Apesar de, há décadas, se discutir a legitimidade de continuarem a existir postos de abastecimento de combustíveis junto a edifícios de habitação, devido à sua alegada perigosidade, os mesmos continuam a ser permitidos. Em Lisboa, existem vários exemplos. Há quem considere um anacronismo a permanência destes potenciais paióis num contexto de alta densidade urbana. Por uma questão da mais elementar segurança dos moradores e, também, pela qualificação do espaço público.

 

Há pouco mais de quatro anos, o PSD manifestou-se, na Assembleia Municipal de Lisboa, contra a instalação de uma concessão gasolineira na Estrada da Luz. Nessa altura, os social-democratas alegaram que “a política municipal nesta matéria deve ser de condicionamento à gradual desactivação dos postos de abastecimento confinantes com aglomerados residenciais”. Mas esse posto foi aprovado. O Corvo foi à procura de alguns exemplos e mostra-os aqui.

 

Fotografias: Paula Ferreira

 

1-5Estrada da Luz

 

2-4
Avenida Columbano Bordalo Pinheiro

 

4-5
Rua Castilho

 

6-3
Rua do Arco do Cego

 

8-4
Rua da Graça

 

9-2Rua José Estevão

 

10-2Avenida Frei Miguel Contreiras

 

11-4
Avenida Rio de Janeiro

 

  • Paula Gomes
    Responder

    a maior parte é da GALP, estão a ver porque não acabam com as gasolineiras junto aos prédios?

  • Paulo Ramos
    Responder

    No alto Caramão da Ajuda existe uma paredes meias com um prédio de Habitação e a muito menos de 200 mínimo de dois bairro ja existia a lei mas mesmo assim foi implementada. Existem muitas “fotocópias” em circulação

  • Tom Davis
    Responder

    Próxima semana no Corvo: os tubos do gás natural mesmo dentro dos prédios de Lisboa

  • tektek
    Responder

    Sera as gasolineiras junto dos predios , ou os predios junto das gasolineiras?
    è sabido que muitas gasolineiras foram instaladas antes de ali haver predios
    assim deve-se desinstalar os predios que ali chegaram depois da gasolineiras ja instalada

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com