A Ribeira das Naus, onde no domingo (23 de Agosto), pelas 22h, é projectado o filme os Amantes do Tejo (1955), de Henri Verneuil, integrado no ciclo Fitas na Rua, é apenas um de entre as dezenas de locais em que se poderá assistir aos espectáculos e à animação cultural que fazem o Festival Lisboa na Rua deste ano, na sua sétima edição. Começando ao princípio da noite desta quinta-feira (20 de Agosto), pelas 19h, com um concerto da Orquestra AngraJazz, no Jardim do Arco do Cego, o programa organizado pela empresa municipal EGEAC estende-se até 20 de Setembro, com a intenção de celebrar o Verão ao ar livre e sempre sem cobrar bilhete.

 

A programação do Lisboa na Rua, que acontece entre as quintas-feiras e os domingos, ao final da tarde e de noite, é ampla e multifacetada, incluindo cinema, espectáculos musicais de diversos géneros (jazz, clássica, fado, improvisada, francesa, Djs), teatro, tertúlias, videoarte, jogos tradicionais ou fotografia. “Lisboa parte assim à descoberta dos seus anfiteatros naturais, praças, jardins, ruas recônditas e espaços por descobrir”, promete a organização, que destaca a estreia da iniciativa Flanêur – Novas Narrativas Urbanas. Iniciada a 11 de Setembro e prolongando-se até 5 de Outubro, a mesma trará para as ruas do Intendente os trabalhos dos fotógrafos Augusto Brázio e Martina Cleary e levará a cabo workshops, ateliers de fotografia, acções performativas e a exposição “Shared Cities”, a ter lugar no Mercado Forno do Tijolo.

 

A Flanêur é apenas uma das doze rúbricas que, somadas, fazem o Lisboa na Rua. A ela há que somar ainda, e para além das já habituais Fitas na Rua (cinema); a Arte da Big Band (orquestras jazz); Clássicos na Rua e a Orquestra Gulbenkian; o festival de vídeo-arte FUSO; a instalação e performance do projecto Vicente, a ter lugar no espaço Travessa da Ermida, em Belém; Sou do Fado; ou Kiosquorama, que, a 22 e 23 de Agosto, tratará ao coreto da Praça José Fontana os músicos franceses Villa Hobo, Kiz e Gerald Kurdian. Destaque ainda para o Entrada Livre, programa actividades culturais do Teatro Nacional Dona Maria II aberto à comunidade, e a realizar entre 11 e 13 de Setembro.

 

Programação completa: www.lisboanarua.com

 

Texto: Samuel Alemão

 

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa