À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Santa Maria Maior

16 Outubro, 2017


O novo terminal de cruzeiros de Lisboa, em Santa Apolónia, cuja abertura está prevista para o próximo mês, está a dividir opiniões. A infra-estrutura, projectada pelo arquitecto Carrilho da Graça, tem dado que falar pelo seu arrojo formal e pela relação que estabelece com a envolvente, mas também pelo aumento do turismo de massas que poderá provocar. A diferentes percepções sobre a obra são também sentidas na área envolvente. Apesar de reconhecerem a importância da obra, os comerciantes de Alfama e Santa Apolónia consideram que, neste momento, há outras prioridades. Requalificar a zona envolvente da estação de caminho-de-ferro, controlar o alojamento local no bairro e não deixar que o comércio dependa só do turismo são algumas das suas reinvindicações.

Depois de ter recebido os primeiros passageiros a 19 de setembro, o novo terminal de cruzeiros de Lisboa, em Santa Apolónia, voltou a fechar, logo de seguida, para a conclusão das obras, que afinal ainda estarão em curso. Apesar de oficialmente não haver data prevista para a inauguração do edifício projetado pelo arquitecto Carrilho da Graça, um operário de construção civil, que está precisamente a trabalhar na fase de acabamentos desta infra-estrutura, garante a O Corvo que o terminal abre no próximo dia 10 de novembro. “O terminal já devia ter sido feito há muito tempo. Espero é que venha muito dinheiro com esta obra”, comenta, enquanto bebe um café num estabelecimento comercial das redondezas. Contactada por O Corvo, a Lisbon Cruise Terminals, entidade responsável pela gestão da infra-estrutura, escusa-se a adiantar uma data concreta para a sua reabertura.

A nova gare terá uma capacidade de 1,8 milhões de passageiros, o que poderá trazer muitas vantagens para os comerciantes das redondezas, reconhecerem alguns deles a O Corvo. Mas, entre eles, também existe quem discorde da perspectiva de grandes benefícios económicos e tema que se esteja a abrir a porta a uma “espécie de turismo selvagem”. Um deles é Vasco Duarte, o proprietário da sapataria Ondina, a funcionar há 130 anos na Rua dos Remédios, epicentro de Alfama, o qual lamenta as transformações que o bairro histórico tem vindo a sofrer nos últimos anos.

À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

“O bairro está desprovido de portugueses, 80% do bairro é turistas, e isso é mau porque descaracteriza a cidade, marginaliza o português”, lamenta, antes de admitir as vantagens com tal cenário. “Os meus clientes são maioritariamente estrangeiros, para não dizer quase todos. Por isso, a construção do novo terminal acaba também por ser positiva, neste momento estamos a viver do turismo”, considera. “Há aqui um problema muito grande, também, que é a falta de polícias, numa zona onde acaba por haver alguns roubos, há muitos carteiristas. Turismo sim, mas turismo com segurança”, defende.

Carlos Elvas, barbeiro no Salão Alfama, na mesma rua, partilha a opinião do vendedor de sapatos. “O novo terminal vai trazer mais turistas e, consequentemente, mais dinheiro. O turismo é a minha salvação nos dias de crise, dá para a água e para a luz, como eu costumo dizer”, diz entre sorrisos. Por outro lado, salienta que é o alojamento local o que mais ganha com este tipo de infra-estruturas. “O alojamento local, que já devia ter parado, vai beneficiar muito com isso”, adianta. Um cliente do Salão Alfama, empresário de animação turística, também comenta: “Veja lá, se quatro barcos trouxerem oito mil pessoas, o dinheiro que vai entrar aqui”.

Um pouco mais a baixo, na Estação de Santa Apolónia, situada ao lado do novo terminal, há quem reaja com indignação à construção da obra. “Faz-se o terminal num lado e esta zona fica toda degradada? Não faz sentido nenhum. O ambiente, aqui, deixa muito a desejar”, comenta Joaquim Santos, comerciante numa loja de guloseimas e chocolates dentro da estação. “Acho que o terminal vai juntar muitas pessoas. Há muitos turistas e estamos quase com uma espécie de turismo selvagem. Há turistas que não trazem nada e turismo selvagem não é turismo de qualidade. Há muita gente, está tudo a perder a identidade. Já nada é típico”, considera. Já Bruno Verício, empregado de um quiosque ao lado, discorda: “Se o terminal trouxer três mil pessoas, e vierem cá 150 pessoas, já é muito bom. Também acho que a obra embeleza a cidade”, afirma.

À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

Ao sair da estação, no Largo dos Caminhos de Ferro, o proprietário do Café Lisboa Tejo, Manuel Pires, estranha a pré-inauguração do terminal. “Acha normal abrir e fechar no mesmo dia? Isso foi por causa das eleições autárquicas!”, diz. E reforça: “No dia da inauguração, só mostraram o outro lado, não o que está por trás. Não faz sentido”. Mas os reparos encontram razões mais antigas. “Esta zona piorou muito nos últimos anos, já foi uma das melhores da cidade, um dos ex-líbris de Lisboa. A estação recebeu políticos importantes, como Mário Soares. Agora, está completamente degradada”, lamenta. Joaquim Santos, o dono da loja de doces, é da mesma opinião. “O passado é passado e devemos seguir em frente, mas tem de se respeitar o passado. E isso não está a acontecer”, repara.

Basta olhar em redor da estação para encontrar motivos de queixa. A começar pela limpeza ou falta dela. “Os turistas ficam chocados quando vêm aqui e até já comentaram comigo. O cheiro nauseabundo que se sente, a falta de higiene que existe, os sem-abrigo que atiram as caixas de comida para o chão, enfim”, enumera o dono do café Lisboa Tejo.

Mesmo ao lado, no restaurante Sol Brasil, Freden Miranda concorda. “Esta zona é uma porcaria, só há drogados aqui. Não há uma esquadra da polícia e os gerentes da estação não fazem nada. Todos os dias há confusão e brigas, que envolvem facas e garrafas. Há muito lixo e, quando chamamos a polícia, só aparece dentro de uma hora”, observa. E até há uma coisa em que Freden e Manuel Pires, do Café Lisboa Tejo, concordam. “Apesar de tudo, quantos mais turistas, melhor para o nosso negócio”. O segundo até vê razões para algum optimismo. “Acredito que o novo terminal valorizará muito a zona. Já começa a haver uma saturação e tem de haver um equilíbrio”, diz.

À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

O presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), também está optimista. Acredita que o novo terminal terá um “impacto positivo na economia local”. O edil, todavia, ressalva que poderão haver “impactos complicados na ‘pressão’ adicional de pessoas sobre o espaço público”.

Referindo-se aos habitantes da junta de freguesia que preside, Miguel Coelho considera que acabam por ser eles quem menos beneficia com o aumento do turismo, mais precisamente, com o alojamento local. Em depoimento escrito a O Corvo, atacou a polémica lei das rendas produzida pela actual líder do CDS-PP, Assunção Cristas, enquanto ministra do executivo anterior. “A componente do turismo que nos cria problemas é a que se prende com o alojamento local, uma vez que ainda permanecem as consequências do pacote legislativo conhecido como ‘Lei Cristas’ sobre as pessoas da freguesia”, afirma.

À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

“Essas consequências incidiram directamente na ausência quase total de habitações para o mercado de arrendamento permanente, assim como têm favorecido uma ‘espécie’ de expulsão dos habitantes tradicionais – por via de não renovação de contratos a termo ou por via da realização de ‘obras profundas’ –, não havendo sequer na legislação nenhum tipo de proteção para as pessoas com idade superior a 65 anos”, defende.

O novo terminal representa um investimento de 22,7 milhões de euros. O sistema de acesso aos navios será feito através de duas mangas ligadas a uma passerelle com uma extensão de 600 metros, conectada ao terminal por três passadiços. Com o terminal de cruzeiros, Lisboa ganha ainda um novo miradouro, um terraço com vista de 360º aberto a toda a gente. A empreitada é da responsabilidade do LCT – Lisbon Cruise Terminals, que, desde 2014, tem a concessão do terminal de cruzeiros do Porto de Lisboa.

À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend