boom turístico, instalou-se outro tipo de problemas, que têm crescido a um ritmo incessante. As autoridades não estão a ser capazes de lidar com isto. A polícia nunca aparece, porque diz não ter meios, e a Câmara de Lisboa e a Junta de Freguesia da Misericórdia parecem não ter uma estratégia para resolver os problemas desta zona, a começar pela falta de limpeza”, critica Isabel Sá da Bandeira, presidente da direcção da associação Aqui Mora Gente.

ocorvo30102018csodre2

O Largo de São Paulo é, cada vez mais, um local visto como "problemático", mesmo durante o dia

É verdade que o próprio processo de mudança do bairro, outrora associado à “má-vida”, aos marinheiros e à prostituição, foi tudo menos pacífico, como o atesta o período seguinte à conversão da Rua Nova do Carvalho na “rua cor-de-rosa”, em Setembro de 2011. A mudança, trazida com a abertura de alguns estabelecimentos, que rapidamente ficaram na moda, atraiu uma clientela mais abrangente para alguns dos clássicos bares da zona e insuflou de vitalidade uma parte da cidade antes vista com desconfiança por quem a olhava de fora. O Cais do Sodré saía assim da sombra e deixava de ser associado a uma certa imagem de marginalidade, entrava nos roteiros turísticos e, sobretudo nas noites de fim-de-semana, passava a ser o local de romaria de milhares de pessoas. Tantas que, em pouco tempo, se percebeu que aos problemas de sempre se juntavam outros.

 

Lixo, barulho e violência passaram a fazer parte do quotidiano, numa dinâmica negativa que, estranhamente, parecia contrariar os sinais de regeneração que acompanhavam a movida, com a abertura de lojas e restaurantes e a regeneração do espaço público. Deram que falar, nesses primeiros anos da década, as queixas dos moradores sobre o mau-ambiente e a insegurança – quer os residentes mais antigos como os mais recentes diziam não conseguir dormir devido ao ruído e sentir medo de sair à rua. Tanto a Câmara de Lisboa e a Junta de Freguesia da Misericórdia, como a polícia eram, com frequência, acusadas de nada fazerem para controlar tal espiral descendente. Passado o sobressalto inicial, e dada a consistência da abertura de novos negócios, um clima de normalidade parecia, por fim, instalar-se no último par de anos. “A movimentação em torno da rua cor-de-rosa acalmou um pouco, porque também passou de moda. As pessoas cansaram-se da novidade e quem ali vai, sobretudo, são os estrangeiros”, diz Isabel Sá da Bandeira.

 

 

O problema é que, considera a residente e dirigente associativa, nos últimos seis meses a um ano, nas ruas à volta, se voltou a intensificar a sensação de insegurança e a percepção difusa de insalubridade – as quais, na verdade, nunca abandonaram por completo o bairro. Muito do “que se passa” e contribui para aumentar essa percepção negativa tem por cenários o Largo de São Paulo e a Praça Dom Luís I. “A sexta-feira é o dia mais crítico, quando vejo aí mais gente. Mas isto acontece toda a semana, logo às 8h30, quando chego para abrir a loja, já se vê aí pessoas sentadas a beber e a consumir outras coisas”, diz Maria (nome fictício), 26 anos, funcionária de uma óptica situada naquela zona, referindo-se a uma crescente população de indivíduos jovens que passam grande parte do dia sentados junto ao chafariz do Largo de São Paulo, sem ocupação aparente. “O problema é que parece não haver controlo sobre quem consome álcool, o supermercado aqui ao lado vende cerveja a indivíduos que passam aí o dia todo embriagados, de garrafa na mão”.

 

As garrafas partidas ou deixadas abandonadas no espaço público são visíveis pela zona, tal como muita sujidade. Mas, ao contrário desta, aquelas representam uma ameaça concreta à segurança pública. Para Paulo Graça, gerente do café Quatro Estações, situado mesmo ao lado do quiosque e a poucos metros da óptica, o problema das garrafas está relacionado com o facto de alguns estabelecimentos as venderem durante a noite e de haver quem as traga de outros sítios. “Na sexta e no sábado à noite, é uma vergonha. Anda para aí montes de gente com minis na mão. E isso tem consequências na sujidade das ruas, que tem aumentado bastante”, queixa-se, num lamento ouvido com frequência entre moradores e comerciantes. “Está tudo sujo, porque os funcionários dos restaurantes e dos bares arrastam os sacos de lixo pela calçada e fica neste estado”, diz Cecília Ferreira, 66 anos, empregada de uma loja de electrodomésticos da Rua de São Paulo, apontando para o passeio encardido.


 

 

Uma opinião partilhada por Ilídio Pereira, 70, funcionário da sapataria mesmo ao lado. “As ruas estão muito mais porcas, sem dúvida. Há garrafas por todo o lado e um cheiro a urina permanente. As pessoas vão para os copos e depois urinam em qualquer lado, mesmo contra as montras e a porta da minha loja”, conta, salientando que a vida nocturna do Cais do Sodré de outros tempos, apesar da reputação duvidosa, não apresentava tantos danos colaterais. “Há outro tipo de fauna que nos procura. E nesse aspecto até lhe posso dizer que ambiente de rua melhorou. Venda de droga? Por todos os cantos e esquinas isso acontece”, diz. Algo que passa ao lado de Maria Teresa Vicente, 74, que atende à porta fechada a clientela da alfaiataria João Bento Vicente, instalada na Rua dos Remolares desde 1897. Existem outras preocupações. “O nosso gradeamento é constantemente pintado e grafitado. Mas nós pintamo-lo de novo, quase todos os dias”, assegura.

 

Problema recorrente no resto da cidade, a profusão de tags e de graffiti também ali se faz sentir com intensidade. “Não há uma parede que não esteja suja. A última limpeza que fizeram foi antes das eleições. Isto vai ter um custo brutal”, alerta Isabel Sá da Bandeira, do Aqui Mora Gente, movimento formado há mais de uma década por um conjunto de pessoas que, no início deste século, viu no Cais do Sodré um local com potencial para habitar e investir. Muito antes da zona ficar na moda. As mudanças aconteceram, entretanto, e estão à vista de todos. Mas muitos não resistiram. “Das famílias que investiram aqui há 15 ou 20 anos, a grande maioria foi-se embora”, informa a dirigente associativa, sentada numa das esplanadas do Largo de São Paulo, na manhã de um dia de semana. A poucos metros, sentados no chafariz, jovens vão bebendo cerveja e fumando ganzas, ouvindo música saída de colunas portáteis. “Estão aí todo o dia. Mas, à noite, são mais”.

 

 

Quem quiser comprar droga sabe que, ali, a vai encontrar com facilidade. “Os traficantes andam por aqui, sempre a rondar, parecem predadores. Aliás, há uma máfia organizada que vem ali para rua cor-de-rosa para roubar os turistas e vender droga. As poucas pessoas que ainda aqui moram ficam com a vida um pouco constrangida. Há gente com medo. Eu, por exemplo, evito sair de casa à noite. É um problema grave, se tivermos em conta que a PSP, sempre que chamada, diz não ter meios”, constata Isabel Sá da Bandeira, criticando ainda o que considera ser a “aparente falta de estratégia da câmara e falta de competência da junta” para resolver os muitos problemas da freguesia, sobretudo ao nível da gestão do espaço público. Entre eles conta-se um “aumento brutal” do número de sem-abrigo, a que se junta uma população heterogénea que por ali deambula dia e noite. “No período nocturno, há gente acampada no jardim da Praça Dom Luís I. Isto não pode continuar, tem de mudar”, apela.

 

Nos últimos tempos, todavia, as alterações verificadas são em sentido contrário ao desejado por quem ali vive e trabalha. “O que estamos a assistir em toda esta zona é à vida nocturna a estender-se pelo dia. Há pessoas a beber na rua, logo pela manhã. Existe insegurança e gente a tentar vender droga. Observa-se também um crescente número de pessoas a dormir na rua, como na Praça Dom Luís I”, descreve Nuno Santos, presidente da A Voz do Bairro – Associação de Moradores de Santa Catarina e Misericórdia, que se tem destacado nos seus cinco anos de vida – foi criada a 30 de Outubro de 2013 – na luta pela melhoria do ambiente na zona do Miradouro de Santa Catarina. Tal como sucede com esse local, que desde Julho passado se encontra encerrado para requalificação, numa decisão camarária que tem sido muito contestada, também na zona do Cais do Sodré a Voz do Bairro considera “necessária mais vigilância, mais policiamento”. Mas o défice operacional da PSP é assunto recorrente, admite Nuno Santos.

 

 

O fecho do miradouro de Santa Catarina está, de resto, a ser visto na zona do Cais do Sodré como uma das possíveis causas para a degradação sentida nos últimos meses. “Pelo que tenho ouvido, o mau ambiente tem-se acentuado desde que fecharam o Adamastor”, diz a O Corvo Paulo Graça, do café Quatro Estações. Uma versão confirmada por Tomás Gomes, 34 anos, gerente do quiosque existente no Jardim Dom Luís, na Praça Dom Luís I. “Isto está pior, nos últimos seis meses, caiu muito. E isso aconteceu de forma acentuada desde que baixou para aqui muita da gente que andava pelo Miradouro de Santa Catarina. Há sempre indivíduos alcoolizados no jardim, alguns vêm para a esplanada, importunam os clientes ou vêm para aqui só provocar. Às vezes, tenho de chamar o segurança do mercado”, diz, referindo-se ao Mercado Time Out, zona comercial a funcionar no Mercado da Ribeira.

 

Recentemente, Tomás teve de retirar um indivíduo que, alcoolizado, veio dançar para o meio da esplanada. “A malta da noite vem para aí, muitos deles dormem no jardim, onde calha. Mas para o nosso estabelecimento o período da manhã é aquele em temos mais problemas, é pior do que a noite”, afirma o gerente do quiosque, para quem a falta de limpeza do espaço público é outro dos aspectos que muito tem contribuído para o “retrocesso” que considera estar a pôr em perigo a “evolução dos últimos anos”. “Está sempre tudo muito sujo”, constata.

 

 

A presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, Carla Madeira (PS),  reconhece a existência de perturbações na qualidade de vida naquela zona, as quais diz serem “consequência da pressão causada pela grande frequência nocturna”. “As pessoas que andam na noite concentram-se muito ali e temos verificado que, muitas vezes, essa vivência se estende pelo dia”, diz, referindo-se ao Largo de São Paulo, cujo chafariz histórico a junta tem sentido dificuldades em manter limpo de graffiti, devido aos constantes actos de vandalismo, admite. Mas o vizinho Largo Dom Luís I é também motivo de preocupação. “Há muita gente que fica por ali. Não estamos a falar de sem-abrigo, mas sim de pessoas que, por opção ou resultado de consumos que fazem, acabam a dormir na via pública. Estamos a falar de portugueses, mas também de estrangeiros, que trazem a sua mochila e ali ficam”, explica a autarca, reconhecendo a crescente dificuldade de intervenção nestes casos. “Isto é o resultado dos excessos da noite”, constata.

 

Carla Madeira lembra, contudo, que na zona do Cais do Sodré “verificou-se uma grande melhoria, nos últimos anos”. “O ambiente urbano melhorou muito. Quando assumi funções, em 2013, a zona estava quase em estado de sítio”, afirma, sugerindo que, apesar dessas notáveis melhorias, aquela área da cidade estará a ser vítima do seu próprio sucesso. “O problema é que, antigamente, os clientes estavam dentro dos estabelecimentos a consumir e agora muitos vêm para a rua, o que tem consequências”, considera a presidente da junta, reafirmando a O Corvo o desejo antigo de que seja criada legislação proibindo o consumo de álcool na via pública. Além de defender um aumento do policiamento, Carla Madeira diz ter expectativas em relação ao anunciado alargamento aquela zona do sistema de videovigilância, que em 2019 poderá entrar em funcionamento ali, bem como noutras áreas da cidade. Além disso, considera ter chegado a altura de se fazer a “avaliação” da aplicação do novo regulamento de horários de funcionamento dos estabelecimentos nocturnos, em vigor desde Março de 2017.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Afirma Pereira
    Responder

    “Insegurança, ruído, sujidade…” Fixem bem estas palavras. E apliquem-nas à cidade no seu todo.
    Não só às zonas de diversão nocturna. Porque Lisboa se está a transformar toda ela numa zona de diversão. Não de residência. Não de trabalho. Apenas diversão. E para quem aqui vive e trabalha isso está a tornar-se insuportável! A diversão de uns é o inferno de muitos.
    Leiam bem o testemunho das pessoas que aqui afirmam não poder dormir e ter medo de sair à rua.
    Alguém merece viver assim!?
    O presidente da CML, o ministro da administração interna, o comandante da PSP de Lisboa, tem alguma coisa a dizer deste estado de coisas? Do abandono a que estão a sujeitar a população?
    Ou apenas olham para aqueles estudos feitos por eles mesmos em que se diz que está tudo que é uma maravilha?

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend