Os últimos dias de calor fazem a muitos sentir uma certa melancolia de fim de estação. E pensar já nas próximas férias. O Corvo visitou, por isso, a única livraria especializada em literatura de viagens da cidade de Lisboa. Desde Outubro de 2011, a Palavra de Viajante recebe na Rua de São Bento todos aqueles que se querem pôr à estrada, tanto real como imaginária.

 

Texto: Pedro Carreira Garcia

 

Europa, África, Ásia, América e Oceânia. As estantes estão organizadas por continentes e, dentro de cada área, por ordem alfabética de países. Nessas estantes de madeira, herdadas dos anteriores inquilinos do espaço – uma loja de chapéus de chuva -, estão centenas e centenas de livros em diversas línguas, com uma linha comum: a viagem e o prazer de viajar.

 

Palavra de Viajante é o nome desta livraria, a única especializada em literatura de viagens em Lisboa. «Era um sonho antigo», conta Ana Coelho, que, com Dulce Gomes, fundou a Palavra de Viajante, em 2011, deixando a sua carreira na área de Gestão Cultural e Produção de Eventos para trás. «Já tinha visto no estrangeiro livrarias deste género e começámos a falar sobre a hipótese de abrir uma em Lisboa. Depois, pensámos que sim, que valia a pena arrancarmos», conta. Contudo, «queríamos ter a certeza de que estávamos a falar da mesma coisa, se estávamos em sintonia».

 

Para definir melhor como seria a livraria, Ana e Dulce decidiram… viajar. Ao longo do Danúbio, no Verão de 2010, ficou decidido: iriam avançar. Cerca de um ano depois, abria a livraria, no fim da Rua de São Bento, perto da Assembleia da República, num edifício tipicamente queirosiano, do século XIX.

 

 

IMG_1202

 

 

Durante a visita d’O Corvo, os clientes conversam com as sócias da livraria e pedem-lhes sugestões sobre os livros que poderão levar para casa, enquanto se ouve o chocalhar dos eléctricos na rua. Esta é uma zona que agrada a Ana e Dulce, já que «tem uma mistura muito interessante entre o tradicional e o moderno, com residentes jovens e mais velhos.»

 

«Já temos clientes habituais, apesar de o negócio ser lento na fidelização de clientes. As livrarias demoram entre cinco a sete anos até fazerem-se. Neste momento, já temos clientes fiéis, inclusivamente ao almoço», acrescenta Ana Coelho.

 

«As pessoas estão um bocadinho cansadas do atendimento nas grandes superfícies, querem outra vez algo mais pessoal. Aqui, o espaço não é grande. Já conheço clientes pelo nome, sei o que gostam, posso recomendar-lhes um livro com mais facilidade do que num sítio maior. E é tão fácil começar a falar com os clientes, quando nos contam as viagens…», revela Ana Coelho.

 

A Palavra de Viajante não se esgota na variedade dos seus autores, cuidadosamente escolhidos pelas duas sócias. A livraria tem uma grande selecção de guias em diversos idiomas – «chegam a recomendar-nos em outras livrarias, quando os clientes não encontram lá o que procuram», conta Ana Coelho. Mas há mais do que livros: mapas, planisférios, memorabilia diversa ou objectos úteis para qualquer viagem, como adaptadores de tomadas.

 

 

IMG_1196

 

 

Numa sala separada ao fundo da loja, a Palavra de Viajante tem ainda espaço para o Café do Viajante, onde se servem diariamente almoços – estando também aberto durante o resto do dia para eventuais clientes à procura de um café ou de um lanche. Para além destas valências, albergam frequentemente exposições, palestras e apresentações diversas.

 

Mas os livros, claro, estão à cabeça. E que livros recomendam as duas sócias da Palavra de Viajante? Apesar da dificuldade em destacarem obras entre todas as que já leram, Ana Coelho e Dulce Gomes referem o escritor colombiano Juan Gabriel Vásquez e “O Barulho das Coisas ao Cair” – um livro que, dizem, desenha «um bom retrato da Colômbia» – e o espanhol Enric González, ex-jornalista do El País, com as suas “Histórias de Londres”, o primeiro de uma série que inclui “Histórias de Nova Iorque”, “Histórias do Calcio” e “Histórias de Roma”, com relatos dos sítios por onde foi passando como correspondente do jornal espanhol. Duas recomendações de quem, assegura Ana Coelho, gosta de viajar – e, claro, de literatura de viagens.

 

Palavra de Viajante

Rua de São Bento, n.º 30

1200-819 Lisboa

21 195 6340

Terças a Quintas das 10h às 19h

Sextas e Sábados das 10h às

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com