Apesar de a votação final sem votos contra não o deixar adivinhar, a discussão em torno da aprovação da utilidade pública do instrumento legal que ajudará a fazer nascer uma mesquita foi tudo menos pacífica. Alguns deputados municipais do PSD dizem ter dúvidas sobre o processo urbanístico. E houve quem dissesse que um Estado laico não pode financiar templos. Afirmações e dúvidas que irritaram muito Fernando Medina e levaram um eleito do PS a falar em cedência a campanhas orquestradas pela extrema-direita nas redes sociais. A polémica promete continuar.

 

Texto: Samuel Alemão

 

A discussão foi animada, e teve até alguns momentos mais tensos, mas a votação final da proposta foi quase unânime, contando apenas com a abstenção de meia-dúzia de deputados, cinco dos quais do PSD. Entre declarações ideológicas e discussões apaixonadas sobre a laicidade do Estado português e o carácter tolerante, cosmopolita e ecuménico da sua capital, a Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou, na tarde desta quinta-feira (17 de Dezembro), a declaração de utilidade pública de expropriação, com carácter urgente, de três prédios particulares “e de todos os direitos a eles inerentes”, por serem necessários à execução do projeto da Praça da Mouraria e da nova mesquita que nela será construída. A proposta havia já sido votada favoravelmente pelo executivo camarário, a 28 de Outubro.

 

O projecto, abrangido pelo Plano de Urbanização do Núcleo Histórico da Mouraria (PUNHM), deverá ainda voltar a ser apreciado pela assembleia no que concerne à autorização para a sua prossecução. O que foi agora aprovado foi o carácter urgente das expropriações que darão lugar a demolições de um edifício municipal na Rua da Palma e a três prédios particulares situados nas suas traseiras, na Rua do Benformoso. A nova praça nascerá nesse lugar, assegurando a ligação entre os dois arruamentos através de um espaço público que ficará sob o templo muçulmano a edificar. A construção da mesquita, destinada a servir sobretudo a numerosa comunidade do Bangladesh residente naquela área da cidade, será suportada pelo município de Lisboa e terá um custo estimado de 1,5 milhões de euros.

 

Ao contrário do sucedido na votação camarária, ocorrida em Outubro passado, em que a aprovação da proposta foi unânime – e pautada apenas por algumas reservas levantadas pelo vereador João Gonçalves Pereira (PSD), que ainda assim votou favoravelmente -, na discussão ocorrida na assembleia o tom foi claramente mais crispado. Chegou-se mesmo a falar da influência de ideias xenófobas e de extrema-direita, expressas sobretudo através das redes sociais, para tentar travar o avanço do projecto. As acusações partiram do deputado municipal José Leitão (PS), ex-alto comissário para a imigração e as minorias étnicas, que salientou as garantias de liberdade religiosa existentes em Portugal e a necessidade de reforçar o sentido multicultural.

 

“Lisboa é uma cidade global e não podemos esquecer que a comunidade muçulmana sempre este muito presente naquele local”, disse o eleito socialista, salientando o facto de o templo que deverá ser construído vir a suprir a forte necessidade, uma vez que o que existe naquela zona ser manifestamente pequeno para a procura crescente. “Este projecto cumpre o espírito ecuménico e contribui para o reforço da coesão na Mouraria e na cidade. Não podemos ceder à demagogia, à xenofobia e à intolerância expressa nas redes sociais”, afirmou José Leitão, que havia começado a sua intervenção no plenário afirmando-se surpreendido com as dúvidas expressas pelo PSD. “Antigamente, não tinham preconceitos em relação a estas questões”, disse.

 

Os social-democratas foram, de facto, e juntamente com o Movimento Partido da Terra (MPT), vozes abertamente discordantes face ao ambiente de aparente consenso em relação à utilidade da aprovação da utilidade da expropriação imediata para abrir caminho à construção da Praça da Mouraria e da mesquita. Pelo menos, esse foi a posição de dois dos mais importantes eleitos daquele partido – Vítor Gonçalves, líder a bancada, e Margarida Saavedra -, que acabaram por se abster na votação do documento juntamente com outros três colegas social-democratas, tendo os restante deputados laranjas votado a favor. E ambos, ex-vereadores, justificaram tal posição com dúvidas de cariz urbanístico.

 

Vítor Gonçalves disse que os deputados da 3ª comissão da AML, que acompanha os temas de urbanismo, “desconhecem o projecto urbanístico em causa”, pelo que não se poderiam pronunciar, favoravelmente ou o seu contrário, sobre o mesmo. Uma posição que foi, momentos mais tarde, reforçada pela declarações de Margarida Saavedra. “É totalmente inadmissível que se esteja a querer transformar numa questão religiosa aquilo que é uma questão urbanística. Enquanto não soubermos do que se trata o projecto não o votaremos. Na ignorância, não votamos, nunca o faremos”, afirmou a eleita do PSD, que se envolveu numa acesa troca de argumentos com o presidente da câmara, Fernando Medina.

 

O autarca, que já antes assumira que a construção da mesquita “é, inequivocamente, uma afirmação política de quem não se deixa levar pelo populismo e pelo medo”, contestou fortemente aqueles que põem dúvidas à edificação do templo. Medina começou por visar as dúvidas levantadas tanto por Vítor Gonçalves como pelo eleito do MPT Vasco Miguel Santos, que faziam lembrar a aparente contradição entre a laicidade do Estado português e o facto de a CML estar a abrir os cordões à bolsa para pagar um templo. O presidente da câmara lembrou o plenário que “se há coisa que distingue o estado laico é não descriminar nem beneficiar nenhuma fé religiosa”, acarinhando as diferenças. E elencou diversos exemplos de ajudas dadas pela autarquia, ao longo das últimas três décadas, a diferentes confissões, como os ismailis, os judeus, os hindus ou os católicos.

 

Como resposta, Margarida Saavedra voltou a sublinhar que as suas objecções são de cariz urbanístico e não outro. E elencou três. Fazendo referência à necessidade de os carros de bombeiros terem de passar no arruamento a surgir desnivelado sob a mesquita, disse que tal obrigaria a uma subida da cércea do edifício para uma altura total de “20 a 25 metros”. O que poderá causar uma desconformidade urbanística, face ao autorizado na zona. A eleita social democrata disse ainda que não estavam estudadas as condições de iluminação natural da futura Praça da Mouraria, que iria estar virada para Norte. E culminou a criticar o que considerou ser uma incógnita em relação à segurança dos acessos à mesquita. “Não estou disposta a votar numa aberração urbanística”, disse.

 

Tal elenco de dúvidas irritou visivelmente Fernando Medina. “Toda a gente sabe que gosto do debate político, mas uma coisa é certa: gosto de fazê-lo com frontalidade”, disse o presidente da autarquia, acusando a deputada municipal de estar a “arranjar alegadas dúvidas urbanísticas sobre o projecto, para não assumir verdadeiramente as razões porque votam contra a proposta”. Medina estava mesmo chateado e lembrou a Margarida Saavedra que ela e os restantes deputados não dispõem de competências para votar projectos urbanísticos. Tal fez com que Helena Roseta, presidente da AML, tivesse de atirar a Medina que se é verdade que a assembleia não tem poderes para o fazer, “tem certamente competências para fiscalizar a actuação da câmara”.

 

No meio do debate, Miguel Coelho (PS), o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, apelou a que fizesse uma sessão de esclarecimento junto da população da área sobre este projecto, quando o mesmo estivesse pronto. Mas também pediu ao executivo camarário que reunisse com os proprietários dos prédios que vão ser expropriados. “Eles disseram-me que não têm informação sobre o que se vai passar”. Entre eles está, como noticiou no início de Novembro O Corvo, António Barroso, dono do conjunto compreendido entre o 145 e o 151B da Rua do Benformoso (na foto), que se diz enganado pela câmara. Ficou a saber pelos jornais que iria ser expropriado por um valor que considera irrisório face ao dinheiro investido na recuperação dos imóveis que agora serão demolidos.

 

  • José António Estorninho
    Responder

    Construção de templos (sejam lá de que confissão sejam) à custa dos contribuintes, sou absolutamente contra.

    • Mario Fernandes
      Responder

      A CML ficará legalmente obrigada a dar outros 1,5 milhões para a construção de mais uma sinagoga, outros para uma igreja católica, para uma igreja protestante, para um templo budista, para os hindus, para os mormons, cientologistas… A CML pelos vistos não conhece a constituição, ou pensa que o povo é estúpido.

  • Jorge Parente Baptista
    Responder

    Isto é de uma total demagogia…

  • Nuno Fox
    Responder

    É criminoso desbaratar dinheiro público num templo de uma religião que visa a destruição do Ocidente quando há tantas necessidades em Lisboa!

  • Nuno Fox
    Responder

    Os argumentos esgrimidos pelas partes favoráveis ao financiamento desta mesquita são ridículos, estúpidos e ignorantes. Se não controlarem a mesquita tronar-se-á um ninho de terroristas e com um discurso de ódio ao Ocidente como sucede em muitas mesquitas de Bruxelas onde resido. Sejam ingénuos e estúpidos e verão as bombasvque arrebentam futuramente!

  • Isabel Máximo Correia
    Responder

    Só quero chamar a atenção que a Troika virá a Portugal no início de 2016 para saber onde está tanto dinheiro…

  • Mario Fernandes
    Responder

    Não sou contra a construção da mesquita, mas sou contra o uso de dinheiro público. Até porque é ilegal/inconstitucional. Se fosse nos EUA, a CML acabaria por ser processada e a obra não avançaria.

  • Paulo Ramos
    Responder

    Parabéns chamuças estas a conseguir não entendo é porque está gente não faz como se fez em Sevilha comecem a enterrar pedaços de carne de porco o assunto resolve-se por ele próprio
    . Esta autarquia esecravel anda a estorquir-nos impostos para isto?

  • Jorge Janela
    Responder
  • Martim Galamba
    Responder

    Inacreditável, e a Câmara vai enterrar milhões de euros na construção de um templo religioso (qualquer que ele fosse) com que legitimidade?!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com