A partir desta terça-feira (26 de junho), e por um período de dois meses, o átrio Norte da estação de metro dos Anjos vai encerrar para grandes obras de manutenção e reabilitação. Limpeza profunda do espaço, incluindo o pavimento, o tecto, as superfícies vidradas, os equipamentos, entre outros, e a sua pintura, bem como a substituição integral do teto falso, são os trabalhos previstos na intervenção apenas anunciada na quinta-feira (22 de junho) passada pela administração do Metropolitano de Lisboa . “A estação Anjos é uma das estações mais antigas do Metro – inaugurada em 1966 e, como tal, apresenta sinais de desgaste e envelhecimento que importa corrigir”, justifica a empresa em comunicado, no qual refere que o átrio Sul manterá o horário normal, entre as 6h30 e a 1h.

 

Os trabalhos têm “um prazo de execução previsto de 60 dias, planeados de modo a minimizar os incómodos causados”, completa a mesma nota da transportadora, que se escusou a adiantar a O Corvo mais pormenores sobre esta intervenção. O encerramento do átrio Norte da estação dos Anjos vai coincidir, durante quase um mês em meio, com o fecho total da estação de Arroios. Esta encerrará a 19 de julho, e durante um período nunca inferior a 18 meses, para obras de ampliação e reabilitação – quando reabrir, no início de 2019, esta estação poderá, finalmente, acolher composições com seis carruagens. Sendo Arroios a única da Linha Verde que ainda não comporta comboios com essa dimensão, o seu fecho a 19 de julho permitirá o início imediato da circulação de tais composições na referida linha – onde, desde 2012, as composições têm tido apenas três carruagens, em vez das quatro que a capacidade actual permitiria.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Comentários

Deixe um comentário.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Hugo David
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises
Fala conosco!

Not readable? Change text. captcha txt

Start typing and press Enter to search