Lucinda Vinagreiro, uma professora do ensino secundário já reformada, inscreveu-se num curso da Câmara Municipal de Lisboa para mais uma tentativa de aprender a andar de bicicleta. Desta vez, aos 74 anos, conseguiu vencer o medo e começou mesmo a pedalar. E já bateu um recorde. Foi a participante com mais idade. O Corvo foi assistir a uma das aulas destes cursos, que a autarquia ministra desde 2012 e já ensinaram 300 pessoas a circular de bicicleta.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

 

Ainda não se sente completamente à vontade em bicicletas altas, como a do filho, mas para Lucinda Vinagreiro, uma professora do ensino secundário já reformada, aprender a pedalar aos 74 anos foi uma bela aventura e uma superior conquista.

 

À segunda aula, já só lhe faltava “um empurrãozinho e ganhar confiança no equilíbrio”, o que conseguiu, no passado fim-de-semana (a 23 de Maio), e lhe deu direito a receber o diploma do Curso de Aprendizagem de Condução de Bicicleta, promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, em parceria com a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta.

 

E agora, satisfeita da vida, Lucinda garante que não vai parar. Esta segunda-feira (25 de Maio), já se preparava para ir a uma loja de desporto comprar uma bicicleta adequada ao seu tamanho. “Já estou a tratar disso e agora quero treinar no meu bairro, os Olivais Sul, onde tenho muitos sítios onde posso praticar”, contou, radiante, ao Corvo.

 

Com esta sua conquista, Lucinda Vinagreiro bateu também um recorde. Foi a participante com mais idade a participar nos cursos que a autarquia ministra regularmente desde 2012 e que já ensinaram cerca de 300 pessoas a pedalar.

 

Diploma de Lucinda 2015-05-23 09.42.32

 

 

Era um sonho antigo o desta professora de Português e nem a idade a impediu de realizá-lo. “Deve ser um bocado raro, haver velhas como eu a aprender a andar de bicicleta. Mas consegui. E sinto-me muito bem”, comentou, já depois de findo o curso, que foi frequentado por pessoas das mais variadas idades e profissões, maioritariamente do sexo feminino.

 

Antes, Lucinda fizera outras tentativas, mas sem idêntico sucesso. “Comecei por tentar aos 18 anos. Mas, mal me sentia sozinha a pedalar, largava o guiador. Mais tarde, fiz nova tentativa e até queria ir participar na maratona que atravessa a ponte. Mas acabei por desistir”, explicou Lucinda. Mas à terceira foi de vez. Venceu o medo. E quando o instrutor a incitava “Pedale, não pare, pedale, pedale”, foi isso que acabou por fazer, a partir de certa altura, já largada e sozinha, no parque do Grupo Desportivo de São João de Brito, em Alvalade, onde decorreram as aulas.

 

Satisfeitíssimo estava também Abílio Delgado, que, aos 56 anos ultrapassou, finalmente, “uma frustração imensa”. Uma sensação nascida de “ver os filhos a andar de bicicleta e eu, que até os ensinei, não saber”, confessa.

 

E aprender “até foi muito fácil”, contou ao Corvo. “Começa-se por deslizar, como se fosse numa trotinete. E ao fim de três quartos de hora eu já estava a pedalar”, disse Abílio Delgado ao Corvo, no momento em que recebia o diploma das mãos de Leonel Mendonça, seu instrutor e membro da Federação de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicletas.

 

2015-05-23 10.53.19

 

Mas, nestes cursos – que a câmara promove duas vezes por ano, ao longo de três sábados de manhã, e que são abertos a pessoas acima dos 14 anos -, nem só gente mais velha decide enfrentar medos antigos e participar.

 

“No início, até tínhamos lista de espera e eram sobretudo pessoas mais velhas a inscrever-se. Mas, agora, já aparecem com idades variadas, a uma média de 45 inscrições por ano”, explicou Ulisses Leal, outro dos instrutores.

 

Num dos dois turnos em que se dividem as aulas – um das 8h430 às 10h30 e outro das 10h30 às 12h30 – participaram, no sábado passado, dois adolescentes e muita gente com idades intermédias.

 

2015-05-23 10.33.12

 

Marta Pinheiro, que não aprendera a andar de bicicleta na infância, nem na adolescência, como é habitual, aprendeu agora, aos 31 anos. “Foi o meu namorado que me inscreveu. Na primeira aula, ainda tinha dificuldade em equilibrar-me, mas depois foi fácil”, contou.

 

A simpatia e disponibilidade dos instrutores e organizadores, a par da tranquilidade do espaço do Grupo Desportivo de São João de Brito – que tem uma vasta área disponível e é reservado do bulício da Avenida do Brasil, com o qual confina – ajudam muito e tornam mais apetecível a frequência do curso. E, no final, nota-se já um certo espírito de equipa entre os diversos aprendizes.

 

“O espaço e o ambiente aqui também ajudam, até porque está toda a gente ao mesmo nível”, sublinhou Marta Pinheiro, que agora já pode ir pedalar com o namorado para outras paragens.

 

Aprendizes 2015-05-23 09.18.53

 

A alegria dos participantes, a maioria mulheres, era evidente na hora de receber o diploma, já depois de duas horas de esforço, entre aplausos e abraços e as inevitáveis fotografias de grupo.

 

Em Setembro há mais. E para quem esteja interessado em aprender a pedalar, nunca é tarde. Pode fazê-lo, por menos de 20 euros e algum esforço. O novo curso vai realizar-se a partir de dia 19 de Setembro e ao longo de três sábados. Para mais informações, contacte a Divisão de Sensibilização e Educação Sanitária e Ambiental da Câmara Municipal de Lisboa, cujo email é  dsesa.gat@cm-lisboa.pt.

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] A conquista de aprender a pedalar aos 74 http://t.co/O9n20prcJJ

  • pedron
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: A conquista de aprender a pedalar aos 74 – http://t.co/25TFujsu7f

  • Maria Papoila
    Responder
  • Maria Papoila
    Responder

    Descrição do serviço, que é gratuito…
    “Serviço dirigido a potenciais utilizadores de bicicleta que consiste num tutor temporário que acompanha o utilizador inexperiente durante duas semanas (duas/três vezes por semana) nos trajectos casa-trabalho-casa, com o objectivo de familiarizar o novo utilizador com a bicicleta como meio de transporte em contexto urbano.”

  • João Sancho
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: A conquista de aprender a pedalar aos 74 – http://t.co/25TFujsu7f

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com