A Assembleia Municipal de Lisboa vai preparar um debate sobre o futuro da Praça de Espanha, por não querer que este grande espaço seja urbanizado de forma casuística.

A iniciativa foi provocada por uma proposta defendida esta terça-feira, dia 9, pelo vereador Manuel Salgado, destinada a alterar o regime de propriedade – do domínio público para o domínio privado municipal – de um terreno de 4.867 m2. Trata-se de um passo necessário para permutar lotes e urbanizar terrenos daquela praça, pertencentes ao Montepio Geral e à seguradora Lusitânia desde finais dos anos de 1980.

A proposta do executivo municipal, aprovada por maioria, foi saudada por Ricardo Saldanha, do PS, como uma decisão que permitirá a breve trecho avançar na reformulação urbanística da praça.

A vantagem de um debate foi defendida pelo PCP, PSD, BE e Independentes. O comunista Modesto Navarro foi o primeiro a dizer que o urbanismo da Praça de Espanha exige “uma audição pública” e que o assunto não se esgota numa solução parcial destinada a resolver as expectativas daquelas duas empresas.

Este e outros eleitos comentaram que há muitas coisas por esclarecer quanto aos planos da CML para a zona, seja o que se permitirá construir no terreno onde está implantado o Teatro Aberto, seja o futuro dos comerciantes ou a qualidade dos acessos aos transportes públicos que usam o local.

Sobreda Antunes (Partido Ecologista Os Verdes) comentou que a decisão deixa de fora outras situações a resolver na Praça de Espanha e que a proposta fazia supor uma abordagem casuística do assunto.

Vítor Gonçalves (PSD) disse também querer um debate mais profundo. “É uma área muito sensível da cidade, sobre a qual já houve demasiados planos”, comentou, para desejar que este local “não seja uma manta de retalhos”.

Salgado refutou as suspeições de casuísmo, dizendo que a intervenção na Praça de Espanha se baseia no Plano Director Municipal e que não está “a resolver o problema aos bocados”, sendo esta reestruturação fundiária um dos passos a dar.

Acrescentou que o projecto de implantação de edifícios está a ser trabalhado e que depois será lançado um concurso de ideias para a organização do espaço público daquela zona.

 

Contra fecho de Loja do Cidadão

Loja Cidadao

A Loja do Cidadão dos Restauradores quando ainda funcionava

No seu regresso de férias, os deputados municipais aprovaram também uma moção contra o fecho da Loja do Cidadão da Praça dos Restauradores, no fim do ano passado.

O encerramento, decidido pela Agência para a Modernização Administrativa, sobrecarregou as duas outras lojas da capital, nas Laranjeiras e em Marvila. No primeiro destes serviços, “há utentes a fazer fila logo desde as 5 horas da madrugada, a esperarem mais de cinco horas pelo atendimento, a nalguns casos, logo após a abertura dos serviços, constatarem estarem esgotadas as senhas de atendimento”, refere a moção, apresentada por Cláudia Madeira (PEV).

Por isso, a assembleia acordou em pedir ao executivo de António Costa, que “diligencie junto do Governo para que este informe, com urgência, que medidas pondera vir a tomar para, no curto prazo, inverter esta acentuada redução de serviços públicos de proximidade”.

 

Texto: Francisco Neves

  • Paula Marques
    Responder

    Mais edifícios e Lisboa com tantos outros devolutos… porque não apostar na reconversão de prédios para habitação e comércio, a preços que motivem o regresso de habitantes?

  • João Barreta
    Responder

    Começar por entender o porquê da Praça de Espanha se chamar Praça, e não Rotunda, Urbanização, Largo, Circular, ou qualquer outra denominação que se lembrem, poderá ser um bom … princípio.
    Porque não reforçar a vocação comercial da Praça?

  • josemssantos
    Responder

    #HáSempreUmSalgado Assembleia Municipal quer debate sobre a Praça de Espanha | O Corvo | sítio de Lisboa http://t.co/y5MTVj1B3l

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com