António Costa vai abandonar o seu gabinete no Largo  do Intendente, pondo fim a um período excepcional de três anos, e regressar ao seu local de trabalho no edifício dos Paços do Concelho. “É tempo de virar a página”, diz o presidente da Câmara Municipal de Lisboa. A novidade foi dada na reunião pública de executivo, na tarde desta quarta-feira. Costa anunciou que o gabinete que ocupa desde 10 de Abril de 2011 irá ter agora como inquilina a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins. “É sinal que deixámos de viver um período de excepção na Mouraria, que, depois de iniciada a intervenção de reabilitação, começa a voltar à normalidade”, afirma Costa.

O autarca salientou, porém, que “é preciso consolidar o trabalho que foi feito no Intendente” e na sua envolvente – no qual se inclui a Mouraria. “”Há todo um trabalho a realizar ainda no miolo urbano e no espaço público, nomeadamente da parte alta da Mouraria e na sua ligação à Graça”, disse António Costa, depois de afirmar que “há outras ‘mourarias’ na cidade a que teremos também de acorrer”. Tais palavras deixam antever a possibilidade de utilizar a mesma abordagem concertada entre vários agentes, coordenados pela autarquia, para a reconversão de zonas degradadas da cidade – tal como já foi anunciado para a Colina de Santana.

As palavras do presidente da edilidade da capital surgiram após uma breve apresentação, em jeito de balanço, dos três anos de intervenção na reabiltação da Mouraria por parte da câmara. O coordenador do Gabinete de Apoio ao Bairro de Intervenção Prioritária (GABIP) da Mouraria, João Meneses, elencou tudo o que foi realizado, nestes anos, no resgate à decadência desta área central da cidade. Meneses até exemplificou com estatísticas do motor de busca Google para sinalizar o aumento de curiosidade das pessoas em relação à Mouraria.”Não é em si uma avaliação, mas representa, certamente, alguma coisa”, disse.

* Texto actualizado às 21h40 de 26 de março.
Texto: Samuel Alemão
  • Aqui mora gente
    Responder

    E que tal a mesma “abordagem concertada” com os moradores no Bairro Alto e Cais do Sodré entregues aos interesses da noite?

  • alzira pinheiro
    Responder

    Que tal voces por uma sala de xuto no terreiro do paço para turista ver
    porque leva tudo que à de mau para sitio dos pobres ? será que eles não tem direito a ter coisas boas e que não os envergonhe.

  • manuel da costa morais galvão
    Responder

    esperamos que o Exmº Srº João Menezes não cometa o mesmo erro do passado recente de programar concertos até altas horas da noite para o Lg do Intendente Pina Manique. Os moradores da zona não querem passar mais um verão sem conseguirem descansar durante a noite.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com