Assembleia Municipal de Lisboa sugere a construção de ligação de comboio a Loures

por • 22 Julho, 2016 • Actualidade, SlideshowComentários (19)2061

 

Aproveitando uma ideia já lançada pela Câmara Municipal de Loures, a Assembleia Municipal de Lisboa (AML) prepara-se para recomendar ao Governo que realize um estudo para a construção de uma nova linha de comboio entre a capital e a região Oeste, através do concelho de Loures. Um investimento que poderia ser feito, “mantendo em funcionamento a actual ligação à linha de Sintra através de Meleças”, diz a proposta de deliberação sobre a Linha Ferroviária do Oeste, redigida pela comissão de mobilidade e segurança da AML e que será debatida e votada na próxima sessão da assembleia, na terça-feira (26 de julho).

 

O documento, que parte de uma discussão realizada pelos membros desta comissão especializada em transportes da AML – na sequência de uma reunião convocada e realizada, a 26 de Fevereiro, pela Assembleia Muncipal de Loures, na qual participaram membros os órgãos congéneres dos “municípios atravessados pela linha ferroviária do Oeste, ou de outros que têm influência próxima dos movimentos de transportes desta infra-estrutura ferroviária” -, defende a construção de uma extensão da Linha do Oeste através do território do concelho de Loures, “em ramal autónomo, que pudesse ser dirigido para Lisboa”.

 

Algo que se deverá juntar “à requalificação da linha ferroviária do Oeste, na totalidade do seu troço”. Outra das recomendações desta deliberação é a de que se peça ao Governo e à Área Metropolitana de Lisboa que promovam a realização de “estudos e projectos que ponderem as necessidades de interligação/articulação adequada entre a Linha Ferroviária do Oeste e as restantes redes de transportes ao nível metropolitano”. Algo que, defende o texto, se justificaria “numa perspectiva de sustentabilidade económica e ambiental, tendo em vista a necessária coesão territorial dos concelhos directa ou indirectamente abrangidos”.

 

A deliberação, que vai ser discutida e votada no plenário da assembleia municipal três meses após ter sido redigida, faz um diagnóstico dos muitos problemas existentes na Linha do Oeste. Entre os quais destaca os “sistemas de exploração tecnologicamente ultrapassados e que assentam essencialmente no factor humano”, o material circulante que se “encontra ultrapassado ao nível de conforto e prestações dinâmicas face ao utilizado na generalidade dos restantes países europeus” ou os “tempos de trajecto demorados que penalizam a opção pelo comboio em detrimento do transporte pesado de passageiros”.

 

Por isso, os deputados municipais da comissão de mobilidade consideram que a modernização desta linha “é positiva para Lisboa e alinha-se com outros projectos que estão em curso, como a requalificação da Segunda Circular e a expansão da rede de metropolitano para a freguesia da Reboleira, no concelho da Amadora”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Pin It

Textos Relacionados

19 Responses to Assembleia Municipal de Lisboa sugere a construção de ligação de comboio a Loures

  1. Tuga News Tuga News diz:

    [O Corvo] Assembleia Municipal de Lisboa sugere a construção de ligação de comboio a Loures https://t.co/4P12Ja1r4t #lisboa

  2. Dirk Scott Dirk Scott diz:

    Completing the Metro Mondego seems more urgent.

  3. Álvaro Pereira diz:

    Isso já existiu nos tempos do Larmanjat no século XIX. E no século XX houve também projectos para fazer essa linha. Será que é desta, no século XXI?

  4. Um excelente passo para se reformular a linha do Oeste! Lisboa precisa muito mais disso do que as obras a fingir que estão a infestar a cidade!

    • sim, completamente desnecessárias que não resolvem nada do que Lisboa precisa.

      • Vasco diz:

        Sim, o que Lisboa precisa é de uma linha de comboio para Loures para os patos bravos construírem novos prédios nos arredores e esvaziar ainda mais Lisboa.

      • José diz:

        Concordo totalmente. Estas obras só servem para gerar gastos desnecessários. Daqui a uns tempos vão dizer que não há dinheiro para pagar a jardineiros e depois iremos viver num matagal. Ou então vão deixar de fazer o necessário para pagar a jardineiros certamente privados (sim, diz que ficam baratos )

  5. Assembleia Municipal de Lisboa sugere a construção de ligação de comboio a Loures https://t.co/HVNOAKO3SL

  6. Só podem estar a gozar, mais um estudo infindável para uma proposta com décadas. Já agora estudem de novo o metro até Loures, que não avançou devido à incompetência das autarquias.

    • Vasco diz:

      E que tal metro em Freixo de Espada à Cinta?

