Lisboa, 25 de Abril de 1974: um exercício de memória contado na terceira pessoa

por • 25 Abril, 2016 • Crónica, SlideshowComentários (4)1621

Crónica

 

Na semana passada, quando nos sentámos para almoçar, surpreendi o meu Pai, 95 anos feitos em Março, ao pedir-lhe que olhasse mais uma vez para esta fotografia, tirada pelo Hans, o amigo alemão já falecido, e recordasse como e quando soubera que uma mudança profunda estava para acontecer na vida dos portugueses e na história do país.

 

O dia acordou abafado e cinzento. Às 8.30, quando saiu de casa para ir trabalhar como habitualmente, cruzou-se com o vizinho no patamar das escadas do prédio. “—Acabei de ouvir na rádio que a Baixa de Lisboa está a ser ocupada. Há tanques e militares armados por todo o lado! Se vai para lá, tome cuidado”. Recorda o aviso do vizinho.

 

Apressou-se para ir apanhar o metropolitano na estação de Entre Campos. Sentia uma enorme expectativa, porém, estranhou o ambiente de normalidade dentro da carruagem. Mas, à medida que subia as escadas de acesso à Praça dos Restauradores, uma multidão de vozes ressoava-lhe cada vez mais perto, cada vez mais alto. Algo se passava que não era como dantes. Recorda.

 

Apanhou o elevador da Glória para ir para o seu escritório– a fazer lembrar os livros de Chandler— situado no Chiado onde se estabelecera aos 30 anos por conta própria em import export. Passou-lhe à porta, mas não chegou a subir ao segundo andar. Foi dali directamente à Brasileira onde abraçou efusivamente os amigos “— Acabou-se a ditadura!” “– E agora, pá?” “– Então, agora é a democracia! E já não volta atrás.” Sentou-se no chão da Rua Garrett pela primeira vez, e única na sua vida, no meio da massa popular que enchia as ruas da Baixa.

 

Num pulo, foi para o escritório situado junto ao epicentro no Largo do Carmo. Na rua, os Capitães faziam História enquanto ele martelava nas teclas do telex a notícia do fim da ditadura traduzida em fitas perfuradas que enviou para Inglaterra e França. Abriu as portas a um grupo de militares que marcou posição estratégica da varanda com vista para o quartel e à amiga jornalista que fazia a cobertura para o Diário de Lisboa. Lá fora, o povo está unido. Recorda.

 

São disparados alguns tiros e ouve-se a voz de comando pelo megafone. Durante o compasso de espera tenso entre a GNR e o MFA o clima manteve-se pacífico até à rendição. Não houve resistência.

 

Entre a emoção e o lirismo as ruas encheram-se de cravos vermelhos, para sempre o símbolo da revolução.

“– Foi uma festa de liberdade plena. Não havia ainda apologia política”. Recorda.

O 25 de Abril foi esse instante. E a luta continua.

 

Texto: Paula Ferreira

 

Pin It

Textos Relacionados

4 Responses to Lisboa, 25 de Abril de 1974: um exercício de memória contado na terceira pessoa

  1. Lisboa, 25 de Abril de 1974: um exercício de memória contado na terceira pessoa | O Corvo |… https://t.co/Ze9qiZTldK

  2. O 25 de Abril trouxe-nos liberdade e partidocracia.

    Agora, precisamos de lutar por uma verdadeira democracia.

    O voto livre de nada serve, se esse voto não decide as coisas importantes. O 25/Abril só nos deu foi um voto em listas que já estão ordenadas na hora de votar. Nós não elegemos ninguém, é a ordem das lista que decide quem vai para deputado.

    Os deputados não nos representam, só quem os nomeou para um “lugar elegível” da lista. Em democracia, não há “lugares elegíveis”: só vai para o parlamento quem tem mais votos.

    TEMOS DE LUTAR PELO DIREITO DE SERMOS NÓS A ESCOLHER OS DEPUTADOS.

    TEMOS DE LUTAR PELO DIREITO DE NOS CANDIDATAMOS AOS LUGARES DE DEPUTADO – NA QUALIDADE DE CIDADÃOS, POR DIREITO PRÓPRIO.

    A Todos Um Bom 25 de Abril.

  3. Lotta diz:

    There are generally some instteering points with time in this article but I don’t know if My partner and i see them all middle to be able to heart. There might be some validity but I will take preserve opinion until eventually I look into it more. Good content, thanks and you want extra! Added to be able to FeedBurner because properly