António Costa afirmou perante a Assembleia Municipal de Lisboa, na tarde desta terça-feira, que fugiu da zona do Areeiro, onde morava, por causa das obras do Metropolitano de Lisboa, que duram há mais de cinco anos na praça com o mesmo nome. “Eu não escapei, eu fugi mesmo, porque não quis que acontecesse à minha porta o que estava a acontecer ao lado”, disse o autarca.

 

O presidente da câmara respondia à questão colocada pelo deputado municipal do PSD e presidente da junta de freguesia do Areeiro, Fernando Braancamp, que teceu duras críticas ao incumprimento dos prazos estipulados para a execução das obras. “A praça do Areeiro, que é uma porta de entrada da cidade está transformada num estaleiro permanente há 72 meses. E o senhor presidente da câmara conseguiu escapar a tempo ao estaleiro que foi montado por baixo da sua porta”, disse Fernando Braancamp.

 

António Costa sublinhou, no entanto, que a questão do deputado do PSD devia ser colocada ao Metropolitano de Lisboa, porque “a obra em causa não é da câmara, que apenas fez o projecto. A obra é da exclusiva responsabilidade do Metropolitano”, disse Costa, numa sessão da Assembleia Municipal de Lisboa onde muito se falou dos transportes públicos. Quer o PSD, pela voz do deputado municipal Carlos Barbosa, quer o Bloco de Esquerda, pela voz da deputada Mariana Mortágua, quiseram conhecer a posição da câmara no que diz respeito aos processos em curso da Carris e do Metro.

 

Mas António Costa apenas reiterou posições anteriores, afirmando que a gestão daquelas transportadoras deve ser competência municipal. Quanto às negociações em curso entre a câmara e o Governo, que pretende lançar os concursos de concessão no segundo trimestre de 2014, ou seja, a partir de agora, António Costa apenas disse: “Acho positivo que o Governo tenha manifestado disponibilidade para discutir com a câmara. Mas o resultado final ainda não tenho. Mas não faltará muito para tomarmos uma posição final”, afirmou.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

 

  • Rui Ribeiro
    Responder

    Um presidente que foge das obras da sua cidade…palavras para que?

  • Jun Itabashi
    Responder

    Ponham esse gajo na camera , a gás .

  • Paula Andorinha
    Responder

    Como de costume, os políticos tratam de si e esquecem quem deviam servir

  • MovV.org
    Responder

    António Costa fugiu das obras do Metro no Areeiro http://t.co/rEVfXBIgzE

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com