Festival de artes inaugura a renovada Praça de Campolide, o “novo centro” da freguesia

por • 14 Julho, 2017 • Actualidade, Segunda Chamada, URBANISMOComentários (3)193

As obras já haviam terminado há algum tempo, mas a festa de “devolução à população” da Praça de Campolide chega agora, com uma programação repleta de actividades artísticas, durante a tarde e a noite de domingo (16 de julho). A praça será o epicentro da quinta edição do festival Trampolim Gerador, com mais de 50 acontecimentos culturais gratuitos, entre os quais um concerto de Samuel Úria. A intervenção de reabilitação daquela área central da freguesia, realizada no âmbito do programa municipal Uma Praça em Cada Bairro, veio transformar de forma profunda o espaço público, aplicando ali a receita utilizada nas outras intervenções: maiores e mais bem ordenadas áreas de circulação pedonal e amigas dos meios de mobilidade suave, mais espaços verdes e menos área para os automóveis, acompanhadas de zonas de lazer e um quiosque com esplanada.

 

“Trata-se de um momento com uma importância enorme para a freguesia, com uma carga simbólica muito grande”, diz a O Corvo André Couto (PS), presidente da junta, antevendo o dia que a autarquia prefere baptizar de “devolução” ou de “entrega” do arruamento à população, evitando assim utilizar a palavra “inauguração”. “Campolide seria, quase de certeza, a única freguesia de Lisboa sem um pólo aglutinador no espaço público, onde as pessoas de todas as idades se pudessem encontrar, conviver e desfrutar do lugar. Terminada a intervenção, passam a ter”, afirma o autarca, reconhecendo o potencial regenerador de uma obra deste género. O quiosque, a inaugurar no dia da festa, promete conferir uma ambiência diferente ao local, à imagem do sucedido noutras zonas da capital, assinala o presidente da junta.

 

 

O piso contínuo, acabando com o desnivelamento entre passeios e faixas de circulação viária, agora delimitadas por pilaretes, permitirá um maior conforto para os peões e as bicicletas. Um cenário que, diz André Couto, até acaba por ser coerente com as outras intervenções que têm vindo a ser realizadas no espaço público da freguesia, com a substituição da calçada em muitos passeios, em detrimento de pisos mais confortáveis e seguros. “Se calhar as pessoas até se devem lembrar que fomos os primeiros a colocar isto na agenda, quando fizemos aqui uma consulta popular sobre o assunto, e que até causou alguma polémica”, diz. E as críticas que alguns fazem aos pilaretes? “A população é completamente a favor, desde que não reduzam o estacionamento. Caso contrário, será contra os pilaretes”, garante, antes de lembrar que “os passeios da freguesia estavam cheios de carros”.

 

O Trampolim Gerador, realizado sob o mote “Campolide no Topo de Lisboa”, decorrerá entre as 16h e a meia-noite, na Praça de Campolide e suas imediações – incluindo o parque de estacionamento substerrâneo. Do programa fazem parte concertos, teatro, workshops para crianças, poesia, visitas guiadas, lançamento de livros e exposições. Do cardápio fazem ainda parte uma mostra de curtas-metragens, a primeira edição do Bike Art, festival de arte e bicicletas nascido em São Paulo, e ainda a estreia de percussão pelo Grupo de Limpeza Urbana Musical, constituído pelos trabalhadores do departamento de higiene urbana da Junta de Freguesia de Campolide.

 

Programação completa: facebook.com/events/106637149911076/permalink/108957636345694/

 

Texto: Samuel Alemão      Fotografia: João Barata (JF Campolide)

 

Pin It

Textos Relacionados

3 Responses to Festival de artes inaugura a renovada Praça de Campolide, o “novo centro” da freguesia

  1. Jorge diz:

    Ena, tantos pauzinhos cinzentos. Que chique! Só se vê pedra e palitos cinzentos..

  2. Rosa diz:

    E as árvores que foram abatidas ilegalmente? Pelo menos duas grevileas de grande porte cuja manutenção estava prevista no projecto, foram abatidas.
    Esta praça é uma vergonha.

  3. Simão diz:

    Tudo muito bonito para uma Junta de Freguesia Facebook que está sintonia com o Presidente Medina que só vê turistas, ciclovias, quiosques e EMEL. O resto é descartável…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *