Vinte anos depois, eléctrico regressa ao Príncipe Real, mas só para turista ver

por • 28 Maio, 2015 • Actualidade, Segunda ChamadaComentários (10)1940

Os olhares de espanto e as expressões boquiabertas de quem via passar o eléctrico junto ao Miradouro de São Pedro de Alcântara eram mais que justificados. Afinal, a última vez que tal sucedera fora já há duas décadas, quando a Carris desactivou, com carácter provisório, e devido a uma obra, a linha 24 – que assegurava a ligação entre o Cais do Sodré e Campolide. O temporário foi assumindo características perenes e os carris deixaram de ser usados desde essa altura.

 

Agora, a troco de seis euros, e com um bilhete que pode ser usado durante 24 horas, é possível fazer o circuito Chiado Tram Tour, que liga em sistema de carrossel o Largo Camões ao Príncipe Real. O mesmo género de serviço que, há cerca de um ano, faz o Castle Tram Tour, a partir da Praça da Figueira, o qual ganhou agora paragens no Martim Moniz e no Largo da Graça. Com o início da nova operação comercial hoje aberta pela Carristur, passam a estar cobertos pelo serviço eléctrico pontos tão emblemático como a Igreja da Misericórdia, o Jardim do Príncipe Real, o Largo de São Roque e o Miradouro de São Pedro de Alcântara.

 

A inauguração da ligação, explorada pela empresa do grupo Carris vocacionada para o serviço turístico, ocorreu na manhã desta quinta-feira (28 de Maio) e serviu também para os jornalistas ficarem a saber que o renascimento do eléctrico 24 – há muito reclamado, tanto por entusiatas deste meio de transporte como por diversos grupos de activistas urbanos – não estará para tão cedo nos planos da transportadora pública. A não ser que seja para exploração turística. Logo, com outro nome e com preços não compatíveis com o serviço público.

 

Isso mesmo foi assumido por Rui Loureiro, presidente do conselho de administração da Carris. Ou dá lucro ou então esqueçam essa ideia, deu a entender. “Se houver procura, poderemos pensar em retomar a utilização dessas linhas”, disse, quando questionado sobre a possibilidade de se voltar a ver eléctricos a passarem pelas ruas do Alecrim e da Escola Politécnica, Largo do Rato, Amoreiras e Campolide. A forma como essa procura deverá ser aferida esteve, porém, longe de ser clarificada pelo dirigente da empresa pública.

 

Pressionado pela comunicação social, o administrador da transportadora admitiu que “há uma tendência, que não é de agora, de passar os eléctricos todos para o serviço turístico”. “O turismo baseado nos eléctricos é algo que veio para ficar”, sustentou, antes de relevar a necessidade de fazer com que a exploração comercial da empresa seja rentável. “Não é mais possível criar mais carreiras que não tenham viabilidade económica”, disse, sublinhando o facto de a taxa de ocupação média da frota ser de apenas 28%.

 

tram2

 

 

As palavras do presidente da Carris surgiram após António Proença, presidente da Carristur, ter assumido que a empresa “gostaria muito” de estender este género de ligações a locais como o Largo do Rato, Campolide e Amoreiras. Ou seja, existe a ambição de ali levar os turistas. O que deverá acontecer, dentro de algum tempo, no Largo do Carmo, assumiu o administrador – “lá iremos” -, sem precisar quando.

 

A pensar nisso, as recentes obras de reabilitação do espaço público no Largo da Trindade realizadas pela Câmara Municpal de Lisboa tiveram o cuidado de manter as linhas do eléctrico. No caso do novo Chiado Tram Tour, a Carris teve de proceder a trabalhos de reabilitação de alguns troços e de correcção da catenária, adiantou o presidente da companhia.

 

O Chiado Tram Tour funciona todos os dias, entre as 11h e as 16h, com saídas a cada vinte minutos, precisamente o tempo que dura cada viagem. É possível apanhá-lo ou dele sair em qualquer uma das suas cinco paragens: Largo Camões, Rua da Misericórdia, Largo de São Roque, São Pedro de Alcântara e Príncipe Real. Na ligação entre estes pontos, foi possível observar na viagem inaugural, os automóveis mal estacionados continuam a revelar-se importantes obstáculos à livre circulação dos eléctricos, tal como sucede noutras linhas.

 

Na quarta-feira, e depois de se saber do início da operação do Chiado Tram Tour, foi lançado um comunicado pela Plataforma Eléctrico 24 – de que fazem parte mais de uma dezena de entidades, entre as quais a Quercus, o Fórum Cidadania LX ou a Liga dos Amigos do Jardim Botânico – intitulado “E o resto do E-24?”. Nele se desejava que o início da carreira turística “seja o primeiro passo para a reactivação da Linha 24 em toda sua extensão (Cais do Sodré-Carmo-Campolide)”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Pin It

Textos Relacionados

10 Responses to Vinte anos depois, eléctrico regressa ao Príncipe Real, mas só para turista ver

  1. Sim senhora …. se der lucro há transporte – não dá lucro andas a pé – isto pq quem paga os sapatos és tu!!!! vais continuar a aceitar ?????

  2. Tuga News Tuga News diz:

    [O Corvo] Vinte anos depois, eléctrico regressa ao Príncipe Real, mas só para turista ver http://t.co/4t8JrDAVZ6

  3. petição: «Pela reactivação do Eléctrico 24, em Lisboa.» no endereço http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT76734

  4. Deveriam ser reativadas todas as linhas já! E não é para turista não.

  5. As razões invocadas para o adiamento da reabilitação do eléctrico 24 são completamente ridículas. Querem convencer-nos, portanto, que a rede de eléctricos é segregacionista: existe uma que contempla unicamente para turistas e outra que se destina apenas aos locais. Uma parte considerável dos turistas procura o “autêntico”, abominando tudo o que se pareça com atracções de parque temático. Tentar “atirar areia para os olhos” dos cidadãos, quando a realidade quotidiana comprova o contrário, em todas as linhas de eléctrico (12, 15, 18, 25 e 28), é insultuoso. A reabilitação da linha 24 seria, sem sombra de dúvida, “lucrativa”. Parece que esse é, infelizmente, o único argumento válido nos tempos do “empreendedorismo” patusco em que vivemos.

  6. RT @ocorvo_noticias: Vinte anos depois, eléctrico regressa ao Príncipe Real, mas só para turista ver – http://t.co/cMNbFBLW7a

  7. Transeunte diz:

    Não se demora 20 minutos a pé do Camões ao Príncipe Real. Devemos então concluir que vai andar a velocidade de passeio, a empatar o 758, que ainda vai servindo os indígenas?

  8. Pedro Cação diz:

    Cheguei uma vez a viajar nessa carreira do Rato às Amoreiras.Seria tão bom se a Carris chegasse a um acordo com a Câmara em reactivar a carreira que também é histórica.Eu gostaria de fazer a viagem toda como nunca fiz.

  9. Pedro Cação diz:

    O preço da viagem turística(do Camões ao Princípe Real)é de 6€.Mas seria tão bom se fosse mais barata.