Alameda das Linhas de Torres com espaço público renovado até ao início de 2017

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

URBANISMO

Lumiar

3 Junho, 2016


A Alameda das Linhas de Torres, no Lumiar, vai beneficiar de uma grande operação de reabilitação do espaço público, entre o Hospital Pulido Valente e a área da Pastelaria Trenó. O objectivo é torná-la mais amiga dos peões, das pessoas com mobilidade reduzida e dos modos de mobilidade suave, como a bicicleta. As obras, que começarão no final deste ano e poderão estar concluídas até à primavera de 2017, deverão ser coordenadas com as do programa municipal Uma Praça em Cada Bairro, que prevê uma profunda remodelação do topo norte da mesma alameda, junto ao Mercado do Lumiar e sob o viaduto do Eixo Norte-Sul.

Também as avenidas Rainha Dona Amélia e Maria Helena Vieira da Silva estão incluídas na intervenção, a realizar pela Junta de Freguesia de Lumiar, através de um protocolo de descentralização de competências assinado com a Câmara Municipal de Lisboa. “O que se vai fazer é o que está previsto no Plano de Acessibilidade Pedonal de Lisboa. Passa, sobretudo, pela remoção de obstáculos e de mobiliário urbano desnecessário, o rebaixamento de passeios em alguns sítios, permitindo a circulação de pessoas com mobilidade reduzida, bem como a sobrelevação de algumas passadeiras, que funcionarão também como lombas de redução de velocidade automóvel”, explica ao Corvo o presidente da junta, Pedro Delgado Alves (PS).

O autarca refere que “a definição do plano teve em especial atenção as especificidades da zona, como a proximidade do hospital ou da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral e da Associação dos Deficientes das Forças Armadas”, no caso na Dona Amélia, e da “zona de aceleração de automóvel” que define muito do perfil da Avenida Maria Helena Vieira da Silva. “Vão sentir-se melhorias na segurança rodoviária”, assegura o presidente da junta, antes de confessar ao Corvo que, numa fase posterior, seria desejável ver o programa de reabilitação da Alameda das Linhas de Torres estender-se para sul, até à estação do Campo Grande, “que é uma área de circulação muito confusa, com zonas de só de residentes e de transportes públicos a cruzarem-se”. “Antes que isso aconteça, esta questão necessita de mais pensamento estratégico”, diz.

Na última reunião descentralizada do executivo municipal, realizada a 1 de junho (quarta-feira), e dedicada às freguesias do Lumiar e Santa Clara, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, fez questão de assinalar a importância da intervenção urbana na zona norte da alameda. “Em minha opinião, vai ser uma das mais bem conseguidas do programa Uma Praça em Cada Bairro”, disse, considerando que a sua realização permitirá resolver o “estrangulamento” viário e o desarranjo do espaço público ali existente. Depois de a CML ter chegado a acordo com os proprietários de três imóveis e de um posto de abastecimento de combustíveis, será possível estabelecer um mais fácil acesso à Rua Professor Manuel Valadares – a qual assegura ligação à Ameixoeira.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Vasco
    Responder

    Os moradores que retirem as marquises horrorosas, senão ficamos com uma rua requalificada rodeada de prédios feios.

    • jose Sa
      Responder

      Concordo, mas não vejo que seja viável obrigá-los.

  • Blog Menos Um Carro
    Responder

    “O objectivo é torná-la mais amiga dos peões”. Está em causa uma zona com vários metros para o automóvel, e umas… https://t.co/wKP9rMCkv1

  • bicicletas.org.br
    Responder

    RT @menos1carro: “O objectivo é torná-la mais amiga dos peões”. Está em causa uma zona com vários metros para o automóvel, e umas… https:…

  • jose Sa
    Responder

    Ao que me consta, o tal proprietário do posto de abastecimento de combustível está disposto a “resistir até à morte” a estas obras, a menos que lhe concedam chorudas contrapartidas!…

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend