Crónica

 

Segunda-feira de manhã na Linha Azul. Ele – um preto de 20 e poucos anos com sotaque de Angola – vinha a jogar no telemóvel desde as Laranjeiras. Ela entrou na Praça de Espanha, uma branca da mesma idade, cabelos castanhos compridos, óculos escuros e dois ‘piercings’ no nariz. Cumprimentaram-se como os jogadores de voleibol, batendo a palma da mão uma contra a outra.

Não, ela não estava ’fixe’: tinha as amígdalas inchadas.

– Fui ao hospital na sexta-feira à noite, tipo pra ver o que era isto, tás a ver?

– Ya.

– Passei o fim-de-semana na cama. Só saí para ir carregar o telemóvel.

O cabelo e os óculos escuros tapavam-lhe metade do rosto. Sobressaiam os ‘piercing´, um em cada narina. Ele estava de casaco e gravata, sapatos engraxados, como um empregado de escritório. Ela vestia blue-jeans, com ténis amarelos sem meias, os tornozelos descobertos.

Saíram juntos no Marquês de Pombal.

“Piercing” no nariz significa “autoconfiança” e “irreverência”? Não interessa: a Linha Azul é a maior do metro de Lisboa – 13 quilómetros, entre Amadora e Santa Apolónia. Uma das estações do percurso, a Baixa-Chiado, fica a 45 metros de profundidade, outro recorde.

Uma pessoa mete-se no metro na Brandoa e, menos de meia-hora depois, emerge junto ao Cais das Colunas. No metro, a cidade está por cima de nós, como escreveu José Cardoso Pires; no Cais das Colunas, está atrás. É por aqui que o Tejo entra na Praça do Comércio, e vice-versa. A vista mergulha no rio, presa à esteira dos navios. Alguns navegam para a margem sul; outros vão para portos distantes, na costa do Atlântico, e até mais longe, rumo ao Índico e ao Pacífico. De vez em quando, passa um veleiro. Infinitamente grande e infinitamente pequeno, tudo junto, concentrado num cais.

O símbolo da Linha Azul é uma gaivota a voar. Está certo.

 

Texto: António Caeiro

 

Comentários
  • nuno caiado
    Responder

    a estação do Chiado-Chiado não fica a 45 metros de profundidade, ora essa!
    a quota a partir da qual se faz a medição é a Baixa, o deve dar uma meia dúzia de metros.
    as escadas rolantes para o Chiado são meros acessos de conveniência. se fossem prolongados até ao Carmo, dariam 80 metros

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com