“Carris vai ter linhas expresso de autocarro e de eléctrico a ligar ao centro de Lisboa”

por • 7 Novembro, 2017 • Actualidade, MOBILIDADE, SlideshowComentários (8)4805

O presidente da Carris desdobra-se em elogios à Câmara de Lisboa, sua nova dona. “As condições que estamos a viver são únicas. A ligação da Carris ao município é muito sólida”, diz Tiago Farias, depositando na equipa liderada por Fernando Medina todas as grandes decisões sobre o alargamento da oferta da transportadora. Entre elas estará a criação de “linhas expresso” de autocarros em canal dedicado – conhecidos por BRT – e eléctricos para assegurar a ligação ao centro da cidade e aos principais eixos. Revelação feita a O Corvo no dia seguinte à assinatura do acordo entre Medina e Robles para governar a CML. Nele consta o Plano de Mobilidade da Zona Ocidental, que prevê o reforço de autocarros e de eléctricos na área, enquanto o metro não chega a bairros como Ajuda, Alcântara e Belém. Uma missão mais a cumprir. Tal como a de acabar com os atrasos.

 

Texto: Samuel Alemão

 

A Carris está preparada para aplicar este Plano de Mobilidade da Zona Ocidental?

Diria que esse plano é algo que cabe à CML elaborar connosco. A Carris vai implementar aquilo que for estrategicamente definido pela Câmara de Lisboa. Somos um agente de uma estratégia mais complexa, porque não há só autocarros, também há o estacionamento, comunicação com outros modos de transporte, uns que já cá estão, como comboio e metro, ou outros que venham a ser criados.

 

Mas o plano passará, necessariamente, pelos autocarros e também pelos eléctricos…

A Carris terá que estar preparada para responder a este desafio. A empresa está a alargar as suas capacidades. Tem um plano muito ambicioso de contratação de mais motoristas e quadros técnicos, para responder aos desafios. Vai chegar ao fim do ano com a contratação de mais cem motoristas, e pretende renovar isso em 2018. Até 2020, compraremos 250 novos autocarros.

Uma parte para substituir os que estão a chegar ao fim de vida e outra parte para aumentar a oferta, a nossa capacidade. Isso é fundamental. Depois, e como já foi anunciado pelo presidente da CML, vamos aumentar a nossa frota de eléctricos. Não só os tradicionais remodelados, dos quais vamos adquirir mais dez para podermos expandir a nossa actividade até Campolide.

 

Já que fala do 24, para quando está prevista a sua reactivação?

 Não posso responder, porque a equipa do vereador tem uma semana e terá que ser um plano desenhado e aprovado.

 

Mas o 24 terá um pendor mais turístico?

Não, trata-se de transporte público. Obviamente que, quando se monta uma linha que tem catenária, carril e tem todas as subestações e funciona numa ligação do Cais do Sodré a Campolide, passando pelo Príncipe Real e as Amoreiras, podem coexistir produtos. Mas a visão do município, e na qual a Carris se revê, é a de enriquecer a oferta de transporte público.

 

Desse lote de 30 eléctricos, os restantes terão, portanto, uma tipologia diferente…

 Serão eléctricos articulados, do género daqueles que funcionam na linha 15. Como foi já anunciado, há um interesse estratégico de servir melhor a zona oriental, para Santa Apolónia numa primeira fase e depois, numa segunda fase, estender ao Parque das Nações. Cabe à câmara definir e à Carris implementar.

 

Mas as pessoas querem sempre saber quando. Existem data para essa expansão?

 Qualquer obra de expansão da rede de eléctricos implica obras de requalificação do espaço público. Mais, neste caso, a expansão até Santa Apolónia está dependente das obras não só do Terminal de Cruzeiros, como também do Plano de Drenagens de Lisboa. O município é que definirá como é que isso vai acontecer, mas será sempre após a regularização do espaço público naquela zona, após o fim dessas grandes obras. Do nosso lado, o que temos que fazer é acelerar a aquisição do material circulante. O que demora tempo.

 

Aquando da apresentação do plano estratégico da Carris, em maio, falou-se na possibilidade de extensão da linha de eléctricos ou dos veículos BRT (Bus Rapid Transit) para a Alta de Lisboa. Isso está a ser estudado?

Há, de facto, um interesse muito forte do senhor presidente da câmara, bem como dos vereadores do Urbanismo e da Mobilidade, e da Carris também, de começar a desenhar o programa dos transportes públicos para a cidade de Lisboa. E nós temos que ter a capacidade de o fazer. Pergunta-me se essa linha vai ser estudada. Diria que sim, não vejo outra hipótese. A Carris vai ter de dar resposta ao que for definido pela cidade, articulando com material circulante.

 

Como é que se faz essa articulação, no que se refere a essas novas ligações, com o Metropolitano de Lisboa, que está dependente da administração central?

 Há espaço para tudo. Temos uma rede de metro que não vai a todo o lado, há ainda uma rede ferroviária pesada, que tem alguns pontos bem servidos e depois há um conjunto de interfaces. A Carris é, de longe, o agente mais flexível, quer com os autocarros, quer com as linhas de eléctrico. Todos se devem articular, mas cabe ao município de Lisboa que tal aconteça em pleno. Se pensarmos a cinco ou dez anos, é relativamente previsível percebermos onde estarão a ferrovia e o metro. Teremos, portanto, que ser nós a fazer a diferença. Quer devido à velocidade de implementação e aos custos.

 

 

A eventual construção de novas linhas de eléctricos rápidos e de BRT poderá vir a suprir a não expansão do metro para certas zonas de Lisboa?

Acho que deveria fazer essa pergunta ao Governo. Porque, com certeza, eles terão ideias concretas muito boas. Nós temos a responsabilidade de materializar no terreno aquilo que for decidido em conjunto.

 

Mas voltando à questão da oferta de transportes que a Carris poderia vir a suprir…

As zonas que não estão servidas pelo transporte mais pesado são aquelas onde a Carris tem esta capilaridade. Posso dizer que estamos a construir-nos em três níveis. Em primeiro lugar, nas linhas de bairro, que estão a ser implementadas e cujos percurso foram definidos em reuniões com as juntas, em busca de lacunas na oferta. Segunda coisa, vamos conjugar estas linhas de bairro com as linhas normais e com linhas que sejam mais expresso – para ligarem ao centro e aos principais eixos. E essas linhas é que têm de ser trabalhadas com o município, porque, se forem de grande volume, podem ser BRT ou eléctricos.

 

Para a maior parte das pessoas, em Lisboa, os bilhetes continuam a ser uma coisa pouco clara. Existe alguma estratégia para criar um modelo em que quem quer ir de um ponto a outro, usando diferentes transportes, apenas tenha que comprar um bilhete?

Todos queremos que seja simples. Isto tem duas vertentes, uma do ponto de vista tecnológico e outra do ponto de vista do tarifário. A nível tecnológico, o que se usa em Lisboa é, relativamente de topo: é sem contacto, está tudo num cartão, é integrado. E, mais para breve do que tarde, vamos ter também a desmaterialização dos bilhetes, passando-os para os smartphones.

Nisso, estamos dispostos a acompanhar no que for necessário. O outro problema é o tarifário, que é algo em que nós, como operadores, não temos voto na matéria. Cada operador está sob uma autoridade distinta e isso não é simples.

 

 

Sendo o partido que lidera a câmara o mesmo que lidera o Governo, não deve ser muito difícil encontrar um ponto comum nesta matéria. Podemos dizer que existe aqui uma coincidência de interesses, não é?

Poderá ser, mas isso não está nas nossas mãos, a liderança do processo não está do nosso lado. Nós, como operadores, queremos garantir a qualidade de serviço e a simplificação, bem como conforto e a segurança dos seus clientes. Quando garanto 140 milhões de viagens por ano, quero facilitar as viagens, quer que as pessoas tenham mais informação (através de apps) e mais conforto a bordo – vamos em 2018 generalizar a toda a frota o wifi gratuito -, mas também queremos que seja mais simples de perceber o tarifário.

Mas espero que essa simplificação, sobretudo dos passes multimodais aconteça, claro. Queremos que os nossos clientes vejam o processo mais simplificado, que seja mais fácil utilizar os transportes. A cidade de Lisboa tem feito um grande esforço para trazer as pessoas de volta para os transportes públicos. A prova disso foi os tarifários feitos para a terceira idade e para os jovens até aos 13 anos.

 

E que, agora, de acordo com o definido entre o PS e o Bloco, deverá ser alargado até aos 18 anos…

Acho uma óptima medida. Há um sector que é, talvez, dos mais necessitados, o dos jovens que estão no ensino secundário. Ainda por cima, o ensino secundário tem um efeito pedagógico muito grande: uma pessoa habitua-se a andar de autocarro e de metro e, depois, quando chega ao mundo universitário, já vai embalado – ainda por cima naquela altura em que tira a carta. O desconto no passe para quem está na universidade é nacional e a gratuitidade na Carris e no Metro, até aos 13 anos, é um produto que só funciona em Lisboa. No que se refere à Carris, existe aqui um vazio entre os 13 e os 18. Será um potencial número de 60 mil utilizadores.

 

Fala na importância de recuperar passageiros e satisfazê-los enquanto clientes, mas persistem muitas queixas de uma degradação da qualidade do serviço….

A empresa sofreu uma degradação visível, iniciada em 2010 e que só terminou em 2016. Foi uma degradação ao nível dos seus equipamentos, não comprou nada, foram seis a sete anos de envelhecimento. Além disso, reduziu drasticamente o seu quadro de operacionais, deixou de servir tudo o que servia; cortou linhas, horários e frequências, passou a não cumprir em pleno do que cumpria.

 

E, além disto tudo, aumentou os tarifários, eliminando ainda alguns descontos que havia. Isso foi a partir de 2011/2012. A insatisfação é, por isso, justificada. Posso é dizer que todos os meses os nossos indicadores de taxa de cumprimento , número de veículos por hora face ao programado, estão a melhorar.

 

Mas os atrasos não são maiores do que aquilo que seria expectável?

Não podemos esquecer que vivemos um momento muito dinâmico de recuperação urbanística da cidade, com obras. Mas os nosso indicadores de cumprimento, alguns dos quais já referi, estão todos a subir. De uma forma progressiva, porque não fazemos milagres. Todos os meses entram mais motoristas. Todos os meses temos maior capacidade de resposta aquilo que nos foi prometido, além de que lançámos mais um conjunto de linhas.

Mas, como diz o senhor presidente da câmara, e muito bem, não é em tão pouco tempo que se recupera aquilo que foi destruído em sete anos. Até a tendência de perda de passageiros, que se vinha sentindo nos últimos anos, foi invertida agora no verão. Portanto, começou já a haver um acréscimo.

 

 

Quando é que acha que os atrasos deixarão de ser tão grandes?

Vai levar tempo. Mas posso dizer que há uma coisa muito positiva, que é a existência de uma task force, formada por nós e uma equipa dos serviços de urbanismo da CML, para tentar atacar os pontos negros que hoje causam atrasos e dificuldades à nossa fluidez na velocidade comercial.

 

Quais são esses pontos negros?

Há um conjunto já identificado, seja na zona mais nobre, no centro, ou no Largo do Calvário. Mas, com as obras de que lhe falei, é um conjunto muito dinâmico. Muitos até já estão resolvidos. Havia, durante muitos anos, um afastamento quase completo entre quem geria a cidade e quem geria a Carris. Hoje, há uma proximidade que é ímpar. Com esta equipa de trabalho, temos que melhorar a nossa velocidade comercial média.

 

Que é de quanto?

Anda na casa dos 14 quilómetros por hora, nos autocarros.

 

É baixa.

É uma média. Nas outras cidades europeias é 14, 15, depende das cidades. O problema, aqui na nossa cidade, é que temos zonas em que a velocidade comercial está próxima dos 10 quilómetros por hora, já não está nos 14. E aí temos que corrigir essas situações.

 

Em relação aos eléctricos, há também queixas muito frequentes daquelas linhas mais centrais, como o 28, que deixaram de servir como transporte público e passaram quase só a transportar turistas.

 É o problema do sucesso do turismo, que todas as cidades no mundo vivem. Quando o turismo ganha uma dinâmica ímpar, o residente vê que os seus serviços passam a ser partilhados por outras pessoas e torna-se mais difícil. Daí também o interesse que, nos próximos quatro anos, virmos a comprar eléctricos históricos que possam vir a fortalecer a nossa rede.

 

 

O eléctrico poderá funcionar como meio de ligação rápida dentro da cidade, que seja efectivamente uma alternativa aos autocarros e ao metro?

 Isso depende sempre do estudo que fizermos da situação. Tenho que ter uma análise detalhada sobre o espaço canal que vou ocupar e sobre a procura que vou ter. Se quiser transportar apenas um passageiro por hora num determinado eixo, se calhar o táxi é a melhor opção. Mas se quisermos transportar alguns milhares de pessoas, se calhar é o metro. É isso que define a oferta.

 

Quais são as áreas de Lisboa que carecem de uma atenção especial, até por terem sido negligenciadas nos últimos sete anos, como referiu?

 A melhor forma de responder a isso é olhar para o mapa da cidade e perceber onde não existem os outros meios. A Carris é um meio de oferta complementar e não de concorrência com operadores como o Metro ou a CP. A ferrovia, por exemplo, ainda não é muito utilizada, quando o passe Navegante até dá para ira da Expo a Santa Apolónia de comboio ou até Belém. Muitas pessoas não sabem disso ou, se sabem, esqueceram-se.

 

Se calhar, falta uma campanha de comunicação mais agressiva.

 Nas indústrias como as de telemóveis ou dos automóveis, o orçamento para a comunicação e campanha é sempre uma coisa muito grande. Nos transportes, tradicionalmente, é sempre uma coisa muito reduzida. Investem-se 200 ou 300 milhões para fazer o fecho da Linha Circular, mas se calhar faltavam também alguns milhões para comunicar.

 

Tem-se falado muito dos novos autocarros. Parte deles serão articulados?

Sim.

Quantos?

Está a decorrer o concurso e em breve teremos 40 autocarros articulados. São veículos com maior capacidade e muito fortes, melhores para fazer as grandes ligações. Vamos comprar também 125 autocarros standard, que têm 12 metros de comprimento. E entre os 9 e os 10 metros, vamos comprar cerca de 70 veículos, que são aqueles autocarros que fazem muito bem a zona de Sapadores ou para as carreiras de bairro. E vamos comprar também 15 autocarros eléctricos.

 

A frota de autocarros é ainda muito poluente, não é?

A frota tem uma idade média de 12 anos. Queremos caminhar para chegar a 2040 c0m uma frota 100% verde. E vamos fazê-lo de uma forma progressiva, em que vamos introduzir os veículos eléctricos já a partir do próximo ano. Na fase de transição, vamos utilizar o gás natural, porque tem uma boa performance.

Actualmente, dos 600 autocarros que temos, 40 são a gás. Vamos passar para cerca de 200, no final de 2018, princípio de 2019. Será, portanto, um terço da frota a gás, dentro de ano e meio. Acho que nos próximos cinco anos, a indústria dos autocarros vai dar um grande salto.

 

A Carris nunca pensou em ressuscitar os double deckers (autocarros de dois pisos)?

Boa questão. Aquilo que os serviços me dizem, e eu não sabia, é que esse veículos são muito mais caros do que os autocarros articulados. Além disso, em muitos sítios, o autocarro articulado é muito mais prático, se tivermos em conta subidas e descidas, que abundam na nossa cidade.

 

No entanto, eles existiram em Lisboa durante décadas… 

É verdade, existiram durante décadas. O Porto comprou alguns. Mas não está nos nossos planos. Eu quero é que os meus clientes tenham uma boa qualidade de serviço, seja no primeiro andar ou no rés-do-chão. Isso não é o mais relevante. É mais importante que tenham conforto, que os autocarros andem a tempo e que as apps funcionem.

 

Fala com entusiasmo nas apps, mas há muita gente a queixar-se do mau funcionamento de outras soluções tecnológicas implementadas. É o caso dos painéis informativos, alguns dos quais estão apagados…

 Temos 350 painéis. Diria que cerca de 70 por cento estará a funcionar em pleno. Com as diversas obras na cidade, tiveram que se retirar alguns e, agora, antes de voltarem a funcionar, tem de passar novamente por um processo de certificação energética. Demora um pouco, mas voltarão todos ao activo.

 

 

Salienta com especial ênfase a ligação da empresa à CML…

As condições que estamos a viver são únicas, do ponto de vista de uma liderança muito forte do presidente da Câmara de Lisboa. Uma pessoa que, desde o início, teve a coragem, a determinação e a visão de dizer que, se queremos ter uma cidade competitiva, que consiga oferecer aos habitantes e a quem nos visita transportes públicos de qualidade, não podemos deixar as empresas de transportes públicos no caminho que tiveram nos últimos seis, sete anos. A Carris perdeu, em sete anos, mais de 600 pessoas, perdeu dez milhões de quilómetros. Perdeu 40 milhões de passageiros e teve um aumento brutal do tarifário. Esse é um aspecto.

O outro é que a Câmara de Lisboa passa agora a ter um vereador exclusivamente dedicado à Mobilidade, o Miguel Gaspar, uma pessoa que conhece muito o meio, que veio de uma consultora de topo da área, passou pela Secretaria de Estado do Ambiente, que tutelava os transportes públicos. Neste momento, a ligação da Carris ao município é muito sólida.

 

O financiamento da Carris através da EMEL, como é que…

Isso não existe. A Carris não recebeu um euro.

 

Não? Explique-nos então como é que isto funciona. É que o presidente da câmara até já se referiu a isto, por diversas vezes, em assembleias municipais.

 A Carris está a ultimar, a dar os últimos passos, para assinar um contrato de concessão com a Câmara em que são feitos os cálculos dos custos do serviço público prestado. E essa parte é que a CML transfere para a Carris.

 

A Carris não se poderá tornar um fardo muito pesado para a Câmara de Lisboa?

 A Carris tem números que são quase imbatíveis. Não há nenhuma empresa de transportes públicos em autocarro, em nenhuma cidade ocidental que eu conheça, que precise tão pouco de dinheiro da sua autoridade como a Carris. Temos uma percentagem de apoio da cidade a rondar os 20 por cento, os outros 80 por cento são receitas próprias. Para qualquer outro operador europeu, 50 por cento já é uma coisa muito boa. A sua missão é transportar pessoas. Vai-se transformar num fardo? Não. A cidade tem um projecto, tem uma visão do que quer oferecer aos seus residentes e aos seus visitantes.

 

Pin It

Textos Relacionados

8 Responses to “Carris vai ter linhas expresso de autocarro e de eléctrico a ligar ao centro de Lisboa”

  1. Álvaro Pereira diz:

    Eu ainda gostaria que a Carris voltasse a ter autocarros de 2 pisos.

  2. João Antônio oliveira Martins Teixeira diz:

    Boa tarde eu como lisboeta a 54. Anos , sou do tempo que era a verdadeira carros, e dos velhinhos autocarros, de segundo andar, sempre foi o meu meio de transporte para todo lado, mas aos lindos dos anos publicaram a Impresa de forma a que já estava na falência, para servir entreces pratidarios , agora com esta nova administração espero e dejeijo que volte a que lá carros que sempre serviu todos os lisboetas, assim espero, obrigado

  3. Paulo Só diz:

    Não vejo referência à questão do ar condicionado. Os autocarros atuais não são feitos para o nosso clima. Nós não precisamos de ar condicionado, que mal funciona, desde que as janelas se abram. Hoje morre-se de calor. Além de que o ar condicionado não é são e polui. Os eléctricos antigos, não têm essa “sofisticação” e são muito mais confortáveis desse ponto de vista. A questão do perigo das janelas abertas pode ser resolvida de outras formas.

    • Miguel Keßler diz:

      A questão do perigo das janelas abertas pode de facto resolver-se por outras vias, sendo certo que, em grande medida, é um pretexto. Por potro lado, é lastimável a inépcia portuguesa para mexer com ar condicionado sempre com um pendor agressivo para a saúde do “mujique” passageiro… Enfim, é rezar para que as coisas vão deixando de ser tratadas com os pés…

  4. Jacques BRIAND diz:

    Ola a todo(a)s !
    Eu, como estrangeiro francês (mas com coração que se sente como se estivesse”em casa ” sempre que vou para Lisboa ,….claro é que não me atrevia a fazer maus comentarios pois : para mim é tudo “bom” em Lisboa….
    No que se refere aos transportes e alojamento em Lisboa (lembrem-se que falo como um turista que -infelizmente- sou ) ,penso que o ampliamento da rede dos transportes e uma informação adequada (geografia dos barrios ,horarios,ligações entre linhas e tipos de transportes…) ajudava mesmo os turistas em alojarem-se fora dos bairros historicos . Aquilo também ajudava para fazer que as rendas se tornassem mais acessiveis para os Lisboetas que nestes bairros vivem/trabalham o ano todo.
    Neste ano, foi a primeira vez que experimentei a “Lisboa card”: achei que é mesmo uma solução optima para um turista . Para quém tem intersse com (para ?) a Cultura da zona de Lisboa é “A” solução mais barata para a dupla transportes/muséus e monumentos . Assim, na sequencia da mina proxima visita a lisboa, tentarei alugar um alojamento fora do centro,perto da paragem duma boca de Metro, ou duma paragem de autocarro etc…
    Por exemplo ,quis visitar o palacio de Fronteira(Benfica) :facilimo com o metro até ao jardim zoologico com ligação com o autocarro (Sete Rios) a ter paragem diante mesmo do portão do palacio ! (mais uma boa vista sobre o aqueduto das aguas livres oa regressar para Sete Rios !!!)
    Por outra parte também pensei em alugar alojamento na outra margem (Cacilhas-Almada) , por ter ligação facilitada com os cacilheiros , mas informações adequadas/ pormenorizadas fazem falta na internet no que se refere a possibilidades de transporte (/horarios/carreiras/geografia na zona mesmo imediata de Cacilhas-Almada e mais) .Hoje em dia, muitos são os turistas a tentarem planear a sua viagem de maneira antecipada …e para este fim,acho que seria mesmo bom que mais informações fossem divulgadas com acesso pela internet.
    Antes de dar cabo com esta minha mensagem,também gostava de expressar um desejo : que conventos ou instituções deste tipo acolhessem turistas . Nos, pagamos 750 euros para 10 dias (Bairro Alto/Mercês) neste ano . Se tivessemos a oportunidade de alojar-mo-nos com simplicidade ( casa de banho,lugarzinho para cozinhar,mais cama “limpinha” num destes sitios , isso trazia mais uns euros de ajuda para “Obras ” socias ou de caridade ,assim como para obras de conservação etc…libertava alojamentos para duplas ou familias….Claro, assim é que gosto de Lisboa : viajar ,alojar,conversar ,partilhar visitas etc…com os Lisboetas, ja que sem ter contacto com ELES/ELAS, basta ligar com a internet ou a RTPI e poupar o dinheiro da viagem !
    Ora, não vou chatear mais e desejo-lhes uma boa tarde , um bom fim de semana ,bom fim de ano e uma Lisboa sempre tão bonita e que sempre me faz pena abandonar no aeroporto. Força Lisboa, Força Portugal!

  5. Miguel Keßler diz:

    Importa respeitar um ou outro princípio básico, sendo inquietante não se lhe ver referência no discurso oficial. Assim:
    1º Metropolitano e eléctrico não são meios alternativos, são ambos estruturantes e complementares, cabendo a este ser implantado na rede viária existente à superfície; o metropolitano, subterrâneo, deve precisamente evitar reproduzir essa rede, antes ligando em linha recta pontos que não podem fazê-lo à superfície, por força dos obstáculos físicos.
    2º Autocarros não são meios essencialmente estruturantes mas flexíveis, apropriados para uma malha viária mais “apertada” e de rede potencialmente mais permeável a alterações circunstanciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *