Inicialmente, era só nas paredes de edifícios e em muros. Depois, passou também a incluir peças de mobiliário urbano. No último par de anos, porém, tem-se vindo a assistir ao alastrar do que parece ser uma nova tendência do graffiti e dos tags em certas zonas de Lisboa – com especial incidência na eixo da Avenida Almirante Reis –, replicando uma prática comum em diversas metrópoles europeias. Sem autorização dos proprietários de carrinhas, as mesmas convertem-se em telas sobre rodas.

 

As pinturas em furgões estacionados naquela zona – embora haja outras áreas onde as mesmas acontecem -, são feitas sobretudo à noite, recorrendo ao aerossol e às pichagens com marcadores. E tornaram-se cada vez mais visíveis. Os actos de vandalismo sobre os veículos de carga, através desta forma de expressão gráfica, afectam sobretudo pequenos comerciantes, parte dos quais lojistas de mercearias asiáticas. Mas há também empresas afectadas. A fotógrafa Paula Ferreira saiu à rua para captar evidências desta prática.

 

Fotografias: Paula Ferreira

 

10-3

 

1-7

 

3-5

 

8-6

 

7-6

 

4-6

 

 

5-a

 

9-3

 

5-5

 

 

  • Dirk Scott
    Responder

    Os vândalos dos graffiti não compram a dor do pulverizador, roubam-na. Se a polícia trabalhar com as lojas que vendem essa tinta para pegar os ladrões, os graffiti vai reduzir.

  • Manuel Guedes
    Responder

    O cão até ficou porreiro… o resto é que seria desnecessário.

  • Nuno Cândido Vieira
    Responder

    Será que agora esta terceiro-mundista prática já pode ser considerada crime? Ou é melhor esperarmos que chegue aos veículos ligeiros de passageiros? Ou em cima da própria população?

  • Eliseubike
    Responder

    Há obras tão boas que os donos das carrinhas podiam entrar em contacto com o artista e propor-lhe que lhe personaliza-se a obra em seu beneficio…Em minha modesta opinião…:)é uma quera que só se controla com bom senso com por exemplo já tiveram as autarquias quando fazem os festivais para os artistas de rua que usam aquelas armas para salientarem a sua obra.! Quem será o desenhador do cão? Vejo essa assinatura por toda a cidade…ele já deve fazer o boneco com os olhos fechados, com a mão esquerda e em posição de invertida ! 🙂

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com