É um banco de rua em madeira e vê-se bem que já teve melhores dias, como aqueles em que era muito procurado, sobretudo à tardinha, quando o sol já não queima e sabe bem repousar em plena rua, a ver o movimento ou a conversar, na Avenida da Igreja, em Alvalade. Já muitos nele se sentaram, a solo ou em grupo. Merecia, por isso, melhor sorte do que a que tem tido nos últimos meses.

A fita plástica vermelha e branca que há um mês apareceu a envolver esta antiga peça de mobiliário urbano dava a ideia de uma emergência e de que o banco de madeira iria ser reparado em breve. Assim, quase engalanado, chamava mais a atenção e despertava o olhar dos passantes para o assento quebrado.

Mas muitos dias passaram desde que, em meados de Maio, foi colocada esta faixa vermelha e branca e nada aconteceu. O cenário por detrás dele foi mudando, sucessivamente, e além do Smart ali estacionado a 17 de Maio, muitos outros carros passaram e pararam, junto ao banco partido da avenida, onde nunca mais ninguém se pôde sentar.

O banco terá quebrado de vez quando uma moradora do bairro, inadvertidamente nele se sentou, sem ter reparado que a tábua do assento já há muito estava rachada.

A “ocorrência” – tal é a palavra usada no portal da Câmara Municipal de Lisboa “Na Minha Rua”, no qual os cidadãos podem comunicar à autarquia problemas detectados no espaço público – constava já online, tendo sido reportada em 2013 a existência de um “banco com assento de madeira danificado”, na Avenida da Igreja. Na informação dada pela câmara, o caso estava “encaminhado”, ou seja, a reparação não tardaria. Mas tardou.

O Corvo contactou a Junta de Freguesia de Alvalade para tentar saber a razão de tanta demora na reparação do banco. A funcionária que atendeu o telefone confirmou que a reparação do mobiliário urbano é uma competência da junta e anotou o caso. “Vou informar de imediato os serviços para que o banco seja reparado o mais breve possível”, disse.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com