A passagem pedonal subterrânea de Alcântara vai beneficiar de uma acção de reabilitação promovida pela Associação Portuguesa de Arte Urbana (Apaurb). A iniciativa, com início previsto para 7 de Agosto, aposta no voluntariado de cidadãos e entidades para a limpeza e pintura desta infra-estrutura de um dos eixos rodo-ferroviários de Lisboa.

 

“A ideia é combater o fogo com o fogo. A passagem está cheia de tags e todo o tipo de graffiti e vamos convidar artistas para pintarem o espaço”, conta Octávio Pinho, presidente da Apaurb. A arte urbana pode contribuir para reabilitar espaços degradados e vandalizados, como é o caso do túnel que liga à estação de Alcântara-Mar e à zona ribeirinha das Docas . Numa primeira fase, todas as paredes do túnel serão pintadas de azul claro. A opção levará a que, no tecto baixo da passagem subterrânea, seja criado um efeito de céu aberto.

 

A segunda fase deverá arrancar no último dia de Agosto e prolongar-se-á até 20 de Setembro. “Vamos pedir a artistas para reproduzirem imagens de Lisboa”, explica o dirigente da Apaurb. Em toda a extensão do túnel, de forma a criar um efeito 3D dos miradouros da cidade, serão pintados diversos monumentos. Do lado ribeirinho, junto à saída para as docas de Santo Amaro, esclarece uma nota da associação, prevê-se reproduzir de um lado a ponte 25 de Abril e a marina, do outro lado o cais de carga, o porto de Lisboa e contentores. A Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos e eléctricos também poderão ser vislumbrados, assim como o Tejo, o Castelo de São Jorge, a rotunda do Marques de Pombal, o Panteão e o elevador de Santa Justa, no prolongamento das “vistas” nas correspondentes paredes do túnel.

 

A Apaurb conta com a colaboração de diversas entidades para a realização do projecto. A Associação de Comerciantes das Docas de Santo Amaro vai fornecer refeições para os artistas durante as intervenções. A Câmara Municipal de Lisboa prometeu colaborar na instalação de andaimes, sinalização e no policiamento. Octávio Pinho admite a O Corvo que, da autarquia, tiveram “zero em apoios”, embora reconheça que a câmara “está um bocado de mãos atadas”, pelas dificuldades administrativas de uma contribuição mais avultada para o projecto.

 

A associação ainda não teve resposta aos pedidos de autorização da Rede Ferroviária Nacional (Refer), mas “vai avançar” com a iniciativa. A Fundação Museu Oriente vai contribuir para o projecto através de contactos com outras instituições, para que também ajudem, e organiza com a Apaurb debates relacionados com a arte e a reabilitação urbana. Os cidadãos que se pretendam voluntariar para as acções também se podem inscrever na recepção do museu.

 

Uma marca de tintas (Sika), especializada em reabilitação urbana, já confirmou a oferta de cerca de 730 litros de tinta para a pintura de paredes e do tecto. Os voluntários receberão ainda “t-shirts” e chapéus e a empresa disponibilizou-se para fornecer a tinta para o pavimento, no caso de avançar a ideia de reproduzir em pintura uma calçada à portuguesa. Octávio Pinho apela à adesão de voluntários à iniciativa e ao apoio de empresas e outras entidades com materiais, como instrumentos de pintura e de limpeza. Para a associação, “a reabilitação dos centros urbanos é um vector imprescindível para o desenvolvimento sustentável das cidades e para a melhoria das condições de vida das populações e do país”.

 

 

Texto: Luís Filipe Sebastião    Fotografia: Laura Alves

  • Susana Loio
    Responder

    o túnel mais nojento da cidade? Boa!

  • Isabel Santiago
    Responder

    Bem precisa …

  • Maria José Sacchetti
    Responder

    Até que enfim!!

  • António Rosa de Carvalho
    Responder

    Atenção meus senhores … trata-se de “Arte Urbana” e não de Graffiti … Hummm … esperar para ver o “Resultado” …
    Depois de o Voo do Corvo em 21 DE ABRIL DE 2013 /
    ter dedicado uma reportagem ao infame túnel seguido 3 dias depois pelo O Corvo/blog 24/04/2013 / , o mesmo blog anunciava ontem 01/08/2013 a intervenção “Arte Urbana” …. Hoje é a vez do Público.
    O “Zé” deve ter visto …
    Atenção meus senhores … trata-se de “Arte Urbana” e não de Graffiti … Hummm … esperar para ver o “Resultado” …

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com