O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, quer ver o Largo do Intendente com “mais cafés”, para que assim se possa garantir a continuidade do processo de reabilitação urbana em curso naquela zona, iniciado há pouco mais de três anos. “Neste momento, temos dois cafés no Intendente, mas temos que ter mais, para garantir que há ali vida e gente a circular”, disse Costa, durante a reunião descentralizada do executivo municipal, realizada na quarta-feira à noite, no Centro Social da Paróquia de São Sebastião da Pedreira, e destinada a auscultar os munícipes das novas freguesias das Avenidas Novas e Arroios. O autarca fez mesmo comparações com o Bairro Alto.

 

Costa tentava com estas afirmações apaziguar as preocupações de alguns moradores daquela área que se queixam do excessivo ruído nocturno resultante do funcionamento dos bares e, sobretudo, das muito frequentes actividades culturais ocorridas no largo, com ênfase nos concertos. Uma residente foi muito enfática no quão “insuportável” considerava ser a actual situação, relatando casos dramáticos de pessoas “que têm de arrastar os colchões para outras divisões da casa e dormir na dispensa, por não conseguirem aguentar o barulho”. “São decibéis a mais, aquilo parece um terramoto. Já há pessoas com problemas neurológicos e sintomas de depressão”, queixou-se a moradora.

 

Estas queixas foram rebatidas, logo de seguida, por Marta Silva, directora da Largo Residências, vice-presidente da associação cultural Sou e uma principais agentes da intervenção social e cultural no Intendente. Referindo-se aos concertos do Festival Bairro Intendente em Festa, que se desenrola entre 4 e 27 de Julho, Marta apelou à compreensão para a excepcionalidade de uma situação “que se verifica em oito dias em 365 de um ano”. Mais importante, frisou, será atentar aos resultados positivos já conseguidos desde que se iniciou o processo de renovação de uma área antes profundamente deprimida. A dinamizadora quer ver a acção regeneradora continuar e, por isso, solicitou a António Costa a criação de “um processo experimental” de ocupação com projectos artísticos, culturais e sociais dos “muitos espaços vazios existentes na freguesia”.

 

Costa anotou, mas não deixou de tentar, de alguma forma, tranquilizar a desconsolada e irritada moradora. “Esta é uma preocupação que tenho, a da compatibilidade dos diferentes usos na cidade. É claro que as pessoas têm direito ao seu sossego, isso tem de ser preservado”, disse, sem esconder que a convivência de diferentes realidades é conflituosa. Referindo-se ao Intendente, disse que “o processo de transformação tem que progredir” e fez mesmo um paralelismo com a passagem do Bairro Alto de área de prostituição a núcleo de diversão nocturna. “Vivi no Bairro Alto durante 17 anos e assisti às sua transformações. Hoje já ninguém se lembra de como era aquela zona nos anos 60 e 70. Desejavelmente, no Intendente também será assim. O género de clientes também vai mudar”, afirmou.

 

Texto: Samuel Alemão

  • Tom Davis
    Responder

    “Que se verifica em oito dias em 365 de um ano.” Então e todos os outros concertos que há durante o ano?

  • Pedro Rocha
    Responder

    para os fechar passado uns messes pq nao ha dinheiro para pagar tuso o que requerem?

  • Pedro
    Responder

    esta gente devia preferir os drogados e as senhoras da rua como aquilo era antes.
    so sabem queixar

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Já agora, aqueles candeeiros… LIXO COM ELES, S.F.F.

  • Aqui Mora Gente
    Responder

    O Bairro Alto tem cada vez menos moradores graças à “animação nocturna desenfreada” e ao Ruído nocturno excessivo.As pessoas simplesmente não aguentam tanta gritaria e decibéis a bombar nas sua casas e desistem de ali morar.O “cliché”utilizado de acabar com a prostituição a favor da animação nocturna em nada beneficia os residentes que deixaram de dormir, vivem numa imundície permanente de garrafas partidas e copos de plástico pelo chão, vomitado e urina.Lisboa a transformar-se num imenso BAR a céu aberto!

  • Aqui mora gente
    Responder

    Já agora com horários até às 04h da manhã e colunas de som a emitir decibéis para a rua…a ver quanto tempo os residentes resistem a tanta animaçâo nocturna!

  • Aqui mora gente
    Responder

    O “modelo de animação nocturna” do Bairro Alto é incompatível com a função residencial e não serve de exemplo para o desenvolvimento sustentável de qualquer Bairro.A sempre invocada dificuldade em conciliar interesses de moradores e comerciantes é uma má desculpa e a CML não assume a sua incompetência e permissividade perante a mais absoluta falta de respeito pelos direitos fundamentais dos cidadãos.No Bairro Alto vive-se num “ghetto” sem lei.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com