Crónica

 

Segunda-feira de manhã na Linha Azul. Ele – um preto de 20 e poucos anos com sotaque de Angola – vinha a jogar no telemóvel desde as Laranjeiras. Ela entrou na Praça de Espanha, uma branca da mesma idade, cabelos castanhos compridos, óculos escuros e dois ‘piercings’ no nariz. Cumprimentaram-se como os jogadores de voleibol, batendo a palma da mão uma contra a outra.

Não, ela não estava ’fixe’: tinha as amígdalas inchadas.

– Fui ao hospital na sexta-feira à noite, tipo pra ver o que era isto, tás a ver?

– Ya.

– Passei o fim-de-semana na cama. Só saí para ir carregar o telemóvel.

O cabelo e os óculos escuros tapavam-lhe metade do rosto. Sobressaiam os ‘piercing´, um em cada narina. Ele estava de casaco e gravata, sapatos engraxados, como um empregado de escritório. Ela vestia blue-jeans, com ténis amarelos sem meias, os tornozelos descobertos.

Saíram juntos no Marquês de Pombal.

“Piercing” no nariz significa “autoconfiança” e “irreverência”? Não interessa: a Linha Azul é a maior do metro de Lisboa – 13 quilómetros, entre Amadora e Santa Apolónia. Uma das estações do percurso, a Baixa-Chiado, fica a 45 metros de profundidade, outro recorde.

Uma pessoa mete-se no metro na Brandoa e, menos de meia-hora depois, emerge junto ao Cais das Colunas. No metro, a cidade está por cima de nós, como escreveu José Cardoso Pires; no Cais das Colunas, está atrás. É por aqui que o Tejo entra na Praça do Comércio, e vice-versa. A vista mergulha no rio, presa à esteira dos navios. Alguns navegam para a margem sul; outros vão para portos distantes, na costa do Atlântico, e até mais longe, rumo ao Índico e ao Pacífico. De vez em quando, passa um veleiro. Infinitamente grande e infinitamente pequeno, tudo junto, concentrado num cais.

O símbolo da Linha Azul é uma gaivota a voar. Está certo.

 

Texto: António Caeiro

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] A Linha Azul é um mundo! https://t.co/IX380jRywG #lisboa

  • nuno caiado
    Responder

    a estação do Chiado-Chiado não fica a 45 metros de profundidade, ora essa!
    a quota a partir da qual se faz a medição é a Baixa, o deve dar uma meia dúzia de metros.
    as escadas rolantes para o Chiado são meros acessos de conveniência. se fossem prolongados até ao Carmo, dariam 80 metros

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com