O filme do cineasta Rui Simões estreia a 18 de Junho, no Cinema Ideal, sala de exibição localizada às portas do bairro que, recentemente (Dezembro de 2013), comemorou cinco séculos de existência. Ao longo deste documentário-mosaico, que vive dos depoimentos de todos aqueles que fazem a riqueza do Bairro Alto, vai-se instalando uma amargura pela irreversível transformação daquele nicho urbano num “parque de diversões” caótico, no qual nem os moradores são respeitados. Acabou-se o Frágil, chegaram as promoções de ‘shots’ e os turistas montados em segways. Elegia por um tempo-território perdido.

 

 

Texto: Samuel Alemão

 

 

A dada momento do filme documental “Alto Bairro”, do realizador Rui Simões, que estreia a 18 de Junho, no Cinema Ideal, há um depoimento de uma mulher a rondar os 40 anos que está sentada numa cadeira de cabeleireiro, a ser sujeita a uma operação de coloração. Falando sobre o Bairro Alto, aquele que é seu desde sempre, indigna-se. “Há muita gente que diz mal das pessoas do Bairro Alto, que são isto e aquilo. As pessoas do bairro não fazem mal a ninguém. Quem vem cá partir as coisas e riscar as paredes com grafitti são os de fora”, acusa a senhora, despeitada. Uma clara demarcação do “nós” e do “eles” que, em grande medida, marca o filme. Isto apesar de a enorme porosidade do bairro tornar, muitas vezes, tais distinções assaz difíceis.

 

Essa é apenas uma das linhas directrizes desta obra, concluída já no ano passado. A outra é a da demarcação constante do “antes” e do “agora”, sendo que as duas correm quase sempre em paralelo. Mais do que isso, ao longo do filme vai-se evidenciando uma aliança entre o “nós” e o “antes”, contra a dupla formada pelo “eles” e pelo “agora”. No meio disto tudo, Rui Simões, 71 anos e autor de duas obras marcantes – “Deus, Pátria, Autoridade” (1976) e “Bom Povo Português” (1980) -, nunca toma partido. Embora se vá instalando, à medida que o tempo corre, a clara sensação de que ele simpatiza mais com a primeira. Isto é, com a ideia de que o Bairro Alto, antes da sua abertura desbragada ao mundo – iniciada a meio da década de 90 -, era um tempo-território mais feliz.

 

Antigamente é que era bom? Nem tanto. Até porque o par de obras do realizador citado no parágrafo anterior constitui uma das mais eloquentes demonstrações de arejamento de espírito e inconformismo, ambas feitas na ressaca do fim de quase cinco décadas de embotamento nacional. Por isso – ou, sobretudo, por isso – Rui Simões não faz grande esforço para ocultar o desencanto com o Bairro Alto, que tanto lhe diz. Cresceu ali, sempre o frequentou e mora na fronteira Rua da Misericórdia. “Conheço o bairro como os meus dedos”, diz, antes de admitir que, ainda assim, este o surpreende sempre. “De cada vez que saímos, perdemo-nos”, reconhece. “O bairro muda todos os dias”. Às vezes, porém, nem sempre para melhor.

 

marcha2012

 

 

O realizador tem dificuldade em se rever no que observa. O que lhe faz impressão é a paradoxal transformação de um território cuja imagem de boémia, afinal, abriu as portas a uma mercantilização incessante – em torno de um descaracterizado e massificado negócio de venda de bebidas -, ao ponto dessa boémia ser hoje pouco mais que uma evocação, utilizada como mera marca turística. Rui Simões é, por isso, sensível às queixas dos moradores e comerciantes, sobretudo dos que fazem vida diurna no bairro, relativamente à degradação geral do ambiente. Ruído, lixo, insegurança, paredes grafitadas, tráfico de droga, património vandalizado e tumultos passaram a fazer parte do quotidiano. Algo que não corresponde ao que sempre ali viu.

 

Apesar da já referida permanente mudança do Bairro Alto, o cineasta tem alguma dificuldade em perceber aquilo em que ele se tornou hoje – mesmo tendo “Alto Bairro” a ambição “de mostrar aquilo que o Bairro é hoje” e de que “fique como um documento para o futuro”. “Este bairro sempre foi um local de prazer, de gozar a vida, era conhecido pela prostituição, mas também pelos jornais e pelas suas mercearias, além de que tinha aqui a sua população. Mas tudo coabitava pacificamente, havia uma natural vizinhança, que se respeitava, ao contrário de hoje”, considera Rui Simões, antes de lamentar a “ignorância dos consumidores da noite, a maior parte dos quais são jovens que desaguam em massa na estação de metro da Baixa-Chiado, muitos vindos da periferia e que nem sabem bem para onde vão”.

 

A noite e a tal imagem de boémia parecem ter feito não muito bem a este conjunto de quarteirões edificado há cinco séculos. Ao longo do filme – que vive, essencialmente, de um dispositivo de depoimentos,  os dos anónimos e os dos conhecidos -, esta ideia vai sendo exposta e reiterada. Até por aqueles que ajudaram a criar o tal espírito de movida nocturna e cosmopolitismo, a partir dos anos 1980. São muitas as pessoas a aludir à “falta de respeito”. Uma senhora de idade avançada diz, logo no início do filme, que “hoje já não se pode andar na rua à noite”. O autor de “Alto Bairro”, que se confessa um “romântico”, salienta que as pessoas ainda gostam de ali viver, “mas querem ser respeitadas”.

 

P1000962

 

 

Aliada à transformação em “parque de diversões nocturnas” está o surgimento de uma feroz indústria turística. E ela parece pouco disposta a fazer cerimónias no que toca a encontrar formas de sacar dinheiro aos forasteiros, à imagem do que vai sucedendo nos restantes bairros históricos da capital. As lojas de comércio despersonalizado multiplicam-se. “Se não se fizer nada para proteger o Bairro Alto e os outros bairros, eles vão ficar despersonalizados. Estão a destruir uma cidade fantástica”, lamenta Rui Simões, que confessa não perceber a permissividade da Câmara Municipal de Lisboa – entidade que, com a RTP, lhe concedeu algum apoio para a realização do documentário – face esta onda turística.

 

“Eles não podem pensar só no lucro imediato, pois o tiro pode-lhes vir a sair pela culatra. Isto é tudo um exagero. Se hoje estão cheios, os hotéis podem vir a ficar vazios. Temos de saber se temos capacidade para receber tantos turistas”, diz o realizador do filme, que começa com uma cena de ficção, aludindo ao início do século passado, na qual se vê um adolescente a entrar num bordel, no qual iniciará a sua passagem à idade adulta. Prática comum noutras gerações e lembrança de um outro tempo do Bairro Alto. Hoje, em seu lugar, existe um “bairro da moda”, mas também o da “descaracterização urbanística”, queixam-se alguns dos entrevistados  – como o realizador José Fonseca e Costa – de um documentário que acaba por se revelar uma elegia por um tempo que já não volta.

 

P1070113

 

* Texto editado às 14h45 de 11 de Junho. Clarifica dia de estreia do filme, 18 de Junho.

 

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com