Freguesias de Lisboa em dificuldades para lidar com tanto lixo feito por visitantes

por • 11 Dezembro, 2017 • Actualidade, AMBIENTE, Slideshow, VIDA NA CIDADEComentários (6)5654

Há mais lixo nas ruas de Lisboa, muito por culpa do aumento de visitantes e da proliferação de espaços de diversão nocturna e restauração, dizem alguns autarcas. Na freguesia da Misericórdia, a quantidade de resíduos produzidos passou para o dobro em apenas dois anos. Está em causa a salubridade pública, diz a presidente da junta que administra áreas como o Bairro Alto, a Bica e o Cais do Sodré. Na freguesia de Santo António, há cinco vezes mais lixo que há quatro anos. O presidente da junta diz que está a trabalhar para dez vezes mais habitantes do que os 12 mil que tem. Propõe, por isso, a criação de um regulamento para os hotéis serem cuidadores do espaço público onde operam. A Câmara de Lisboa estuda medidas para melhorar a limpeza da capital, tendo já definido que parte das verbas do fundo turístico serão para a higiene urbana.

 

Texto: Sofia Cristino

 

A população de Lisboa está a diminuir, mas a quantidade de lixo produzida na capital portuguesa continua a aumentar. Diariamente, segundo dados da Câmara Municipal de Lisboa (CML), divulgados na sessão de apresentação do Conselho Consultivo para Redução de Resíduos, são produzidas 800 toneladas de resíduos em Lisboa, sendo cada residente responsável por gerar cerca de 540 quilos de lixo por ano. Números que, para o presidente da Junta de Freguesia de Santo António, Vasco Morgado (PSD), constituem um dos maiores transtornos da freguesia a seu cargo.

 

“Um dos grandes problemas da nossa freguesia é que temos 12 mil habitantes, mas trabalhamos para 100 mil, o fluxo de pessoas que passa aqui. Temos cinco vezes mais lixo que há quatro anos. Além do lixo proveniente dos hotéis, temos novos residentes que têm o hábito de não o colocar nos contentores e deixá-lo na rua”, afirma, em declarações a O Corvo.

 

A presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, Carla Madeira (PS), também considera que o aumento da quantidade de lixo urbano produzido está relacionado com o aumento do fluxo populacional que tem vindo a acontecer na maior cidade do país. “Neste momento, estamos a produzir cerca de 32 toneladas de lixo por dia, sendo que, apenas há dois anos, este número era cerca de metade do actual. Esta enorme produção deve-se, sobretudo, ao aumento massivo do turismo na zona que abrange o nosso território e à proliferação de estabelecimentos de diversão nocturna e restauração”, diz, em depoimento escrito a O Corvo.

 

“Esta situação torna-se ainda pior devido ao não cumprimento das regras de deposição de lixo indicadas pela Câmara de Lisboa. Infelizmente, muitos moradores, turistas e comerciantes não respeitam estas indicações formando, assim, ao longo do dia, grandes montureiras de lixo, que colocam em causa a salubridade pública”, explica, ainda, a responsável por uma das freguesias da cidade de Lisboa que produz mais resíduos, sobretudo no Bairro Alto e no Cais do Sodré.

 

 

Vasco Morgado acrescenta, também, que o orçamento disponibilizado para os órgãos de poder local não é suficiente para garantir a lavagem e varredura das ruas, competências das juntas de freguesia. “A Junta de Freguesia de Santo António tem um milhão de euros para gastar na limpeza, mas devia ter um milhão e meio, só para correr bem, já nem digo correr muito bem. Não consigo pedir a 50 trabalhadores que façam o mesmo trabalho de há quatro anos”, queixa-se.

 

Nas zonas históricas da Baixa e do Castelo, também se começa a sentir um aumento do lixo produzido. No entanto, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), diz que que tem tido capacidade de resolver este sobrepeso. “Em regra, não costumamos ter situações desesperantes. Há uma sobrecarga da população, mas, com mais ou menos dificuldades, damos conta do recado”, diz, em declarações a O Corvo, sem se alongar sobre o tema.

 

Existe, no entanto, quem não queira estabelecer uma correlação entre o aumento do número de turistas e residentes estrangeiros com a subida do lixo produzido. Fernando Rosa (PSD), presidente da Junta de Freguesia de Belém, não concorda com este paralelismo. “Se há mais lixo, é porque a sociedade está a evoluir. Além disso, no Natal, a produção de resíduos também aumenta”, refere, acrescentando que tem feito uma boa gestão do orçamento que lhe é disponibilizado e que não sente uma diferença abismal no aumento da quantidade de resíduos.

 

O autarca considera que o problema está na recolha do lixo, da competência da CML, e da falta de sensibilização das pessoas para estas questões. “A nível da recolha de lixo, podemos dizer que estamos numa situação caótica. A Câmara de Lisboa não está a recolher como devia. No Bairro do Restelo, basta não virem uma semana e criam-se logo pequenas lixeiras. Há muita culpa por parte das pessoas não civilizadas também”, observa.

 

Luís Newton (PSD), presidente da Junta de Freguesia da Estrela, também acha que o aumento do lixo está relacionado com deficiências dos serviços municipais. “As dificuldades de recolha traduzem-se num receio por parte da comunidade em não ver o seu lixo recolhido nos locais e horas tradicionais, o que a levou a largar lixo noutros sítios, na expectativa de serem recolhidos aí. Isso também terá contribuído para o caos na gestão da recolha e na multiplicação dos locais de depósitos”, diz, em depoimento escrito a O Corvo.

 

Luís Newton partilha, também, da opinião que o aumento do turismo não tem ajudado. “Os alojamentos locais são menos organizados na gestão de lixo que as tradicionais unidades hoteleiras e isso leva, invariavelmente, a uma acumulação de lixo e ao ciclo vicioso de ‘incapacidade de recolha-reação de desorientação da comunidade para novos pontos de depósito-incapacidade da CML em adaptar um serviço de recolha já sofrível’ às novas realidades de depósito do lixo”, refere.

 

 

Já a sua colega Carla Madeira (PS) diz-se satisfeita com o desempenho da câmara no que diz respeito à remoção de resíduos. “Não temos problemas com a recolha de lixo efetuada pela Câmara de Lisboa. Inclusivamente, vimos aumentado o número de recolhas em algumas zonas da freguesia, no decorrer do mandato anterior. O principal problema encontra-se nos prevaricadores que impedem a boa manutenção da limpeza do espaço público”, considera a presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia. Para mudar tal cenário, a junta tem, por isso, vindo a desenvolver campanhas de sensibilização junto da população, para que adopte comportamentos responsáveis.

 

“Estamos a colocar, em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa, contentores fixos em várias zonas da freguesia, medida que consideramos de grande importância. As zonas da Bica e do Bairro Alto já possuem este tipo de deposição de resíduos, medida que esperamos vir a implementar, brevemente, na zona de Santa Catarina. Seguir-se-ão, posteriormente, outras zonas do nosso território”, informa. “Pensamos que a Câmara de Lisboa está no bom caminho e esperamos que os frutos, das medidas e campanhas de sensibilização que estão a fazer, possam vir a ser colhidos a curto ou médio prazo”, confessa.

 

A pensar na qualidade de vida dos moradores, Vasco Morgado (PSD) também já está a avaliar a pertinência da aplicação de novas medidas. “Estou a tentar criar um regulamento para os hotéis poderem ser os cuidadores do espaço público circundante. Os espaços de hotelaria teriam essa responsabilidade e, depois, a autarquia dava-lhes um donativo, por exemplo”, esclarece. “Em vez de ser a junta a ir tapar um buraco, porque passou um autocarro turístico em frente ao hotel, que antes não passava, eles passam a assumir essa responsabilidade”, exemplifica.

 

O Município de Lisboa, a pensar nestas questões, tem já em estudo medidas que visem melhorar as operações na área da higiene urbana, nomeadamente a recolha de resíduos, a lavagem e a varredura de arruamentos. A reforma administrativa da cidade, que implicou, em Março de 2014, a transferência de competências de limpeza das ruas, até então da CML, para as juntas de freguesias, acabou por se reflectir em alguns transtornos no período de adaptação das juntas às novas responsabilidades.

 

Uma questão que, no entanto, se tem vindo a resolver, segundo o vereador dos Serviços Urbanos, Duarte Cordeiro. “Felizmente, a realidade de 2013, quando se preparou a reforma administrativa de Lisboa, é bem diferente da realidade actual. Para isso está já definido que parte das verbas do fundo turístico será para afectar à higiene urbana da cidade (município e freguesias)”, informa em depoimento escrito a O Corvo.

 

 

No ano de 2016, foram recolhidas cerca de 400 mil toneladas de resíduos em Lisboa, tendo havido um crescimento de recolha de resíduos indiferenciados de 1,4% e um aumento de 0,9% na recolha de resíduos selectivos, em relação a 2015. Para o vice-presidente da CML, existem várias explicações para o aumento da quantidade de produção de resíduos. “Para o município, bem como para a entidade reguladora do sector e para a Agência Portuguesa do Ambiente, este aumento, que não é exclusivo de Lisboa, prende-se essencialmente com a recuperação económica do país. Obviamente que em Lisboa o aumento do turismo tem potenciado o crescimento da actividade económica. Importa referir que, apesar de Lisboa ter cerca de meio milhão de habitantes, existe um fluxo diário para Lisboa que duplica os utilizadores da cidade todos os dias, o que tem impacto significativo na cidade”, explica.

 

Para combater este e outros problemas, a autarquia criou, recentemente, um Conselho Consultivo para Redução de Resíduos, com o objectivo de ajudar a atingir as metas ambientais definidas no Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa. No mandato anterior (2013-2017), a CML investiu cerca de 6 milhões de euros na nova contentorização da cidade e 12 milhões de euros na renovação da frota de viaturas afectas à higiene urbana.

 

“Temos estado a fazer a avaliação dos recursos existentes, meios humanos e outros, que têm de ser permanentemente reavaliados em função das dinâmicas evolutivas. As freguesias, ao que sabemos, também têm estado a fazer essa avaliação e, não poucas vezes, a aumentarem os meios e recursos para fazerem face aos novos desafios”, sublinha Duarte Cordeiro. “Recorde-se que as freguesias passaram a ter competências próprias, que lhes permite gerar mais receitas, nomeadamente com o licenciamento, fruto do crescimento da atividade económica da cidade”, conclui.

 

Pin It

Textos Relacionados

6 Responses to Freguesias de Lisboa em dificuldades para lidar com tanto lixo feito por visitantes

  1. Rosa diz:

    O título devia ser ” O planeta em dificuldades para lidar com tanto lixo feito em Lisboa”. O que eu gostava de saber era o que é que acontece ao lixo depois de ser recolhido, que medidas têm sido tomadas para reciclar, reaproveitar…. esse lixo todo.

    • Catarina de Macedo diz:

      O problema coloca-se também neste aspecto: quem é que vai pagar todo esse processo de eliminação do lixo? Os turistas que o fizeram? Os hotéis e a restauração? Não. Somos nós, que não recebemos qualquer benefício directo do sector turístico, que vamos pagar as consequências que o sector turístico gera. E depois dizem que o turismo é bom para a cidade e os seus habitantes. Devem achar que 100% dos lisboetas faz a vida a conduzir tuk-tuks e a vender ginjinhas em quiosques. A actividade turística, se não for bem regulamentada e devidamente cobrada, é uma sanguessuga. Suga o tudo o que há de bom nas cidades e só deixa consequências negativas que não assume.

  2. Josedesousa diz:

    So vejo uma coisa . os lisboetas querem o dinheirinho do turismo , mas nao querem o trabalho que vem com isso . todos querem dinheiro mas nao trabalho, tambem vale para as camaras . e mais nada

  3. Catarina de Macedo diz:

    Porque não fazer o sector hoteleiro e a restauração (bares incluídos) pagar uma taxa que vise atenuar os efeitos nefastos do turismo excessivo, tal como a falta de higiene urbana, pelo qual eles são em parte responsáveis? Já que são eles que quem mais lucra com o turismo e que permitem (no caso da hotelaria) que os turistas fiquem na cidade, deviam assumir responsabilidades também. Não se pode ficar só com a parte boa (lucros) e a parte má que se trate com o dinheiro público.

    E porque não utilizar parte do dinheiro obtido da própria taxa turística? Cujo propósito supostamente é o seu uso para este tipo de situações, mas que em vez disso é entregue por completo à associação de hotelaria e turismo que só investe novamente no turismo. É um ciclo vicioso que tem de acabar. Se os lucros do turismo só revertem para gerar mais turismo, então o turismo nunca chega a ser um verdadeiro benefício para a cidade como todos pregam.

    O que as pessoas que tanto falam do turismo como sendo algo inteiramente bom sem nenhuma contrapartida se esquecem, é que os turistas quando estão cá representam uma série de encargos que são cobertos pelo dinheiro público. Higiene urbana, tratamento das águas, segurança pública, manutenção das vias urbanas, etc. é tudo pago com dinheiro público para o qual nem o turista, nem os que lucram com o turismo, contribuem. Veja-se o recente exemplo do que fizeram os adeptos do Basileia na cidade de Lisboa. Espaço urbano vandalizado, polícia de intervenção a actuar…Quem paga isto somos nós. Não foram os adeptos do Basileia, nem os espaços privados que os acolheram na sua curta e destrutiva estadia cá, que pagaram os estragos.

    • Ana GONÇALVES diz:

      Nem todo o turismo parte da hotelaria ou restauração, também há os que se servem do AL e esses também só querem lucros.

  4. Ana GONÇALVES diz:

    Isto é mais um mau exemplo do que o turismo traz. As Câmaras ainda hão-de ficar a braços com a falta de votantes. Depois os turistas que vão votar. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *