Passadas a surpresa e a tristeza iniciais pelo encerramento do Cinema Londres, em 2013, seguidas da notícia, no início do ano passado, de que o espaço iria dar lugar a uma loja de comércio chinês e da subsequente polémica a ela associada, o assunto foi caindo no esquecimento. Agora, avisa o núcleo de Lisboa da associação cívica Mais Democracia – a primeira a alertar para o caso, em Janeiro de 2014 -, está prestes a assistir-se à “consagração da transformação do Cinema Londres numa ‘Loja dos 300’”. Uma situação confirmada pela colocação de um letreiro publicitário, onde antes se anunciavam o nome do cinema e os filmes em exibição, e no qual se lê “Londres Shopping – Fashion & Home”.

 

Na face principal do referido anúncio elenca-se a venda de vestuário, calçado, acessórios, papelaria, ferramentas, brinquedos, artigos para animais, jardins e decoração. A grade existente na entrada continua fechada, mas ao espreitar consegue-se perceber que decorrem obras diversas no interior. “Não é claro como se acabaram por realizar estas obras para cuja legalidade e segurança pública alertámos a autarquia oportunamente: as obras de nivelamento com entulho, a destruição de obras de arte no interior, a existência de garagens ilegais sobre a cobertura do espaço comercial e, sobretudo, a perda de este importante equipamento cultural para a comunidade local ficam assim impunes”, acusa o Mais Democracia em comunicado.

 

No mesmo documento enviado aos jornalistas, diz-se que “não fica claro se estas obras representam ou não uma venda do espaço por parte do senhorio à sociedade chinesa, nem por quanto terá sido esta venda, se bem que o preço por metro quadrado da zona permita especular que tenha sido muito elevado”. Por isso, o movimento cívico pergunta “como foi possível a um operador empresarial de pequena dimensão reunir tal quantia e qual foi o grau de apoio directo oferecido pelo governo de Pequim a todo este processo”. E acusa ainda a Câmara Municipal de Lisboa de “incapacidade para defender o património cultural dos lisboetas”, lamentando ainda o que considera ser o empobrecimento da cidade, ao assistir-se de forma passiva a um cinema icónico “decair até uma loja descaracterizada, sem utilidade económica relevante para o bairro” e para Lisboa.

 

Quando se soube que a antiga sala de exibição cinematográfica da Avenida de Roma poderia vir a ser substituída por uma loja chinesa de comércio genérico, foi lançada uma petição para tentar travar tal mudança. Em paralelo, foram várias as vozes pedindo acções nesse sentido por parte da CML e do Governo. Mas, em Junho do ano passado, a Secretaria de Estado da Cultura, liderada por Jorge Barreto Xavier, deu autorização aos proprietários do edifício para dele fazerem o que bem entendessem, desafectando-o assim do uso exclusivo para exibição cinematográfica.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Denise Pereira
    Responder

    🙁

  • Júlia Rosa
    Responder

    E assim vai o nosso País…. triste/cada vez mais 3º. mundo.

  • Manuela Ventura De Sousa
    Responder

    Que tristeza…é revoltante.

  • Pedro Rocha
    Responder

    vao para a ++++ q os pariu

  • Paula Carvalho
    Responder

    Paula Manso

  • Célia Garcez
    Responder

    🙁

  • Joana Sofio
    Responder

    miseria lusa 🙁

  • Miguel Contreiras
    Responder
  • Isabel Oliveira
    Responder

    Que horror!

  • Jose Luis Andrade
    Responder

    mas um martim moniz,

  • Helena Rodrigues
    Responder

    Se não tivessem clientes, não abriam!

  • Paulo Ramos
    Responder

    OBRIGADO Ò COSTA

  • Maria Leonor Azevedo
    Responder

    Que lástima….

  • Nuno Parreira
    Responder

    Filhos da puta a venderem tudo ao desbarato e coisa que fazem parte da nossa cultura, morte aos políticos…..

  • Carla Leitão
    Responder

    TRISTEZAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

  • Paulo Aldegalega
    Responder
  • Maria Beatriz AT Vassalo
    Responder

    …uma tristeza….

  • José Cortes
    Responder
  • Nuno Rebelo
    Responder

    Já tenho saudades do Londres “Antigo cinema Londres está quase a reabrir como uma “loja dos 300” http://t.co/l2TZb9OntT

  • Miguel Lopes
    Responder
  • João Fernandes
    Responder

    Partilha da tristeza até porque frequentava o Cinema. Por estar perto do meu local de trabalho era normal após sair ir a uma sessão do fim de tarde (Ora ia ao Londres ora ia ao Monumental … agora fico-me pelo Monumental). De qualquer foram, este tipo de comércio … ou as lojas de conveniência que proliferam pela Baixa e Bairros históricos abrem porque têm clientes. Havendo procura é normal que apareça mais oferta.

    Ainda assim acho que isto devia ter sido tratado de outro, de certeza que havia outras opções ou para manter o cinema (que até tinha um nº razoável de assistência) ou para algo que dignifique mais a zona.

  • Margarida freirinha
    Responder
  • Arlette Zibreira
    Responder

    MUITO TRISTE

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com