Bloco de Esquerda apoia ocupações ilegais de casas da Câmara de Lisboa por “gente sem alternativa que não a rua”

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

URBANISMO

Beato
Cidade de Lisboa

19 Dezembro, 2018

No Bairro Carlos Botelho, na freguesia do Beato, um casal a ocupar uma casa ilegalmente recebeu ordens da Câmara Municipal de Lisboa (CML) para sair até esta quarta-feira (19 de Dezembro). Se tiverem mesmo de abandonar a habitação, prometem, voltarão a arrombar a porta e a entrar, por falta de alternativas. Os moradores furtivos acusam a autarquia de não estar preocupada com o vasto património habitacional de que é detentora, deixando-o ao abandono. “Estou a estimar o património municipal, arranjei a casa, e querem-me mandar embora. Faz-me muita confusão haver tantas casas vazias e muitas pessoas a precisarem delas”, diz a inquilina ilegal. O próprio vereador dos Direitos Sociais, Manuel Grilo (BE), garante a O Corvo que o casal se substituiu à CML na requalificação do apartamento. O Bloco de Esquerda, que divulgou o caso na rede social Twitter, este fim-de-semana, não aceita que estas pessoas sejam despejadas sem alternativa que não a rua.

Ana Paula Maia, 47 anos, e o companheiro, António Alonso, 49 anos, vão ter de sair da casa que ocupam ilegalmente, desde 2012, no Bairro Carlos Botelho, na freguesia do Beato, esta quarta-feira (18 de Dezembro). Ao final da tarde do passado dia 14 de Dezembro, o casal teve uma visita inesperada. Dois polícias municipais deslocaram-se até ao Largo Fábrica Fiação de Xabregas, a poucos metros do Bairro da Picheleira, para informar os inquilinos ilegais que teriam três dias para abandonar a habitação municipal devido à sua apropriação abusiva.

 

Ana Paula perguntou à força da autoridade onde se devia dirigir para encontrar uma solução habitacional e ter-lhe-ão dito para ir à Gebalis, empresa responsável pela habitação municipal de Lisboa. A resposta da empresa municipal não terá agradado, porém, a “ocupa”. “Fui lá e disseram-me para falar com a vereadora da Habitação, Paula Marques. Se já participei em tantas sessões da assembleia municipal e a vereadora não me ouviu, ia atender-me agora?”, questiona. O Bloco de Esquerda divulgou a situação, durante o fim-de-semana, na rede social Twitter, dizendo não aceitar que estas pessoas sejam despejadas sem alternativa que não a rua.

A inquilina furtiva morou com a mãe até 2012, altura em que, devido a conflitos familiares, teve de sair de casa. Durante seis meses, viveu numa carrinha, até descobrir uma casa desocupada no bairro onde nasceu e cresceu. “Alguns vizinhos disseram-me que havia muitas casas vazias, com toxicodependentes lá dentro, e para deixar a carrinha e ir para lá”, conta. Hoje, o T1, onde o casal reside há seis anos, está remodelado, de paredes pintadas de fresco e mobilado, permitindo-lhes viver com os mínimos de dignidade. Só ainda não conseguiram colocar janelas. São os estores, fechados, que os abrigam do frio. É aqui que a neta, com quatro meses, também passa a maior parte do tempo, na companhia dos avós.

sdr

Ana Paula diz ter investido em benfeitorias feitas no património municipal por si ocupado desde 2012

Quando chegou ali, contudo, o cenário era bem diferente. Ana Paula conta que encontrou a casa completamente degradada e suja. “Eu e o meu marido andamos duas semanas a limpar tudo. Colocámos umas camisolas no nariz, porque não se respirava, havia cocó, seringas e pratas no chão. Era uma peste que estava aqui. Desde que cá estamos, o meu vizinho diz que, pelo menos, tem paz”, afirma. A sanita, o lavatório e o lava-loiças foram comprados pelo casal, com apoio financeiro da mãe de Ana Paula, uma vez que ganha, juntamente com o marido, desde 2013, o Rendimento Social de Inserção (RSI). Se hoje tiver de sair, promete voltar a ocupar a casa. “Vou ser obrigada a arrombar a porta e entrar outra vez, não tenho para onde ir. Alguém tem de apresentar uma solução e não está a haver essa vontade”, critica.


 

Quando ocuparam a casa, admitem, não tinham conhecimento da existência de programas de renda acessível da Câmara Municipal de Lisboa (CML). Mas, assim que souberam, começaram a candidatar-se. Concorreram a habitação municipal nos dois últimos anos, em 2017 e 2018, mas a pontuação obtida nunca foi suficiente para terem direito a colocação em prédios camarários. Revoltada com a falta de respostas por parte do município, Ana Paula pede à Câmara de Lisboa para, pelo menos, olhar pelo seu património. “Estou ilegal, e os toxicodependentes que estavam aqui antes, e ainda estão noutros prédios, o que são? Estou a estimar o património municipal, arranjei a casa, e querem-me mandar embora. Os outros, que invadem as casas para se drogarem, não querem saber?”, pergunta indignada.

 

Ana Paula diz que há, cada vez mais, pessoas a ocuparem as casas de uma forma abusiva, situações observadas e contabilizadas pela própria. “Ando pelos prédios municipais e já cheguei a ver, recentemente, prostitutas que nem sequer eram desta zona. Nós, que nascemos e fomos criados aqui, nem sequer podemos ficar com uma casa que estava abandonada. A Câmara tem se desleixado muito, está tudo abandalhado e, qualquer dia, os toxicodependentes invadem isto tudo”, diz.

 

 

Só no Bairro Carlos Botelho haverá quarenta casas habitadas ilegalmente, arrisca Ana Paula. No seu prédio há, pelo menos, como O Corvo pode constatar, três apartamentos desocupados. “Faz-me muita confusão haver tantas casas vazias e muitas pessoas a precisarem delas. Podiam legalizar-nos as habitações e pagávamos um valor simbólico de renda. Muitas vezes, não temos acesso a informação, porque não sabemos ler e escrever, podiam melhorar a comunicação também”, pede. Em toda a cidade, segundo os últimos dados fornecidos pela associação Habita, que apoia pessoas nestas situações vulneráveis de habitação, haverá centenas de casas tomadas de forma indevida.

 

O vereador dos Direitos Sociais, Manuel Grilo (BE), diz a O Corvo estar preocupado com as situações de ocupação abusiva, que têm vindo a aumentar na cidade de Lisboa, e exige que estas pessoas não sejam despejadas sem alternativa. “O casal, que tem como único rendimento o RSI, substitui-se à CML na requalificação do apartamento. Não podemos aceitar viver numa cidade que despeja gente sem alternativa que não a rua”, afirma o autarca que substituiu o ex-vereador Ricardo Robles, em depoimento escrito.

 

 

 

O Corvo já tentou saber, mais do que uma vez, junto da Câmara Municipal de Lisboa, quantas casas de habitação social por si geridas estão ocupadas ilegalmente na cidade, mas a resposta tarda em chegar. No passado mês de Novembro, o presidente da CML, Fernando Medina (PS), questionado por O Corvo sobre esta matéria, disse que “haverá algumas situações de ocupação indevida, mas é um número bastante marginal”. No final de Junho, o pelouro da Habitação garantiu estar a fazer um levantamento da situação e disse que contava apresentar, em breve, os resultados. Continua, porém, sem se saber quando serão conhecidos tais dados.

 

Na semana passada, a 11 de Dezembro, O Corvo noticiou que há espaços municipais a albergar salas de chuto ilegais e até carros furtados. O pelouro da Habitação garantiu estar a trabalhar em “soluções adequadas” para resolver o problema. A 26 de Outubro, numa visita dos vereadores do PSD a bairros municipais da Ameixoeira, foi também tornada pública a ocupação abusiva de diversas lojas de prédios municipais, entretanto convertidas em habitações.

 

 

Contactado por O Corvo, uma fonte do pelouro da Habitação da Câmara de Lisboa diz que o agregado familiar só fez uma candidatura a habitação municipal, em Setembro de 2018, e que esta ainda está em análise. “A família foi identificada e será, como em todas as outras situações similares, devidamente encaminhada para a rede social, de forma a poder ser estudada uma solução adequada”, promete. A empresa municipal Gebalis tem “indícios” de que a ocupação terá ocorrido em Março de 2018, através de informações recolhidas nas visitas ao bairro.

 

“É preciso esclarecer que não houve emissão de ordem de despejo, nem estamos perante um despejo, mas uma ocupação ilícita. Houve, como em todas as situações de ocupação abusiva, uma notificação pela Polícia Municipal, informando os prazos legais para as pessoas abandonarem voluntariamente a fracção municipal”, esclarece a mesma fonte. Segundo o pelouro da Habitação, foram dados apenas três dias para o casal abandonar a casa porque este é o prazo estabelecido pela regulamentação municipal. Questionada, ainda, se será garantida uma alternativa de habitação a esta família, diz que, entre os esforços feitos nesse sentido, foram entregues “informações a incentivar as pessoas a fazer candidaturas a habitação municipal”, de forma regulamentar e de acordo com os princípios de igualdades entre todos os outros candidatos.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

  • Afirma Pereira
    Responder

    O incitamento ao crime não é punível por lei?!
    Se forem a ver a estilo de vida destes “okupas” vão descobrir que vivem melhor que muita gente que vive (e paga) em casa própria, ou arrendada.
    Mas é tão mais fácil ocupar o que é dos outros. Fazer seu o que outros pagaram com os seus impostos!
    Não estamos a falar de sem-abrigo!!! Sejam honestos na apreciação dos factos! Vejam o parque automóvel desta gente! Vejam quanto gastam em festas na sua comunidade! O custo dos seus móveis, que instalaram na casa que não é sua e pela qual nada pagam!
    Todo o artigo descreve uma situação que é um crime. Como crime é o apoio a estes criminosos.
    Uma CML que esmifra os seus habitantes até ao tutano, num acto que já se aproxima da extorsão (basta ver um recibo da EPAL para constatar isso) vai admitir este parasitismo?!
    Aquelas casas são pagas por mim! São pagas por todos nós! Que direito têm aqueles parasitas de se aí instalarem? Eles que vivem melhor que a grande maioria de nós?! E que ainda fazem alarde de não pagarem impostos?!
    Adorei o termo “inquilina furtiva”. Não é inquilina! Inquilinos são aqueles que arrendam casa. E não é furtiva. Muito pelo contrário: faz alarde da situação e exibe-o! Repare-se como a intruja criatura fala em conflitos familiares para justificar a saída da casa anterior: é sempre o mesmo argumento! Saem de casas que já lhes foram atribuídas pela câmara, em que na maior parte das vezes não pagaram um cêntimo, e ocupam outras com o argumento dos “conflitos familiares”. Sempre a mesma história… Até quando?!

  • Jorge Ferreira
    Responder

    Talvez o BE, ou mesmo O Corvo, pudesse facultar a este agregado familiar a indicação da morada do prédio do Ricardo Robles, que é numa localização melhor e que, aparentemente, continua sem ocupação… isso seria verdadeiramente uma acção política revolucionária digna de nota, não demagogia pré-eleitoralista barata!!
    Naturalmente que não está tudo bem com a habitação na CML mas há, como para todos os outros cidadãos deste paizinho, regras que temos que cumprir para podermos reivindicar os direitos constitucionais que efectivamente temos… mais uma “não notícia” do O Corvo!! Boas Festas!!

  • Fernandes
    Responder

    “haverá centenas de casas tomadas de forma indevida.”
    “haverá algumas situações de ocupação indevida, mas é um número bastante marginal”

    Nesta história alguém está a mentir, mas o número é secundário porque se houver mais que uma casa vazia já é uma vergonha nacional. Qual é a moral do Medina para falar em habitação quando não sabe quantas casas vazias tem a CML? Se as câmara de Amesterdão, Madrid, etc. não souberem quantas das suas casas estão vazias nada a dizer, caso contrário é *absolutamente surreal* que, após se escreverem centenas de artigos sobre o mercado imobiliário de Lisboa, ninguém saiba quantas casas da CML estão fechadas porque o proprietário não sabe que existem.

    Aliás, ultrapassa-me como é possível demorar mais que, vá lá, um mês a apurar o número: fracções registadas – contratos = espaços vazios. É só subtrair, mas algo me está a escapar porque entre Costa e Medina já passaram… 11 anos, ou seja, *132 meses*. É suposto este processo demorar exactamente quantas décadas, alguém sabe?

    Este escândalo devia dominar a agenda mediática, mas aparentemente o estado não saber quantas casas vazias tem numa das cidades mais populares do mundo é algo que aparentemente a sociedade portuguesa considera normal, e na lista de prioridades está muito abaixo das trotinetes. Espero que ao menos O Corvo vá escrevendo mais uns artigos sobre isto, e aproveite os passeios para ir contando as casas vazias/ocupadas ilegalmente. Já identificaram 4, portanto devem estar quase a apanhar a CML.

    • Afirma Pereira
      Responder

      Sr Fernandes, a minha profunda vénia!
      O seu comentário é brilhante.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend