Benfica não é só terra de futebol. Benfica tem um armazém que não serve para guardar tralha. Este armazém guarda um circo, mas não por muito tempo. O Armazém 13 (A13) é um espaço de circo contemporâneo e em breve precisará de um novo tecto.

 

Localizado desde a sua formação, em 2011, na Avenida Gomes Pereira, o Armazém 13 continua à procura de investimento por parte de privados ou do governo, apesar do apoio da Junta de Freguesia de Benfica. O espaço actual é arrendado e está na iminência de ser demolido. O projecto pretende encontrar um novo local para continuar a produzir as suas peças inovadoras, a apoiar os artistas da área e a ensinar as suas artes.

 

Este armazém artístico alberga várias actividades: desde aulas de circo para crianças a aulas de acrobacia aérea para adultos, passando por aulas de dança contemporânea e de yoga, são cada vez mais os interessados nos cursos que o Armazém 13 tem para oferecer. Para além destas aulas, no último sábado de cada mês é organizado o Cabaret Circo, um espectáculo de variedades, com circo, música, dança e magia para toda a família.

 

Qualquer artista pode candidatar-se. “É preciso ter uma obra consistente em relação ao cabaret, isto é, não julgamos as obras, mas a sua consistência no nosso palco e no espectáculo”, esclarece Raquel Nicoletti , membro fundador do A13.

 

Raquel convida toda a gente a conhecer o Armazém 13 e a ver com os próprios olhos porque é que este é um espaço único e merece o reconhecimento da cidade. Nem os armazéns servem só para guardar tralha, nem os circos têm de ser só no Natal. Lisboa tem um circo contemporâneo e os circos fazem as cidades mais felizes. Não o deixemos fugir.

 

Texto: Mariana Garcia    Fotografia: Nuno Soveral

  • Sofia Simões de Almeida
    Responder

    um texto bonito e necessário. e fiquei com vontade de conhecer o armazém 13

  • raquel
    Responder

    Estás desde sempre convidada.

  • Paula Alexandra
    Responder

    E vivam os circos para além do Natal! Um texto muito bem escrito!

  • Emilia Arroz
    Responder

    Os espaços alternativos de culturas artíticas alternativas são um grande alimento da vida da cidade. Os espaços convencionais e as artes convencionais precisam desse alimento…
    Obrigada por este texto sobre um assunto que desconhecia

  • Eduardo Silva Anes
    Responder

    Gostei de ler esta clarificante apresentacao do A13.
    Icentivemos o circo e as expressoes artisticas. Cultura nao deve ter preco.
    Obrigado

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com