Alcântara: um bairro ainda preso à memória fabril, mas de olhos postos no futuro

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Alcântara

6 Junho, 2018

Debruçada sobre o rio Tejo, Alcântara, uma antiga zona industrial de Lisboa, é hoje um bairro de contrastes. Parte da freguesia tem vindo a modernizar-se com a construção de condomínios residenciais, novos restaurantes e a criação do Lx Factory, um pólo de empresas criativas, cujos comerciantes elogiam a “diversidade etária e cultural” de quem por lá passa. “É uma pequena cidade dentro de uma grande cidade”, diz uma lojista. Pelas principais ruas de Alcântara, porém, há pouco movimento, lojas em risco de fechar, prédios com andares vazios e património em muito mau estado. “Esta zona é de passagem, as pessoas só páram ou correm para o autocarro. Está um bocadinho apagada”, explica uma comerciante. A junta de freguesia recebe diariamente contactos de moradores que estão a ser forçados a saírem de casa, levando a que o bairro esteja a perder habitantes. A ineficácia dos transportes públicos é outro dos problemas contra o qual o presidente da junta se tem vindo a debater.

“Antigamente, as pessoas torciam o nariz quando ouviam falar de Alcântara, agora já não o fazem porque a qualidade de vida mudou muito. O comércio foi renovado e há muitos prédios de elite”, diz Ana Gomes, moradora nesta freguesia “há muitos anos”. Apesar de ainda existirem resquícios da vida fabril ali prevalecente até meados do século XX, esta parte da cidade, outrora ocupada por fábricas, sofreu uma profunda transformação. Hoje, é constituída também por novas zonas residenciais, diversos espaços de restauração e um pólo de lazer irreverente, o Lx Factory. A proximidade com o rio Tejo, juntamente com estas características, tem levado alguns jovens a escolherem Alcântara para viver.

 

Cláudia Silva, 28 anos, mudou-se para a freguesia com o namorado recentemente porque encontrou uma casa à venda por um preço mais acessível. A recente moradora diz gostar muito de viver ali porque, “no meio de todo o movimento, acaba por ser uma zona calma”. “Tem boas acessibilidades, apesar de não ter metro, em poucos minutos ponho-me na Baixa. Só reabilitava os edifícios que estão a cair, colocava mais espaços verdes e reformulava a zona de entrada na ponte que gera imenso trânsito”, explica. Ana Gomes, na casa dos 50 anos, partilha a mesma opinião de Cláudia. “Estamos resguardados da confusão do centro e, ao mesmo tempo, estamos perto da Baixa. Ainda tenho o privilégio de acordar com os passarinhos a cantar”, conta.

Com 14.000 habitantes, maioritariamente idosos, ainda se ouve o carteiro a anunciar a sua chegada e uma voz vinda de dentro do prédio a confirmar que há gente lá dentro. Os mais velhos vão espreitando para a rua e trocam palavras com os vizinhos pela janela. É comum, também, ver alguns sentados à varanda, a observar a dinâmica do bairro. As ruas principais, contudo, não têm muito movimento. Só uma ou outra pessoa que vai surgindo nos quiosques, no café ou na mercearia, comprova que, afinal, Alcântara tem vida. Ao chegar ao Lx Factory, uma antiga área industrial recuperada, é que o cenário muda radicalmente.

 

Neste pólo de empresas criativas não faltam lojas de roupa alternativas e restaurantes instalados em velhas fábricas. Mas também há lugar para outro tipo de empresas, tendo sido aqui que surgiu o primeiro espaço de trabalho partilhado da cidade, o Cowork Lisboa. No Lx Factory, há grupos de estudantes universitários a almoçar e jovens no início da carreira profissional que aproveitam este sítio para passear, como é o caso de Raquel Santos, 24 anos. “Venho cá com as minhas amigas pelo menos uma vez por semana, é uma maneira de aproveitarmos a hora de almoço de uma forma mais descontraída. Cheguei a viver aqui, quando estudava, mas as rendas subiram muito e tive de sair”, explica.

 

No dia em que O Corvo visitou o Lx Factory, estava a decorrer a 20ª edição do Open Day, um dia em que as lojas ficam abertas até mais tarde e há vários eventos a ocorrer em simultâneo, acabando por atrair mais pessoas. Mas, nos outros dias da semana, diz quem visita o espaço com frequência, o número de visitantes não se altera muito. “Hoje é um dia de semana e há muito movimento, mas é sempre assim. Foi um espaço muito bem aproveitado, numa situação normal estaria abandonado”, diz Emily Roberne, 27 anos, a passear com um amigo.

dav

LX Factory: a outra face da Alcântara

Um casal holandês, à semelhança de outros turistas, diz estar a explorar a cidade e que foi até ali porque gostou da ideia de existir um ambiente “meio hippie” no meio da capital. “Estamos a gostar muito de estar aqui, é um sítio relaxante, com uma boa vibe”, diz Jay Bouman. Jorge Santos, 23 anos, a viver há seis meses em Lisboa, concorda. “Venho cá sempre que posso pelo ambiente único e descontraído. É difícil encontrar lugares assim no resto da cidade”, explica. Há, também, quem por ali passe só para visitar ex-colegas de trabalho. Pedro Gonçalves, 47 anos, está de passagem, mas chegou a ter ali uma loja. “Gosto do conceito, das pessoas e do aspecto meio industrial, é um espaço único. Vim cá vê-los hoje”, diz.

 

Desde os primeiros inquilinos do Lx Factory aos que inauguraram as suas lojas apenas há um ano, os comerciantes dizem apreciar a diversidade etária e cultural e o “espírito de proximidade” ali presente. “O que gosto mais é de poder vir trabalhar de chinelos, está-se à vontade, é um ambiente sem preconceitos”, diz Marinela Lourenço, vendedora num quiosque logo à entrada há cinco anos. Graça Cordovil, a primeira lojista do Lx Factory, sítio que apelida de “aldeia urbana debaixo da ponte”, diz que além do ambiente “descontraído”, gosta de ter de fazer um percurso de carro, para entrar na freguesia, que a obriga a passar pelo parque florestal de Monsanto.

 

 

 

“Quando vim para cá, aos sábados, era só eu e os seguranças e, de repente, transformou-se tudo”, conta. A loja de roupa recebe clientes dos 20 aos 80 anos, sendo alguns já fidelizados. “Além da variedade de clientes, gosto de não ter de estar como nas lojas tradicionais, sempre com uma postura muito certa. É mais genuíno, somos mais humanos”, explica, ainda. Rita Caldeira, proprietária de uma loja de roupa produzida na Tailândia, apenas há um ano no Lx Factory, elogia as mesmas características. “É uma pequena cidade dentro de uma grande cidade”, diz.

 

Mais para dentro de Alcântara, o bairro é mais vivido por quem o conhece de cor. No Largo do Calvário, recentemente requalificado, Celeste Almeida, 80 anos, está a beber água no fontanário quando é abordada por O Corvo. “Além da água fresquinha, aqui respira-se. É amplo e estamos perto do rio”, diz, após um suspiro profundo. “Gosto do comércio tradicional e sinto-me segura com a polícia. Um dia avisaram-me para não andar com a mala do lado dos carros, foram muito simpáticos”, conta, apontando para a esquadra localizada ali ao lado, no coração da freguesia. Mora nos Olivais, mas diz conhecer melhor Alcântara, onde tinha um irmão. “Agora, venho ver a minha cunhada, que ficou viúva. Venho muitas vezes, gosto mais de estar aqui”, explica.

 


 

Alfredo Santos vive em Alcântara há 60 anos e não a trocaria por nenhuma outra freguesia da cidade. “É mais residencial, é muito sossegada. A população é mais envelhecida e já desapareceu aquela proximidade que existia, mas já se começa a ver gente jovem e ganharam-se outras coisas. Os arruamentos estão mais arranjados e o Jardim do Alto de Santo Amaro já é habitável”, conta o morador, que também trabalha numa papelaria na Travessa da Tapada.

