Largo do Calvário de cara lavada

por • 13 Outubro, 2017 • Alcântara, BAIRROS, Portfólio, Segunda Chamada, URBANISMOComentários (9)230

Ainda há operários de carrinho de mão a circular de um lado para o outro, mas o essencial da obra de reabilitação do Largo do Calvário e também do vizinho Largo das Fontaínhas está terminado. A inauguração deverá ocorrer em breve. Iniciada no inverno passado, a empreitada inserida no programa municipal Uma Praça em Cada Bairro aplicou ali a fórmula já conhecida de outras intervenções realizadas em vários pontos da cidade: mais espaço e conforto para os peões, renovado mobiliário urbano, incluindo bancos e candeeiros, mais árvores e o privilégio concedido aos transportes públicos e aos meios ligeiros de locomoção, em detrimento do automóvel, que ainda assim acaba por beneficiar com esta operação de reordenamento do espaço público. A circulação parece ser agora menos confusa. As árvores, plantadas há pouco, ainda terão de esperar pela próxima primavera para singrarem e assumirem uma folhagem de dimensão suficiente para oferecerem sombra. Por agora, o chafariz ali recolocado, após uma ausência de décadas, assume-se como o novo ex-libris de um dos pontos centrais da zona ocidental da capital – que, com esta intervenção, ganha uma outra dignidade.

 

Texto e fotografias: Samuel Alemão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pin It

Textos Relacionados

9 Responses to Largo do Calvário de cara lavada

  1. São deste tipo de obras que Lisboa precisa. Todos os recantos de Lisboa têm que ser requalificados. E tem que haver um eléctrico de Belém ao Parque das Nações.

  2. Ana Gomes Ana Gomes diz:

    Disse bem, tem que haver, mas a CML não infelizmente pensa assim!

  3. …bancos ao sol sem árvores…devem ser muito úteis…adoro as placas do chão…óptimas para aquecerem no verão…num sitio que deveriam colocar calçada com respiração dos solos sem pó de cimento…enfim arquitectos urbanistas ignorantes da treta…

  4. os bancos são essenciais, mas o cimento suja-se tanto e é tão feio…

  5. Muito cimento pouco verde

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *