PSD quer Câmara de Lisboa a recolher o lixo doméstico todos os dias da semana

por • 6 Junho, 2017 • Actualidade, AMBIENTE, Segunda ChamadaComentários (10)271

O Partido Social-Democrata (PSD) quer que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) comece a recolher o lixo doméstico também nas madrugadas das segunda-feira e dos feriados, passando assim a assegurar tal serviço todos os dias da semana. A proposta é feita através de uma recomendação, intitulada “Lisboa sem Lixo”, a discutir na sessão extraordinária da Assembleia Municipal de Lisboa (AML) que se realiza na tarde desta terça-feira (6 de junho). “Temos que reorganizar os serviços de Higiene Urbana da câmara para que possa ser possível recolher, entre domingo e segunda-feira, o lixo produzido pelas pessoas que vivem na cidade. Qualquer pessoa que circule pela cidade na manhã de segunda-feira percebe que existe uma lacuna neste aspecto”, diz a O Corvo Luís Newton (PSD), presidente da Junta de Freguesia da Estrela e responsável pela reivindicação.

 

A recomendação propõe à câmara “reorganizar-se por forma a assegurar que, nos dias supra referidos, não exista uma substancial redução do nível de serviço e consequente acumulação de lixo nas ruas”. No texto que sustenta o pedido de mudança na organização dos serviços com o objectivo de alargar o horário de recolha do lixo, refere-se que o facto de Lisboa ser cada vez mais uma metrópole moderna, “crescendo em objectivos e em popularidade”, faz com que as exigências tenham aumentado. Não só porque quem cá vive deseja uma melhor qualidade de vida, como o assinalável aumento dos turistas, visível em monumentos e jardins, vida de rua e comércio, tem as suas consequências. “Lisboa, capital Europeia de Cultura, Desporto, mas sobretudo capital de Portugal não pode continuar a acumular lixo, seja em que dia da semana ou do mês for”, escreve o presidente da junta.

 

“Este crescimento resulta numa maior acumulação de detritos e lixo, acumulando-se em cada esquina e prejudicando toda esta vivência. Uma cidade moderna não pára, nem pode reduzir os seus níveis de serviço à Comunidade que serve e que a visita, não sem compreendendo por isso que um elemento estratégico tão relevante e tão impactante como a recolha de lixo, tenha uma substancial redução do seu nível de serviço aos domingos (nomeadamente na recolha de domingo para segunda) e aos dias feriados”, diz o documento. Isto sem deixar de reconhecer que tal interrupção se deve à necessidade de assegurar os descanso dos trabalhadores daquele sector. Não deverá ser, contudo, esse direito inquestionável a funcionar como justificação para nada fazer, diz Luís Newton.

 

 

“Temos que mudar a organização dos serviços, que continuam a trabalhar como se ainda estivéssemos nos anos 70. Todas as grande cidades hoje asseguram a recolha do lixo, todos os dias da semana. As metrópoles modernas, como Lisboa ambiciona ser, não param, funcionam 24 horas por dias. O grau de exigência mudou. E se na minha junta consigo assegurar o funcionamento dos serviços de recolha de lixo nos sete dias da semana, não vejo razão para a câmara não conseguir”, afirma a O Corvo o autarca, explicando que as mudanças “não podem ocorrer à custa dos direitos dos trabalhadores do município”, mas sim de um melhor e mais eficaz “funcionamento por turnos”. “Não podemos querer ser a Capital Verde da Europa, mas ter as ruas cheias de lixo”, diz.

 

Luís Newton considera ser esta mudança de paradigma não apenas exequível, como fundamental, uma vez que decorre da realidade verificável no espaço público. “Nas zonas históricas e no primeiro anel imediatamente a seguir, as casas não têm condições para que as pessoas mantenham o lixo mais do que um dia. Foram construídas numa época em que essa exigência não se punha. Por isso, as pessoas vêem-se obrigadas a meter o lixo da na rua”, afirma o autarca, argumentando ainda que as campanhas de comunicação feitas pela CML, nas duas últimas décadas, para que os munícipes guardem os detritos domésticos de domingo para segunda se têm mostrado pouco eficazes. A que se junta “a incapacidade da Polícia Municipal para fiscalizar a infracções relacionadas com esta questão”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Pin It

Textos Relacionados

10 Responses to PSD quer Câmara de Lisboa a recolher o lixo doméstico todos os dias da semana

  1. Sim… seguramente que querem. E, se bem me lembro da política de salários defendida por ele, preferencialmente de borla, que o que é preciso é sair da zona de conforto que um salário dá.

  2. O problema não reside no facto de não existir recolha de lixo nas madrugadas das segunda-feira e dos feriados. O problema está na grande falta de civismo de pessoas que colocam qualquer tipo de lixo na rua mesmo sabendo que não existe recolha nesses dias e depois é o espetáculo que se vê nas ruas nesses mesmos dias. Alargar o horário e os dias de recolha de lixo é tapar o problema com a peneira. Em vez de campanhas de sensibilização, esta proposta vem reconhecer a impotência em resolver a questão de fundo da falta de civismo e premiar quem viola as regras mais básicas do civismo. Para já não falar do desrespeito para com os direitos dos trabalhadores da CML e das Juntas de Freguesia. Em suma, entendo esta proposta como mais uma prova de que já estamos em pré-campanha. Depois das 20 estações de metro aguardam-se os próximos capítulos de “quem dá mais”…

  3. Concordo desde que expliquem também como se faz isso sem aumentar o número de contratos de trabalho no estado, ideia defendida e executada enquanto foram governo

  4. Plenamente de acordo. As nossas ruas são uma vergonha com tanto lixo acumulado .

  5. João Prado Santos diz:

    Não diria que seja necessário implementar a medida por toda a cidade. Mas nos bairros históricos, aí, manifestamente, sim, desde que as equipas dos serviços de higiene urbana sejam devidamente recompensadas (o dinheiro dos impostos serve, ou não, para a melhoria da qualidade de vida dos munícipes?). Feriados, Domingos e segundas são dias em que na zona do Príncipe Real, onde resido, o lixo se vai amontoando pelas esquinas. É que, em virtude dos milhares de turistas que por aqui pernoitam e passeiam, não se trata de uma zona em que alguma vez se deixe de sentir a acumulação de desperdício. E de nada serve a Junta apelar à sensibilidade dos moradores através de cartas (curiosamente, gerando mais detritos) – a maior parte do lixo que se vê na rua nesses dias é colocado por clientes do airbnb que se estão perfeitamente a borrifar para horários e regras. Estou sistematicamente a vê-lo: sacos abertos espalhados pelo chão, lixo em caixas de cartão posto a qualquer hora na rua, matéria orgânica despejada em vidrões, etc. A realidade (local) é esta.

  6. Rui diz:

    por uma vez concordo com a direita!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *