Após meses de pó, já se respira no Cais do Sodré, Corpo Santo e Rua do Arsenal

PORTFÓLIO
Paula Ferreira

URBANISMO

Misericórdia

2 Fevereiro, 2017

Os incómodos foram sentidos por todos, durante mais de um ano de obras. O suplício está, porém, prestes a acabar. A intervenção de reabilitação do espaço público entre o Cais do Sodré e o Terreiro do Paço encontra-se a poucas semanas de ser inaugurada. Tanto aquela praça, bem como o Largo do Corpo Santo e a Rua do Arsenal respiram outro ar, bem diferente do que lhes estava associado nas últimas décadas. Iniciada em dezembro de 2015, a intervenção tinha um propósito claro, enunciado pelo presidente da Câmara de Lisboa, quando a apresentou aos jornalistas: “Vamos conseguir atingir o objectivo de devolver mais espaço público aos peões, junto ao rio, retirando os automóveis. E fazemo-lo numa zona particularmente complicada, um nó em que é difícil intervir”.

O objectivo está praticamente concretizado nos largos do Cais do Sodré e do Corpo Santo. Já a requalificação do Campo das Cebolas, parte da mesma empreitada de reabilitação da zona ribeirinha cujos custos previstos rondam os 18 milhões de euros, está atrasada. Tal deve-se, segundo declarações recentes de Manuel Salgado, vereador do Urbanismo, ao facto de as escavações que permitirão criar ali um parque de estacionamento subterrâneo se terem deparado com achados arqueológicos, como um cais pombalino, duas embarcações e artefactos de cerâmica. As obras de construção do parqueamento começarão em breve. Ainda não existe, todavia, uma data para a conclusão dos trabalhos de requalificação do espaço público.




A fotógrafa do Corvo, Paula Ferreira, andou, nos últimos dias, pelo Cais do Sodré, Corpo Santo e Rua do Arsenal, a registar as mudanças, já bem visíveis.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

  • Jorge Janela
    Responder

    A Calçada do Ferragial vai ser definitivamente cortada, ou a situação actual – acesso a garagens e obras – é só temporária?

  • Margarida Noronha
    Responder

    E está bonito! Espero que as árvores cresçam rápido por causa do sol de chapa

  • Rui
    Responder

    Parece-me impossível que haja tantos pacóvios a criticarem as obras, quando esta só pecam por tardias…..Enfim!

    • Vitor Barcelos
      Responder

      Exato ! Mesmo pacóvios que uma vida triste … e o drama das obras com pó e … como se as obras se fizessem com uma varinha mágica! ninguém tem paciência para este povo mal agradecido e sempre a falar mal !!! Ainda bem que fizeram obras, Lisboa está a ficar linda ! Parabéns CML

  • joão m. maria
    Responder

    Quando tudo estiver a funcionar em pleno,ainda haverão “velhos do Restelo” a maldizer o bem que está sendo feito! Está lindo;prático e eficiente!! Bem hajam!!!

    • Miguel Keßler
      Responder

      «Quando tudo estiver a funcionar em pleno,ainda haverão “velhos do Restelo” a maldizer o bem que está sendo feito!» É bem capaz de ter razão, quase de certeza, enfim, sabendo do que a casa gasta… Só não serão velhos do Restelo porque o Velho do Restelo era um tipo carregadíssimo de razão, nada tendo a ver com os velhos de que fala e que, se não “haverão” é só porque os “haverá”. Uma questão de gramática, que não de conteúdo que, esse, subscrevo por completo…

  • Vitor Barcelos
    Responder

    As obras estão Lindas e práticas, e espero que Lisboa continue a fazer muita obra ! nunca se fez tanto como o que se tem feito ! E ainda há muito para fazer ! Parabéns a CML e a todos os amantes de Lisboa

  • Paulo Almeida
    Responder

    As obras causam, sempre transtorno, como é evidente. o que interessa é o resultado final. E esse tem demostrado, que a cidade fica mais bonita. Aos críticos, possivelmente, gostariam de ver novamente o Terreiro do Paço, como um local de estacionamento automóvel. Parabéns ao Presidente e a toda a sua equipa. Bem hajam.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend