O presidente da Câmara Municipal de Lisboa fala em absentismo de 20% e numa “taxa elevadíssima de pessoal em serviços moderados”. Autarca diz que o processo de descentralização de competências para as juntas veio comprovar as falhas da administração camarária e garante que, após um diagnóstico rigoroso, se perceberá que a autarquia “tem muitas mais doenças do que aquelas que aparenta ter”.

 

Texto: Samuel Alemão        Fotografia: David Clifford

 

Foi um final de reunião demolidor e, de alguma forma, surpreendente. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) aproveitou o encerramento da reunião descentralizada do executivo, realizada na noite desta quarta-feira (3 de Setembro), na Escola Secundária José Gomes Ferreira, em Benfica, para fazer uma forte crítica aos serviços da autarquia por si liderada e deixar a promessa de que está no horizonte uma grande “operação de diagnóstico de todas as doenças da câmara”.

 

“Cada um tem a sua filosofia de vida. Há os que preferem não saber das doenças que têm para não se preocuparem. Eu sou daqueles que, a estar doente, acho que mais vale saber rapidamente o diagnóstico para rapidamente me tratar”, disse António Costa, a culminar um solilóquio repleto de analogias com a prática médica e que veio como resposta às críticas do vereador Carlos Moura (PCP) à alegada incapacidade da CML para resolver os problemas – feitas no final da reunião realizada para auscultar as preocupações dos munícipes da freguesia de Benfica.

 

Fazendo um elogio ao processo de descentralização de competências da CML para as juntas de freguesia, iniciado este ano na sequência da reforma administrativa da cidade de Lisboa – a qual levou também à redução do número de freguesias de 53 para as actuais 24 -, António Costa salientou o papel pioneiro da Junta de Freguesia de Benfica, apontando-a como modelo a seguir pelas restantes juntas da capital. “Muitas das decisões de descentralização foram aqui experimentadas e testadas com sucesso”, disse o edil, antes de dar exemplos relacionados sobretudo com a gestão do espaço público, como jardins, estacionamento, passeios ou passadeiras.

 

Falando depois sobre uma questão concreta relacionada com o sistema de refrigeração do Mercado de Benfica, Costa disse que o problema está agora a ser resolvido pela junta de freguesia, depois de anos a fio a ser debatido em reuniões de CML, “sem que os serviços da câmara tivessem sido capazes de responder”. “A verdade é que não era por falta de dinheiro que não respondiam. O dinheiro que a junta está agora a receber era o dinheiro que, antes, a CML recebia. O que acontece é que na câmara o dinheiro se perde na burocracia, na inactividade e incapacidade de muitos serviços para responderem aos problemas”, acusou o autarca.

 

António Costa utilizou, então, esse diagnóstico para defender a reforma por si encetada. “A proximidade das freguesias permite-lhes responder com maior acuidade. Primeiro, porque estão mais próximas e detectam os problemas primeiro. Em segundo lugar, porque estando mais próximo, têm mais dificuldade em não ouvir as razões de queixa, seja dos munícipes ou dos comerciantes do mercado. E que remédio têm senão responderem com acuidade”.

 

Depois de dizer que o processo de descentralização de competências para as juntas será uma batalha ganha, quando estiver “passada esta fase de natural necessidade de estabilização do processo”, o presidente da CML afirmou que o mesmo “permitiu fazer uma radiografia, como nunca tinha sido feita, da forma como os serviços são prestados à cidade pela câmara e das suas efectivas condições”. Uma percepção que, diz Costa, “muitas vezes, se perde na opacidade dos números contidos nos relatórios”.

 

“Quando se passa à execução de um exercício desta complexidade, esses números, de repente, começam a sair dos relatórios e ganham uma dimensão diferente. E nessa dimensão aprende-se muita coisa. Aprende-se que em relação aos quadros de pessoal, se não abatermos, por exemplo, 20% de taxa de absentismo e uma elevadíssima taxa de pessoal em serviços moderados, não temos um número correcto do pessoal que está a ser utilizado por um determinado serviço”.

 

António Costa considera que tal levantamento, motivado pela descentralização de competências, se constitui uma “enorme mais-valia”. E que poderá ser alargado a toda a estrutura da câmara municipal. “Interrogo-me como é que vamos fazer este exercício relativamente aos sectores que não foram descentralizadas para as juntas, porque estes problemas não existem só nesses serviços. O que os dados conhecidos revelam é que isto também tem que ser feito em todos os outros serviços da câmara”, disse. A acrescentou: “E quando formos fazer tal diagnóstico, vai ser porventura doloroso, como foi desta vez, mas vamos descobrir que temos muito mais doenças do que aquelas que aparentamos ter”.