 

Durante o dia, o movimento de Alcântara é protagonizado, essencialmente, por quem lá trabalha ou estuda e por quem vai visitar um familiar ou um amigo. Ao final da tarde, as ruas vão ficando mais vazias. “Esta zona é de passagem, as pessoas só páram ou correm para o autocarro. Alcântara está um bocadinho apagada, grande parte dos edifícios podiam ser remodelados, enchia-se logo de gente”, sugere Leonilde Alves, dona da sapataria Noralve, que deve fechar em breve por falta de clientes. Na Rua de Alcântara, já encerraram várias lojas no último ano e, para Leonilde, há uma explicação “simples”. “As rendas subiram muito e há pessoas que vêm para aqui iludidas que vão fazer negócio. A falta de estacionamento também dificulta muito o comércio”, assegura.

 

Neste que é um dos maiores arruamentos do bairro ainda há, porém, lojistas que resistem ao passar dos anos. José Santos, proprietário do último estúdio fotográfico da Rua de Alcântara, onde já chegaram a existir sete, trabalha ali há 63 anos. Na montra, vêem-se molduras com mais de quarenta anos e muitos retratos a preto e branco a assinalar a antiguidade da loja. “Parecem tiradas ontem, não é? A qualidade do papel fotográfico e a forma como se imprimia era melhor, por isso duravam mais. Perdeu-se muita coisa”, lamenta.

 

 

O fotógrafo profissional considera que a “decadência do bairro” começou em 1962, com a construção da Ponte 25 de Abril, altura em que foram demolidas várias casas e Alcântara perdeu uma grande parte da sua população, deixando de ser uma das freguesias mais populosas de Lisboa. “Quando construíram a ponte, muitas pessoas foram forçadas a sair. Desde aí, a freguesia não evoluiu muito. Alcântara era um grande bairro fabril, com muito comércio. Só as fábricas empregavam muita gente. Foi pena que ficasse parado tantos anos, porque tem potencial”, observa, acrescentando que grande parte dos moradores antigos já saíram. Grande parte destas pessoas viriam depois a ser realojadas em Almada e no bairro da Encarnação, nos Olivais, não vendo na altura grandes hipóteses de regressar à freguesia onde nasceram.

 

Maria Suzete, há trinta anos a vender jornais no quiosque mais antigo de Alcântara, concorda que o bairro perdeu algumas valências, mas tem vindo a melhorar noutros aspectos. “Há mais sossego e segurança, os edifícios têm melhor aparência, há restaurantes novos e mais turismo. Apesar disso, há menos pessoas a trabalhar cá, muitos prédios com andares vazios e as rendas das casas são altíssimas, não atraindo os mais novos a viverem no bairro, é pena”, explica.

 

 

O Mercado Rosa Agulhas, localizado por baixo do tabuleiro da Ponte 25 de Abril, também já conheceu melhores dias. No complexo comercial, inaugurado em 1987, o número de pessoas que por lá passa, cerca de meia dúzia, é igual à quantidade de bancas e vendedores. Gilda Marques, florista há 30 anos no mercado, é a única que ainda vai tendo clientes. “Há uns anos, era uma balbúrdia, havia muita gente. Eu vim de uma florista, no Saldanha, onde se tratava as mulheres por madame, eram outros tempos. Tive de adaptar-me e adaptei-me bem, ainda tenho muitos clientes antigos. Há pouco tempo, veio cá uma menina francesa cá do bairro pedir uma flor para oferecer à mãe, mas já vão sendo exceções”, explica.

 

Na manhã em que O Corvo esteve no mercado, apenas duas mulheres faziam compras no mercado. “Já compro fruta aqui há mais de vinte anos porque é muito melhor e já sei de onde vem”, diz Maria de Lurdes, 54 anos, enquanto vai mostrando as escolhas para o almoço. Maria Filomena, 73 anos, também não quer perder o hábito de adquirir produtos frescos no mercado da freguesia, onde reside há muitos anos. “Venho cá quase todos os dias. Sinto que, nos últimos 40 anos, Alcântara melhorou, mas perdeu muitas pessoas antigas que foram expulsas de casa para se fazerem hostels, isso não concordo nada”, comenta.

 

 

A poucos metros da estação de comboio Alcântara-Terra, uma loja com apenas três meses de existência já tem papéis na montra a informar que procura inquilinos novos, um restaurante encontra-se fechado para obras e há quem acredite que não vai voltar a abrir. As lojistas mais novas não vêem sinais de melhoria. “Há dias em que ninguém entra e, quando entram, perguntam-me se vendemos calças de fazenda. O nosso público-alvo é mais jovem. De resto, a rua está morta, fecharam muitos espaços comerciais”, diz Matilde Pessanha, 24 anos, funcionária de uma loja de roupa feminina. Enquanto moradora, contudo, vê com bons olhos as mudanças na sua freguesia. “O jardim de Santo Amaro está muito melhor. Antes tinha medo de ir para lá, por causa das pessoas que o frequentavam. À noite, é uma paz de alma e ainda ouço os pássaros de manhã”, conta Matilde, a residir na Rua da Indústria.

 

Já a proprietária da Mercearia Saloia acredita que o comércio de rua ainda vai crescer. “A rua já foi muito mais movimentada, muitas lojas já fecharam. Acredito, apesar disso, que pode melhorar, porque estão a surgir novos negócios e, pelo que sei, muitos prédios já foram comprados. Se não forem para comércio, serão para habitação, o que também já traz mais vida à rua”, observa Gualdina Pereira, enquanto mostra os edifícios devolutos recentemente adquiridos.

 

 

O presidente da Junta de Freguesia de Alcântara, Davide Amado (PS), em depoimento escrito a O Corvo, diz que a freguesia tem assistido a “um ligeiro decréscimo da população”, uma realidade que acredita que se venha a “atenuar”. “Existiu um envelhecimento da população, situação que está a mudar pela escolha de muitos casais jovens para residir aqui. A esta alteração não será alheia a aposta que foi feita na reabilitação de espaços de lazer, parques infantis e condições de mobilidade e segurança”, explica. Além da construção de novos condomínios, há prédios que foram renovados exclusivamente para venda ou aluguer, atraindo até antigos moradores. “Não sendo uma freguesia com muita área disponível para construção nova, prevê-se que continue o investimento na reabilitação urbana como forma de criação de habitação”, garante.

 

O autarca admite, porém, que continua a existir “muito património disperso em mau estado, na sua maioria privado”. “Ainda falta, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa (CML), encontrarmos espaços que permitam a construção de edifícios para arrendamento a custos controlados. Diariamente somos contactados por pessoas que residem aqui há décadas e viram os seus contratos rescindidos apenas para que as rendas pagas pelos imóveis possam mais do que duplicar”, explica. “É importante que sejam criadas condições para estas pessoas continuarem a viver no sítio onde nasceram e têm as suas raízes”, acrescenta.

 

Tem-se verificado, também, um aumento “muito significativo” da circulação de pessoas na freguesia, com a dinamização de novos espaços turísticos que trazem, diariamente, milhares de visitantes a Alcântara. Entre eles estão o Lx Factory, o espaço de cowork Village Underground ou o miradouro Pilar 7. Uma dinâmica que poderá crescer com as obras de requalificação previstas para o Pavilhão da Ajuda, a Piscina Municipal do Alvito, a Capela de Santo Amaro e o Mercado Rosa Agulhas, que será completamente requalificado, “adaptando-o e modernizando-o, seguindo os novos conceitos de utilização destes espaços”. A Junta de Freguesia lembra ainda que criou, recentemente, o Cartão Alcântara como estímulo à dinamização do comércio local, que já tem mais de 2000 pessoas inscritas.

 

Uma das principais preocupações de Davide Amado é mesmo a melhoria das condições de mobilidade. “Tem de haver um reforço muito grande das carreiras da Carris, principalmente para depois das 19h00. A Empresa de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) podia instalar bicicletas, reforçando a mobilidade numa zona junto ao rio”, propõe. Mas, o que resolveria “grande parte do problema” seria mesmo a ligação de comboio de Cascais ao Oriente, “uma obra que não demoraria mais de seis anos e não ficaria tão dispendiosa como o prolongamento da linha vermelha do metro”, salienta. Amado sugere ainda que o passe mensal dos utentes do comboio da ponte seja comparticipado de alguma forma pelo Estado. “As pessoas pagam mais para andar neste comboio do que em portagens, acabando por compensar levarem o carro. Se este problema fosse resolvido, também diminuiria a circulação de veículos e o congestionamento naquela parte da cidade”, conclui.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

Comentários
  • António
    Responder

    Alcântara está prestes a mudar e não vai ser para melhor. Primeiro há que perceber que Alcântara não é uma, são duas, uma a poente da linha do comboio e outra a nascente.
    A de nascente, que já nem pertence à freguesia (o Largo de Alcântara está fora da freguesia de Alcântara) e segue o que se passou com grande parte do centro: está agonizante e já não tem qualquer possibilidade de recuperar a não ser pela instalação do turismo que há-de começar a chegar dentro de um ano ou dois. As muitas casas vazias já não vão ser recuperadas para a classe média porque a perseguição ao automóvel já ali chegou e a classe média não vive onde não pode ter automóvel (as reabilitações nestes edifícios não conseguem ter garagens); os pobres também não vão poder pagar o que custam as casa depois de reparadas, seja para comprar ou arrendar; os muito ricos só para ali iriam se houvesse uma revolução de renovação, que não vai acontecer nos próximos dez anos (a não ser que haja um milagre e os promotores se juntem todos para fazer um grande centro pejado de edifícios turísticos, que mude o espaço exterior e traga um comércio de nível que Alcântara nunca viu).
    A outra metade está saudável. Tem gente de todo o espectro, quase não tem casas vazias (há dois anos que deixou de ter) e o ror de lojas paradas, onde há dois anos era fácil encontrar lojas para arrendar por 150 euros, desapareceu e estão quase todas a funcionar. Há ricos nos seus edifícios modernos e bem equipados, a classe média vai aguentando as rendas e as prestações ao banco e, não tendo garagem, vão conseguindo estacionar o automóvel nas ruas do bairro; os pobres estão a ser pressionados para sair com muito menos força do que nas zonas servidas pelo metro e ainda têm os seus guetos na zona alta e a norte da freguesia (até no Alvito nordeste já quase não há casas vazias) e onde a população mais educada é hostilizada. A praga do turismo ainda só estragou a LX Factory e o magote de gente em calções e sandálias ainda só se sente à porta da Estação de Santo Amaro e no eixo Baixa-Belém que atravessa a freguesia a sul. Às vezes encontramos uma família ou outra dentro do bairro, mas são raros e parecem perdidos.
    Este lado vai mudar em breve quando o sr. presidente da junta, cedendo à sua vaidade e impulsionado pelo seu complexo de inferioridade, conseguir fazer em Alcântara os mesmo erros que se foram fazendo no centro. A Capela de Santo Amaro vai ser transformada num ponto de atracção turística nos próximos meses, o mercado deve transformar-se numa Disneylândia gourmet-folclórica a curto prazo, como os outros mercados-parvos e, quando a perseguição ao automóvel chegar, a classe média irá ser enxotada como foi no centro desde os anos noventa, e não haverá massa de resistência para fazer frente ao Alojamento local e à praga de hostels neste lugar tão apetecível, estrategicamente posicionado a meio caminho entre a Baixa e Belém. Os ricos continuarão a morar no bairro sem viver aqui, entrando de automóvel para as suas garagens e subindo para casa de elevador, e os pobres não terão força para resistir à pressão imobiliária e terão de ceder as casas ao turismo.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend