Se traçarmos uma bissetriz à baixa lisboeta que corresponda ao quadrilátero das ruas pombalinas, podemos dizer que a Casa Pereira da Conceição, a meio da Rua Augusta, está no centro do centro. E tem um horário peculiar.

O aroma do café que é moído a toda a hora chama-nos para dentro, há oitenta anos. Aos moinhos, a cuidar com esmero de cada grão do lote estrela da casa, o Pereira da Conceição – uma mistura de arábicas provenientes de São Tomé, Colômbia e Timor com um toque de grãos robusta -, está uma terceira geração familiar.

Margarida Pereira da Conceição lembra-se de ajudar o avô, o pai e o tio, as gerações que fizeram esta casa incontornável. “Já se viveram, na baixa, grandes levas de mudanças. Primeiro, foram os bancos que substituíram as lojas tradicionais de pronto-a- vestir, agora é o comércio mais virado para o consumo massificado dos turistas. Cafés todos iguais, lojas de recordações baratas. Uma baixa com menos alma”, nota.

 

5.11.13 Pereira (7)

 

Mas a Casa Pereira da Conceição continua a ter clientes fiéis que, em troca, são mimados com um atendimento personalizado. Duas cadeiras de tom cinzento suave, da cor dos móveis do estilo Luís XV, aguardam alguém mais cansado ou que queira pôr a conversa em dia. “Muitos dos nossos clientes não precisam de pedir, já sabemos o que gastam”, refere a proprietária, com orgulho.

As vitrinas brilham com um dos maiores sortidos de leques da capital, porcelanas finas para beber chá e caixas de bombons italianos decoradas ao estilo Belle Époque com as mais famosas óperas. Tudo chique a valer. Como quando a casa foi fundada, em 1933.

 

5.11.13 Pereira (4)

 

E uma curiosidade: como os proprietários parecem ser pessoas pragmáticas, quando o horário de trabalho dos funcionários do comércio foi reduzido de quarenta para trinta e seis horas semanais, a loja passou a abrir quarenta minutos mais tarde, o que faz com que, de segunda-feira a sábado, seja talvez a única loja na cidade que abre às 9h40.

Um preciosismo rigoroso e honesto, que combina bem com a qualidade dos cafés, chás e companhias que aqui se vendem.

 

Texto: Rui Lagartinho     Fotografias: David Kong

  • Nuno Rebelo
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Café central – http://t.co/JQRt3DdQd2

  • António Rosa de Carvalho
    Responder

    CARVALHO, António Sérgio Rosa de

    TÍTULO: As lojas tradicionais da Baixa : desafios presentes e futuros / António Sérgio Rosa de Carvalho
    IN: Baixa Pombalina : bases para uma intervenção de salvaguarda / coord. João Mascarenhas Mateus. – Lisboa : Câmara
    Municipal. Pelouro do Licenciamento Urbanístico e Reabilitação Urbana, 2005. – p. 93-100 : il.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com