O centenário Jardim do Campo Grande modernizou-se e está agora mais arejado, embora ainda com obras em curso no interior. Abriu finalmente a ala norte e, no fim-de-semana passado, já vogavam barcos no lago, despertando o lado romântico deste espaço público. Mas, em tempos de crise e vá-se la saber porquê, a grande coqueluche era mesmo o novo parque canino, que parecia o paraíso dos cães. Saltavam e ladravam tão contentes, no recinto murado a madeira onde há jogos e brincadeiras para os animais, que pareciam fazer inveja aos donos, algo mais contidos.

 
Entre as novidades neste velho jardim agora reaberto, há também campos de padel. Várias duplas de raquetes em riste ocupavam um deles, no domingo passado, aproveitando o sol que, a espaços, vai brilhando por estes dias. Nesta renovação, promete-se também, para crianças e crescidos, jogos de matemática ao ar livre. Mas, no domingo, não foi ainda possível perceber onde se realizam e quando.

 
As obras tinham vedado a ala norte do Campo Grande, há já mais de um ano, e foi com entusiasmo que os moradores da zona ocuparam outra vez este espaço público, cuja reabertura foi sucessivamente adiada. Não estando ainda concluída – falta repor ligações de percursos, remodelar o antigo Centro Comercial Caleidoscópio, entre outras coisas – , a nova versão do Jardim do Campo Grande permite, de novo, respirar fundo.

 

 

Texto: Fernanda Ribeiro    Fotografias: Carla Rosado

 

 

CR_jardimcgrande_01_171113

CR_jardimcgrande_02_171113

CR_jardimcgrande_04_171113

CR_jardimcgrande_05_171113

CR_jardimcgrande_06_171113

CR_jardimcgrande_07_171113

CR_jardimcgrande_08_171113

 

Comentários
  • Cristina Santinho
    Responder

    Levei hoje o meu cão ao parque para cães do remodelados jardim. Quando soube da existência deste parque fiquei muito entusiasmada com a ideia. Finalmente realizava-se um desejo antigo: poder levar o meu cão a socializar com outros cães e a fazer exercício, sem trela e em segurança.
    Mas…fiquei desapontada com o que lá encontrei e não encontrei. Por isso, aqui ficam 3 sugestões que espero virem a ser tomadas em conta:
    1) mudar o piso existente de modo a que não se acumulem poças de água e terreno totalmente enlameado.
    2) substituir os portões ou acrescentar dupla cerca para que haja uma antecâmara para os animais não fujam.
    3) colocar bebedouros.
    Estas sugestões são básicas e fundamentais para um parque para cães sem trela. Qualquer dono, reconhece estes princípios básicos. Os serviços responsáveis por este espaço também os deveriam conhecer.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com