 

  • Paulo Bastos
    Responder

    20% de taxa de absentismo é obra

  • Frederico Campos
    Responder

    Quem é o Presidente da CML?

  • Claudia Arriegas
    Responder

    a começar pelo próprio…

  • Paula Andorinha
    Responder

    Quem o ouve fica com ideia de que chegou agora à CML e não de que está lá há 5 anos

    • maria martins
      Responder

      É isso mesmo! Grande e absurdo descaramento que este senhor tem!

  • Aqui Mora Gente
    Responder

    A alegada “incapacidade e inactividade” dos funcionários da CML não serão antes o resultado da incompetência, falta de rumo e liderança da sua equipa, nomeadamente do seu Vereador do Ambiente? O mesmo que propagandeava a transparência e a contratação com recurso a concurso público e afinal abundam os ajustes directos e os concursos lançados em Agosto com um único concorrente.

    Todo o espaço público “vendido”à publicidade agressiva das cervejeiras, a “Rua Rosa” paga pela Vodka Absolut, a ordem pública nas mãos dos seguranças dos Bares, o Centro Histórico dominado pela indústria nocturna e do álcool, elevada pela sua equipa a “relevante actividade cultural e turística”, os direitos fundamentais dos cidadãos ignorados, as famílias a abandonarem as suas casas no centro da cidade em resultado da violência crescente e porque deixaram de dormir com a desordem e vandalismo durante a noite?

  • Aqui Mora Gente
    Responder

    Nem ouvimos uma única palavra do Senhor Presidente de indignação e a repudiar a morte por esfaqueamento de um jovem arquitecto no Cais do Sodré ou a propôr medidas de ordem pública, que tranquilizem a população devido ao aumento crescente da violência em toda a zona envolvente.

    • Maria Barros
      Responder

      Acha mesmo que ele está preocupado?
      Quer lá saber do que se passa na cidade desgovernada por ele.
      Gosta é de apoiar iniciativas, concertos, espectáculos, marchas e toda essa panóplia de iniciativas que dão apoios e votos, e já agora empregos e muito dinheirinho a ganhar a esta malta da cultura.
      Este senhor Costa é mestre em DEMAGOGIA !
      Cuidado…

  • jose bastos
    Responder

    Sr. Costa,
    Com este Presidente(?), Vereadores (?) e restante equipe de dirigentes (Directores, Directores de Departamento, etc.) sem categoria nenhuma, sem experiencia fora dos quadros partidarios e provavelmente com formacão académica tipo “Relvas”, que mais seria de esperar???
    Para 1º Ministro??? –_se

  • José Geraldes
    Responder

    Pois é, agora que já vai no segundo mandato é que percebeu o estado em que está a CML. Então, há que fugir. Para onde? Para Primeiro Ministro, nem que, para isso, seja necessário empurrar, para a rua, o secretário-geral do seu Partido! E se chegar a PM, depois foge para onde?
    Só os eleitores podem pôr cobro a esta desfaçatez. Para bem de Portugal, espero que o façam.

  • Maria Barros
    Responder

    Este sr Costa é um espanto!
    Esperto o tipo. Como o orçamento da Câmara por ele (des)governada tem menos receitas do que despesas, o que é interdito, este artista de circo vem com a conversinha de que os serviços funcionam mal e que as juntas (da sua côr) é que trabalham bem…
    Pois é, este Costa quer é passar compulsivamente os funcionários para as juntas e assim baixar a carga salarial da câmara.
    ALDRABÃO!
    Absentismo? O que é que ele faz quando às segundas quartas e sextas vai picar o ponto à câmara e nos restantes dias anda a esfaquear o seu camarada Seguro?
    E quer ele governar o país!
    VÁ-SE EMBORA SR. COSTA!
    DEMITA-SE!

  • Claudia Tavares E Castro
    Responder

    Ninguém está em melhor posição de mudar isto do que ele próprio!

  • Maria
    Responder

    Então o sr. Está no 2º mandato e ainda não tinha percebido? Os cidadãos sabem que não funciona bem. Já agora podia mudar a retirada do lixo também para as juntas de freguesia, porque é vergunhoso.

  • Modesto C.
    Responder

    Parabéns ao Presidente pelo reconhecimento público mas .. será que ele leu este artigo ??

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com