      • José Brandão diz:

        Lamento o seu grau de ironia. Não sei a sua idade, mas decerto talvez ainda não tenha descoberto que a ferrovia é o sangue de um país. E se lhe der exemplos Mirandela já teve comboio, Bragança já teve comboio, Barca D Álva já teve comboio, Viseu já teve comboio, Miranda do Corvo já teve comboio. Chaves / Vidago, já tiveram comboio, Monção já teve comboio. Várias localidades do Alentejo, já tiveram comboio, a servirem junto á raia de Espanha. Gostava que fosse morar para um sitio desses, não tivesse carro e lhe amputassem o comboio, o tal sangue do país.
        Ou será com todas essas linhas a funcionar e a servir as populações de fracos recursos, não seria mais útil, para manter no interior, aquilo que é do interior. Já agora construir uma linha Bragança, Faro e a tocar em todas as localidades do interior até Faro. Comboio de alta velocidade. Decerto daria a oportunidade de outras pessoas, aquelas que produzem para si, para mim, de poderem conhecer Albufeira; a Manta Rota, Quarteira Tavira, Portimão, Lagos etc etc….Deixe o popó em casa e vá de transporte publico.

  7. Estudos são bons porque dão de comer a muita gente e empurram as decisões para quem vier a seguir…..

  8. E para quando o metro em Lisboa ocidental?

  9. Vasco diz:

    Isso, façam mais suburbios desorganizados e dispersos pelas encostas. Ja têm uma linha de metro e agora querem comboio!!! É tudo muito barato. Qualquer dia querem um oceanário na aldeia da tia Joaquina.

    • diz:

      típico lisboeta que só olha para o seu umbigo.
      Os subúrbios que se lixem não é?

    • José Brandão diz:

      Desculpe, onde é essa linha de metro pela encosta ?, onde construíram esses subúrbios desorganizados….
      Almada tem ferrovia; Amadora tem ferrovia (metro/Comboio), Cascais tem ferrovia, Odivelas tem metro e Loures, tem a Calçada de Carriche e o túnel do grilo…
      As encostas que fala, são bairros periféricos, servidos por pestilentos autocarros, muitos deles sem ar condicionado. E muitas pessoas andam centenas de metros para chegar a uma paragem dessas. Na margem sul, barcos com mais de 20 anos apinhados de gente. Já agora, anda de transportes públicos ?

  10. Assembleia Municipal de Lisboa sugere a construção de ligação de comboio a Loures | O Corvo | sítio de Lisboa https://t.co/qwNZfolnD5

  11. José Brandão diz:

    Para alguns comentários que se fazem por aqui e que em determinados aspetos se podem concordar, como elevados custos em estudos e projetos, mas o que é a realidade, que para cidades saturadas de transito, a ferrovia deixava muita margem, para que as viagens pendulares fossem mais rápidas. Torres Vedras, já é uma cidade da periferia e tem muita gente a utilizar a linha do oeste. Contudo devido ao péssimo material circulante, automotoras Alan e mais recentemente material alugado à Renfe e que para os espanhois, já é refugo, que tal apostar em duplicar até Torres e eletrificar até ás Caldas da Rainha e a sul na Malveira, que também já tem um bom polo populacional, fazer um enxerto com direção a Lousa-Loures-Sacavém-Oriente-Santa Apolónia. Convenhamos dizer que o desnível, pouco ou nada se nota. Pois o vale ocupado pelo rio trancão, não necessitaria fazer qualquer túnel, para vencer a serra que separa Loures de Sacavém e aí entrava na linha do norte, muito menos saturada, que a linha de Sintra. Com material circulante moderno e rápido, decerto a linha do Oeste passava a ter outro impacto. Quanto ao troço Malveira-Meleças, também seria eletrificado. A juntar a tudo isto, expansão do metro de Odivelas-Santo António dos Cavaleiros-Frielas-Loures. A experiencia diz que, partindo da gare do Oriente, quando o percurso Lisboa – Caldas, se iniciava ali, até Torres Vedras, era perto de 1h e 25 minutos (pouco mais de 50 Kms / h). Resta forma e dependendo da velocidade 90/100 Kms, estou a falar de menos 50 minutos. Isto sim era qualidade de vida para as populações, que sofrem todos os dias para passar na já saturada linha de Sintra, de Entrecampos até ao Cacém. Bastava inicialmente 3 comboios/hora. Está o exemplo do troço Setúbal – Areeiro, mesmo sendo uma empresa privada, tem composições sempre cheias, mesmo fora da hora de ponta. E é, porque há interesses em não prolongar á gare do oriente (linha do Norte), que exigia quadruplicação da linha de cintura Areeiro-Braço de prata- 3 Kms. Seria mobilidade das populações.
    Deixava outros exemplos (Sintra-Setúbal direto) (Setubal –
    Vilafranca de Xira). Quiça o Pendular sair de Cascais (aí a engenharia, teria de ter outras soluções), pois pela linha de Cascais (JAMAIS), como dizia um ministro da obras inacabadas. A população quer é comboios rápidos. Basta ver a rede de Madrid de transporte pesado, que dentro da cidade é potencial concorrente com o metro, mesmo utilizando tuneis paralelos e transporta pessoas em toda a periferia pelos Cercanias de Madrid.
    A cidade de Lisboa, está saturada de carros, pois não há transportes rápidos. Agora resolveram diminuir o número de faixas de rodagem, nalgumas vias principais. As árvores fazem falta, mas a poluição é menor sem trânsito. Vamos ver se com os benefícios prometidos no IRS, para quem utiliza transporte, se ajuda na política de deixar o pópó em casa.