A importância do espaço público e a utilização que dele se faz

DICAS
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Arroios

12 Agosto, 2014


As cidades são os lugares onde as redes de socialização assumem um carácter mais complexo. No seu seio, as pessoas estabelecem relações, conhecem outras, afastam-se, reaproximam-se, conhecem ainda mais pessoas, estabelecem parcerias, constroem rivalidades, forjam inimizades ou laços duradouros, tecem convicções e fermentam angústias. Lisboa não constitui excepção, como é óbvio. E, nela, o banco de jardim, onde por regra os mais velhos jogam às cartas, tem carácter de instituição aparentemente inabalável. Para estes habitantes, trata-se de um lugar vital.

Por isso, esta imagem, captada pelo Corvo, no último fim-de-semana, assume-se como bastante emblemática. Um grupo de homens de idade avançada manteve a sua partida de cartas, no local do costume, o Jardim Constantino, em Arroios, indiferente à provisória alteração do cenário. A Junta de Freguesia decidiu pintar as mesas e os bancos de metal daquele espaço público – sempre muito requisitado – e, enquanto a operação de manutenção não estivesse terminada, isolou a área com uma fita plástica. Embrenhados na sua jogatana, estes homens fizeram questão de manter a ligação a esta parcela do território urbano. Porque os lugares são importantes.

MAIS DICAS

COMENTÁRIOS

  • Margarida Martins
    Responder

    E lamentável que estes Senhores , não tenham tido respeito pelo trabalho que se esta a fazer!!!

  • Margarida Martins
    Responder

    ´No mesmo Jardim existem mais 6 mesas e 24 cadeiras onde se podiam sentar.

  • Margarida Martins
    Responder

    Por isso ontem tivemos que voltar a pintar as mesas mesas e cadeiras, pois ate jornais colocaram. E deixaram marcas de mãos, etc etc.

  • Margarida Martins
    Responder

    Nem respeito pelo trabalho , nem pelos os outros cidadãos, que usufruem o Jardim . Portugueses no pior exemplo!

  • margarida martins
    Responder

    E lamentável que estes Senhores , não tenham tido respeito pelo trabalho que se esta a fazer!!!
    No mesmo Jardim existem mais 6 mesas e 24 cadeiras onde se podiam sentar.
    Por isso ontem tivemos que voltar a pintar as mesas e cadeiras, pois ate jornais colocaram. E deixaram marcas de mãos, etc etc.
    Nem respeito pelo trabalho , nem pelos os outros cidadãos, que usufruem o Jardim . Portugueses no pior exemplo!

  • F R
    Responder

    Aplaudo esta acção da Junta de Freguesia de Arroios, que pelo que vejo será das mais dinâmicas da cidade. Uma acção semelhante à que fez nos bancos e no chão do Jardim dos Sabores (Alameda de Sto. António dos Capuchos), abandonados há muito!
    Mas… se o espaço estava vedado para manutenção, será normal que esses senhores o utilizem? Conheço o Jardim Constantino, e mesas (e cadeiras) para jogar não lhe faltam! Ao colocarem cartões e jornais nos tampos das mesas e das cadeiras, com tintas e vernizes por secar, estes senhores estragaram o trabalho feito. Enfim!

  • miguel fernandes
    Responder

    Os lugares são importantes, mas importante também é o dinheiro de cada um de nós, que também paga impostos e, com esse dinheiro, o governo faz uma distribuição. Algum dele vai parar a poderes autárquicos como as juntas de freguesia, que com ele, faz por exemplo, manutenção dos espaços públicos. Não me parece correcto por parte dos jogadores em causa destruir um património que é de todos. Obrigado

  • Vítor Carvalho
    Responder

    Desculpem mas não resisto a dizer: é mesmo dar pérolas a porcos.

  • Left H. Rotation
    Responder

    O espaço publico nao precisa ser perfeito, apenas sincero e vivido.

  • Margarida Martins
    Responder

    vivido sim , mas com respeito e atenção.!

  • Margarida Martins
    Responder

    e era esperar mais 24 h

  • Margarida Martins
    Responder

    além disso tem mais 6 mesas e 24 cadeiras

  • Left H. Rotation
    Responder

    Margarida, gostas dos teus propios comentarios

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend