Corte de freixos na Praça de Londres e na Avenida Guerra Junqueiro gera protestos

por • 11 Abril, 2017 • Actualidade, AMBIENTE, Segunda ChamadaComentários (7)319

O previsto abate de 16 freixos na Praça de Londres e na Avenida Guerra Junqueiro, pela Câmara Municipal de Lisboa (CML), reacendeu a polémica sobre a política de gestão do arvoredo da autarquia e das juntas de freguesia, alvos frequentes de fortes críticas de alguns grupos de activistas, por levarem a cabo acções do género. Desta vez, a operação de corte, anunciada na sexta-feira passada (7 de abril), trás de volta a celeuma ocorrida há dois anos, quando algumas dezenas de árvores daqueles arruamentos foram sujeitas a podas profundas ou abatidas.

 

A intervenção é justificada pela câmara municipal com os “graves sinais de decrepitude e defeitos estruturais” dos exemplares arbóreos. Razão contestada por diversas associações, que lançaram uma petição contra a operação, alegando ser infundada, por “não existir qualquer audição, auscultação, apresentação ou explicação pública, técnica ou fito-sanitária sobre a necessidade de novo abate”.

 

Nos avisos colocados nos troncos dos freixos, a CML diz que os problemas detectados podem “pôr em causa a segurança de pessoas e bens”, justificando-se por isso o seu abate e substituição. Algo que, aliás, servira também de razão para a operação levada a cabo há um par de anos. E em março de 2016, a Guerra Junqueiro voltou a ser sujeita a uma poda substancial, que visava completar a intervenção iniciada no ano anterior.

 

Na altura, tal como em 2015, a justificação dada ao Corvo pelo presidente da Junta de Freguesia do Areeiro, Fernando Braancamp (PSD), para a intervenção desencadeada pela Câmara de Lisboa prendia-se com o suposto mau estado do arvoredo e as consequências do mesmo na segurança pública. Argumentação repetida agora. “O corte é, neste caso, competência da câmara, pois estamos a falar de espaços estruturantes. Mas a junta não é alheia ao problema. Se se põe em causa a segurança de pessoas e de bens, há que tomar medidas”, diz, desta vez, o autarca, falando na existência de “uma doença”.

 

Frisando sempre não ter a junta a mínima responsabilidade pelo abate agora anunciado, Braancamp afirma que é conhecido o facto de a espécie de árvores em questão “ter uma vida útil de 60 a 70 anos, sendo que, nestes exemplares, foi identificada uma doença que estará a corroer o miolo por dentro”. A situação de degradação dos freixos, garante, será do conhecimento da CML há já quase uma década.

 

 

“Pelo que sei, a câmara tem relatórios fito-sanitários, já desde 2008, em que se refere que estes freixos padeciam deste problema. Eles entenderam que não haveria outra solução possível, senão mandar abaixo. O corte não foi feito na devida altura, mas ficou combinado que o mesmo aconteceria, noutra fase, tal como a sua substituição”, explica o presidente da Junta de Freguesia do Areeiro. No ano passado, em declarações a O Corvo, o autarca falava na existência de um documento técnico de 2012 para justificar uma intervenção de desbaste e abate que, em 2015, todavia, fora tutelada pela junta.

 

Uma operação evocada agora em termos negativos pela petição lançada, no último fim-de-semana, por um conjunto de entidades: Movimento Cívico “Vizinhos do Areeiro”, Associação de Comerciantes “Bairro em Movimento”, Fórum Cidadania Lx e Plataforma em Defesa das Árvores. “A poda radical de 2015 deixou a Avenida Guerra Junqueiro completamente irreconhecível, tendo sido realizada numa altura errada do ano e o processo que conduziu a essa poda foi marcado pela falta de informação generalizada, pela ausência de discussão pública e por um comprovado despropósito (vejam-se as árvores agora exuberantes)”, diz o texto que suporta a recolha de assinaturas.

 

Nele, considera-se ainda o previsto novo abate como algo “surpreendente, uma vez que as árvores agora marcadas para a morte se apresentam viçosas e pujantes de verde, como resultado de uma poda selvagem de que foram vítimas há dois anos”. De acordo com os autores da petição, “volta, agora, a não existir qualquer audição, auscultação, apresentação ou explicação pública, técnica ou fito-sanitária sobre a necessidade de novo abate”.

 

 

A Plataforma em Defesa das Árvores, uma das entidades responsáveis pela petição, qualifica a operação de abate prevista como “arboricídio”. “Vão ser abatidas na Av. Guerra Junqueiro 16 freixos com muitas dezenas de anos e perfeitamente saudáveis, o único problema fito-sanitário que apresentam resultou de uma poda inadequada feita pela Junta de Freguesia do Areeiro há dois anos, mas tudo indica que têm capacidade para recuperar. Este abate é inadmissível, as árvores não são mobiliário urbano que se substitui por capricho de alguém”, escreve no seu blogue.

 

Contactado por O Corvo, um dos elementos da Plataforma, Rosa Casimiro, salienta a necessidade de serem conhecidas a reais razões para a CML avançar com esta solução drástica. “É preciso que haja um relatório actual, pois o mais recente que se conhece será de 2014. As árvores tinham problemas em alguns ramos, mas eles foram cortados na intervenção de há dois anos. Na minha opinião, parece evidente que as árvores estão saudáveis e que o se está ali a fazer tem mais que ver com uma operação de estética e não tanto com razões fito-sanitárias”, considera. A activista salienta também que as árvores que estão ser plantadas no lugar dos freixos, da espécie ginkgo biloba,“nem daqui a 20 anos terão copas”.

 

O Corvo contactou, ontem (segunda-feira, 10 de abril) à tarde, o assessor de comunicação do vereador responsável pela Estrutura Verde, José Sá Fernandes, para obter um comentário sobre este assunto. O referido assessor explicou que Sá Fernandes reunirá esta terça-feira (11 de abril) com os responsáveis pela petição, nomeadamente o movimento “Vizinhos do Areeiro”. Mas adiantou, desde logo, que os cortes de árvores previstos se encontram devidamente fundamentados por pareceres técnicos.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Pin It

Textos Relacionados

7 Responses to Corte de freixos na Praça de Londres e na Avenida Guerra Junqueiro gera protestos

  1. Maria Sá Maria Sá diz:

    Inacreditável esta câmara!!

  2. Depois os moradores de Carnide é que são uns vândalos

  3. não votem no PS nas próximas eleições municipais

  4. Jaime Macedo diz:

    A longevidade média do freixo é de 200 anos, existindo exemplares com 500 anos no país. Onde é que o presidente da JF do Areeiro foi buscar os 60 a 70 anos? Essa idade refere-se ao choupo e não freixo. Como é que ignorantes em matéria tão sensível e importante são presidentes de junta?

  5. Outra vez? Mas estão decididos a cortá-los de vez? Ganhem coragem então. Este “processo de desabituação” cansa…

  6. As árvores estão de óptima saúde.
    Há um par de anos, quando foi dado o primeiro abate, fiquei com uma árvore inteira (cortada em toros). A madeira está em excelentes condições, não tem qualquer “doença”.
    Se for preciso algum tipo de prova para evitar o abate dos freixos eu posso mostrar esses toros.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *