Têm um ar um pouco antiquado, mas lá estão, velando pela limpeza dos jardins. Os painéis de aviso aos donos de cães começaram a ser instalados há dias em 23 jardins de Lisboa – Estrela, Parque Eduardo VII, Belém, Corredor Verde, Campo Grande e Campo Pequeno, Alameda D. Afonso Henriques, Príncipe Real são os locais citados por comunicado municipal. A sinalética lembra ser proibido os cães andarem sem trela e os cães perigosos sem um açaimo complementar e ser obrigatório que os acompanhantes dos bichos recolham os dejectos. “As fezes de um cão – avisam os painéis – alojam vírus, bactérias e parasitas perigosos para a saúde humana, sobretudo a das crianças”.

 

Sendo que nos jardins o controlo social é grande, talvez fosse de estender a cobertura  sinalética aos bairros mais emporcalhos da cidade.Estes locais são habitados por um tipo de gente que, assim que o animal baixa os quartos traseiros e se espreme, descobre um ponto de interesse no céu ou nas partes altas dos prédios por entre os quais circula. É uma distracção pavloviana. Ataca muito na freguesia dos Prazeres, por exemplo. Numa manhã desta semana, o Jardim da Estrela, asseado e fresco, exibia os novos sinais nas duas entradas principais. Não há aqui dispensadores de sacos plásticos para os dejectos caninos, mas também onde os há andam quase sempre vazios. O Corvo, aliás, encontrou duas donas de cães prevenidas com as suas próprias saquetas. O cão sem trela avistado não constituía perigo: era do tipo arrastadeira francesa.

Texto e fotografia: Francisco Neves

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com