Activistas contra corte de árvores por causa das obras de requalificação do Eixo Central

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

AMBIENTE

Avenidas Novas

14 Junho, 2016

O corte de diversas árvores na Avenida Fontes Pereira de Melo, justificado pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) como necessário para prosseguir com as obras de requalificação do Eixo Central da cidade, está a provocar a irritação de diversos activistas. O abates feitos em alguns jacarandás e o que está previsto, nos próximos dias, para diversos choupos negros na artéria que liga o Marquês de Pombal ao Saldanha levam mesmo a Plataforma em Defesa das Árvores a falar em violação da lei. Na tarde desta segunda-feira (13 de junho), feriado da cidade, pelo menos dois activistas protestaram na avenida contra o anunciado corte – apesar da autarquia prometer substituir os exemplares a tirar.

A Plataforma – que congrega cidadãos e entidades como o Geota, o Fórum Cidadania LX ou a Associação Lisboa Verde – emitiu ontem um comunicado em que critica a opção pelo abate e questiona a câmara sobre as razões dos cortes efectuados na Avenida Fontes Pereira de Melo. O grupo apela a “que sejam tomadas medidas para a preservação destas árvores, lembrando que a lei vigente só permite o seu abate quando estas estão doentes e representem perigo para pessoas ou bens e nunca no âmbito de uma empreitada de requalificação e à revelia do próprio projecto apresentado aos cidadãos”.

Uma das principais razões de descontentamento da Plataforma em Defesa das Árvores, exposta no documento enviado à CML, é o de que, dizem, referindo-se à requalificação em curso no Eixo Central, “o projecto previa manter as árvores existentes e a versão do mesmo apresentada à opinião pública também não mencionava quaisquer abates”. “Os fotogramas não deixam antever nenhum abate nem substituição drástica que normalmente acompanha a jusante essas operações. Inclusive nas ilustrações aparecem as árvores existentes”, alegam.

Activistas contra corte de árvores por causa das obras de requalificação do Eixo Central

E acrescentam: “Eventuais alterações em curso de empreitada carecem de legitimidade uma vez que podem afastar-se dos pressupostos que estiveram na base da aprovação do projecto. Na nossa opinião estes abates inscrevem-se nesse perigoso distanciamento dos valores do projecto original: manutenção do arvoredo adulto existente e multiplicação das zonas de árvores com plantio novo”. “A diversidade específica em arvoredo de alinhamento deve ser encorajada e promovida”, sustentam ainda.

Após questionar as razões por detrás da decisão de cortar as árvores – lembrando que os “choupos fazem parte do património da cidade e pertencem a todos os lisboetas” -, a Plataforma em Defesa das Árvores questiona a autarquia lisboeta sobre “qual o destino dos restantes exemplares existentes na Av. Fontes Pereira de Melo, nas placas ajardinadas em frente ao hotel Sheraton e ao longo da Avenida da República”, mas também em relação às tipuanas da Praça Duque de Saldanha.

 

“Finalmente, esta situação leva-nos também a questionar qual a metodologia que irá ser seguida pela CML para todas as zonas arborizadas da 2ª Circular”, frisam os responsáveis do colectivo de cidadãos e associações, lembrando que a Plataforma aplaudiu, desde o início, quer este quer o projecto do Eixo Central.

 

Ontem, a meio da tarde, O Corvo encontrou dois activistas ligados à Plataforma a realizarem um protesto junto a um dos choupos a abater, em breve, na Avenida Fontes Pereira de Melo. “Querem cortar esta árvore”, lia-se num cartaz por eles envergado, visível para os automobilistas que seguiam na direcção do Saldanha. “Não faz qualquer sentido abaterem estas árvores, com o argumento de que vão fazer uma reabilitação para colocar mais árvores. Tirá-las daqui vai causar instabilidade geológica nestes terrenos”, dizia Emanuel Sousa, 25 anos, técnico de agronomia e autor do cartaz.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Francisco Braz Teixeira
    Responder

    Engraçado ver o forum cidadania lx participar numa acção política contra uma obra deste executivo quando me bloqueou por ter feito publicidade a uma intervenção cívica contra a mesma obra. Enfim….

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Activistas contra corte de árvores por causa das obras de requalificação do Eixo Central https://t.co/Bnf1QWWgML #lisboa

  • Rosa
    Responder

    Francisco, se reparar bem a Plataforma em Defesa das Árvores não faz acções políticas (no sentido que lhe está a querer atribuir), pretende sim garantir que são respeitadas as árvores e escrupulosamente cumpridas as poucas leis que existem para a sua protecção.

    • Francisco
      Responder

      Referir-me ao forum cidadania lx que me bloqueou por difundir a acção popular do buzinão e agora ė ela mesmo a agir. Trata-se de uma incongruência. Calaram-me, mas agora fazem exactamente o mesmo que os fez me calarem. Bizarro, não é. Talvez um pedido de desculpas e reversão da posição ficava bem.

      • Inês B.
        Responder

        A Plataforma não é o Fórum Cidadania. A Plataforma é formada por um conjunto de cidadãos e associações ou grupos, como o Fórum. Além disso, a Plataforma não está contra o projecto do eixo central, até o apoiou. Está sim contra o abate de árvores, a arrepio do que está no projecto apresentado aos cidadão.

  • Maria Sá
    Responder

    As ciclovias agora dão nisto!!! Que venha o arquitecto Gonçalo ribeiro Telles!

  • Maria
    Responder

    Para fazerem as ciclovias abatem as árvores!!! Que venha o Arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles !!

  • Joao Villalobos
    Responder

    Activistas contra corte de árvores por causa das obras de requalificação do Eixo Central https://t.co/cKVQOuuMzg

  • Vítor Carvalho
    Responder

    Gosto especialmente da contestação com a participação de… 2 pessoas!! Lol…

    • Rui Plácido
      Responder

      Nem tudo começa com milhares em protesto. Cumps.

  • Ana Pereira
    Responder

    Lisboa, essa cidade estranha onde “sustentabilidade” é abater árvores p/ pôr ciclistas e peões [ao sol]. https://t.co/p1r1mA1e3a

  • nuno granja
    Responder

    Qual é a surpresa?

    Só para quem andar muito distraído com a actuação da CML.

    A ponte da laranja sobres a segunda circular não ia ser paga pela Galp?
    As 2 rotundas do Marques e a ZER não iam diminuir a poluição?

    + um longuissimo etc

  • Artur C. Margalho
    Responder

    O Eixo Central é na Alta de Lisboa.

  • Jorge
    Responder

    Têm mesmo de abater todas as árvores?

    E porque não transplantar os choupos para outros locais?

    • Carlos
      Responder

      Não dá simplesmente para tresplantar arvores de 50 anos com raizes fundas, e é de uma estupidez fabulosa fazê-lo devido a uma ciclovia…

  • Maria L Filipe
    Responder

    Deixa me triste e zangada com a falta de respeito com a cidade, os lisboetas, o ambiente. Por que razão são sacrificadas árvores sãs, com tantos anos de vida. Se ao menos fossem replantadas, como faz noutros países, em que se respeita a natureza. Por cá, tudo o que não é novo, é descartado, sem dó nem piedade!!! Sejam árvores, casas, palacetes,…e pessoas!!!
    Triste,muito triste 🙁

  • Vasco
    Responder

    Serão plantadas mais de 700 árvores em toda a requalificação. Provavelmente essas abatidas não são da espécie escolhida ou então não estão no mesmo alinhamento do novo projecto.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend