À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

por • 16 Outubro, 2017 • Alfama, BAIRROS, Reportagem, Santa Maria Maior, Slideshow, VIDA NA CIDADEComentários (11)488

O novo terminal de cruzeiros de Lisboa, em Santa Apolónia, cuja abertura está prevista para o próximo mês, está a dividir opiniões. A infra-estrutura, projectada pelo arquitecto Carrilho da Graça, tem dado que falar pelo seu arrojo formal e pela relação que estabelece com a envolvente, mas também pelo aumento do turismo de massas que poderá provocar. A diferentes percepções sobre a obra são também sentidas na área envolvente. Apesar de reconhecerem a importância da obra, os comerciantes de Alfama e Santa Apolónia consideram que, neste momento, há outras prioridades. Requalificar a zona envolvente da estação de caminho-de-ferro, controlar o alojamento local no bairro e não deixar que o comércio dependa só do turismo são algumas das suas reinvindicações.

 

Texto: Sofia Cristino

 

Depois de ter recebido os primeiros passageiros a 19 de setembro, o novo terminal de cruzeiros de Lisboa, em Santa Apolónia, voltou a fechar, logo de seguida, para a conclusão das obras, que afinal ainda estarão em curso. Apesar de oficialmente não haver data prevista para a inauguração do edifício projetado pelo arquitecto Carrilho da Graça, um operário de construção civil, que está precisamente a trabalhar na fase de acabamentos desta infra-estrutura, garante a O Corvo que o terminal abre no próximo dia 10 de novembro. “O terminal já devia ter sido feito há muito tempo. Espero é que venha muito dinheiro com esta obra”, comenta, enquanto bebe um café num estabelecimento comercial das redondezas. Contactada por O Corvo, a Lisbon Cruise Terminals, entidade responsável pela gestão da infra-estrutura, escusa-se a adiantar uma data concreta para a sua reabertura.

 

A nova gare terá uma capacidade de 1,8 milhões de passageiros, o que poderá trazer muitas vantagens para os comerciantes das redondezas, reconhecerem alguns deles a O Corvo. Mas, entre eles, também existe quem discorde da perspectiva de grandes benefícios económicos e tema que se esteja a abrir a porta a uma “espécie de turismo selvagem”. Um deles é Vasco Duarte, o proprietário da sapataria Ondina, a funcionar há 130 anos na Rua dos Remédios, epicentro de Alfama, o qual lamenta as transformações que o bairro histórico tem vindo a sofrer nos últimos anos.

 

 

“O bairro está desprovido de portugueses, 80% do bairro é turistas, e isso é mau porque descaracteriza a cidade, marginaliza o português”, lamenta, antes de admitir as vantagens com tal cenário. “Os meus clientes são maioritariamente estrangeiros, para não dizer quase todos. Por isso, a construção do novo terminal acaba também por ser positiva, neste momento estamos a viver do turismo”, considera. “Há aqui um problema muito grande, também, que é a falta de polícias, numa zona onde acaba por haver alguns roubos, há muitos carteiristas. Turismo sim, mas turismo com segurança”, defende.

 

Carlos Elvas, barbeiro no Salão Alfama, na mesma rua, partilha a opinião do vendedor de sapatos. “O novo terminal vai trazer mais turistas e, consequentemente, mais dinheiro. O turismo é a minha salvação nos dias de crise, dá para a água e para a luz, como eu costumo dizer”, diz entre sorrisos. Por outro lado, salienta que é o alojamento local o que mais ganha com este tipo de infra-estruturas. “O alojamento local, que já devia ter parado, vai beneficiar muito com isso”, adianta. Um cliente do Salão Alfama, empresário de animação turística, também comenta: “Veja lá, se quatro barcos trouxerem oito mil pessoas, o dinheiro que vai entrar aqui”.

 

Um pouco mais a baixo, na Estação de Santa Apolónia, situada ao lado do novo terminal, há quem reaja com indignação à construção da obra. “Faz-se o terminal num lado e esta zona fica toda degradada? Não faz sentido nenhum. O ambiente, aqui, deixa muito a desejar”, comenta Joaquim Santos, comerciante numa loja de guloseimas e chocolates dentro da estação. “Acho que o terminal vai juntar muitas pessoas. Há muitos turistas e estamos quase com uma espécie de turismo selvagem. Há turistas que não trazem nada e turismo selvagem não é turismo de qualidade. Há muita gente, está tudo a perder a identidade. Já nada é típico”, considera. Já Bruno Verício, empregado de um quiosque ao lado, discorda: “Se o terminal trouxer três mil pessoas, e vierem cá 150 pessoas, já é muito bom. Também acho que a obra embeleza a cidade”, afirma.

 

 

Ao sair da estação, no Largo dos Caminhos de Ferro, o proprietário do Café Lisboa Tejo, Manuel Pires, estranha a pré-inauguração do terminal. “Acha normal abrir e fechar no mesmo dia? Isso foi por causa das eleições autárquicas!”, diz. E reforça: “No dia da inauguração, só mostraram o outro lado, não o que está por trás. Não faz sentido”. Mas os reparos encontram razões mais antigas. “Esta zona piorou muito nos últimos anos, já foi uma das melhores da cidade, um dos ex-líbris de Lisboa. A estação recebeu políticos importantes, como Mário Soares. Agora, está completamente degradada”, lamenta. Joaquim Santos, o dono da loja de doces, é da mesma opinião. “O passado é passado e devemos seguir em frente, mas tem de se respeitar o passado. E isso não está a acontecer”, repara.

 

Basta olhar em redor da estação para encontrar motivos de queixa. A começar pela limpeza ou falta dela. “Os turistas ficam chocados quando vêm aqui e até já comentaram comigo. O cheiro nauseabundo que se sente, a falta de higiene que existe, os sem-abrigo que atiram as caixas de comida para o chão, enfim”, enumera o dono do café Lisboa Tejo.

 

Mesmo ao lado, no restaurante Sol Brasil, Freden Miranda concorda. “Esta zona é uma porcaria, só há drogados aqui. Não há uma esquadra da polícia e os gerentes da estação não fazem nada. Todos os dias há confusão e brigas, que envolvem facas e garrafas. Há muito lixo e, quando chamamos a polícia, só aparece dentro de uma hora”, observa. E até há uma coisa em que Freden e Manuel Pires, do Café Lisboa Tejo, concordam. “Apesar de tudo, quantos mais turistas, melhor para o nosso negócio”. O segundo até vê razões para algum optimismo. “Acredito que o novo terminal valorizará muito a zona. Já começa a haver uma saturação e tem de haver um equilíbrio”, diz.

 

 

O presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), também está optimista. Acredita que o novo terminal terá um “impacto positivo na economia local”. O edil, todavia, ressalva que poderão haver “impactos complicados na ‘pressão’ adicional de pessoas sobre o espaço público”.

 

Referindo-se aos habitantes da junta de freguesia que preside, Miguel Coelho considera que acabam por ser eles quem menos beneficia com o aumento do turismo, mais precisamente, com o alojamento local. Em depoimento escrito a O Corvo, atacou a polémica lei das rendas produzida pela actual líder do CDS-PP, Assunção Cristas, enquanto ministra do executivo anterior. “A componente do turismo que nos cria problemas é a que se prende com o alojamento local, uma vez que ainda permanecem as consequências do pacote legislativo conhecido como ‘Lei Cristas’ sobre as pessoas da freguesia”, afirma.

 

 

“Essas consequências incidiram directamente na ausência quase total de habitações para o mercado de arrendamento permanente, assim como têm favorecido uma ‘espécie’ de expulsão dos habitantes tradicionais – por via de não renovação de contratos a termo ou por via da realização de ‘obras profundas’ –, não havendo sequer na legislação nenhum tipo de proteção para as pessoas com idade superior a 65 anos”, defende.

 

O novo terminal representa um investimento de 22,7 milhões de euros. O sistema de acesso aos navios será feito através de duas mangas ligadas a uma passerelle com uma extensão de 600 metros, conectada ao terminal por três passadiços. Com o terminal de cruzeiros, Lisboa ganha ainda um novo miradouro, um terraço com vista de 360º aberto a toda a gente. A empreitada é da responsabilidade do LCT – Lisbon Cruise Terminals, que, desde 2014, tem a concessão do terminal de cruzeiros do Porto de Lisboa.

 

 

Pin It

Textos Relacionados

11 Responses to À espera da (re)inauguração, novo terminal de cruzeiros divide comerciantes de Alfama

  1. Então sobre o terminal de cruzeiros o Sr. Presidente da Junta só conseguiu voltar a queixar-se da lei das rendas e do alojamento local? Sobre a falta de limpeza que é da sua competência e sobre a falta de segurança não conseguiu dizer nada?

    • Jorge M Ferreira diz:

      Ó Rui Ribeiro, se calhar disse mas como já terá percebido, seja qual for o tema dos artigos, não se perde a oportunidade de realçar as potenciais consequências nefastas do turismo…
      Há 10 anos atrás ninguém queria viver em Alfama (ou na Baixa, ou no Intendente, ou na Mouraria, etc.)… era imundo, sem condições de higiene ou salubridade, prédios em ruína, centenas de casas sem casa de banho ou saneamento, idosos que não podiam sair à rua por não conseguirem descer as escadas atarracadas, drogados à farta, deserto ao escurecer e muita, muita pobreza à vista de todos… creio que seria o tal “very typical” de que alguns hoje falam com tanta paixão sem nunca lá terem entrado quando assim era.
      Agora, assim de repente e com investimento privado, Alfama passou a ser desejável e há imensa gente que decidiu ter “direito” a ir para lá viver… e não são certamente aqueles que lá viviam antes pois muitos desses vendem agora caro aquilo que compraram barato, ou recebem as suas indemnizações, enfiam o dinheiro na algibeira a partem para outra… sem nostalgia por essa pobreza e pelas privações que conheceram tão bem e em primeira mão.
      Mas aqui, como bem sabemos, abundam os demagogos de sofá… e o turismo, seja ele qual for, é sempre para deitar abaixo sem dó nem piedade… e sem necessidade de contextualização, coerência ou dados concretos…

  2. Depois da inauguração é que vão entrar de novo em obras para requalificar Santa Apolónia e a área envolvente? Coisas do portuense Medina. Só…

  3. Turismo de massas é terrorismo

  4. A limpeça ve vires são os porcos dos turistas que fazem .Estas mais preocupado com a limpeça e não pelas pessoas que são despejadas das suas casas ha força ,para ti isso nada te diz estas cagando para isso.Gente como tu não entereça ao bairro vai para as aveninas novas vai-te fod—-.

    • Miguel Keßler diz:

      Agora em Português (mais ou menos):
      «A limpeza, se vires, são os porcos dos turistas que fazem. Estás mais preocupado com a limpeza e não pelas pessoas que são despejadas das suas casas à força, para ti isso nada te diz, estás cagando para isso. Gente como tu não interessa ao bairro. Vai para as avenidas novas, vai-te fod—.»

  5. Paulo Só diz:

    É evidente que essa estação de navios é um crime contra o património: estacionar prédios de dez andares como pano de fundo para o Terreiro do Paço e centro de Lisboa em geral. É um crime contra o ambiente devido à poluição dos navios e demais circulação equivalente a milhares de carros por dia circulando naquela já tão poluída área. Não foi feito um estudo de impacto ambiental nem pelo Porto de Lisboa, nem pela Câmara. Isto sem falar nos estragos do turismo de massa de que só beneficia o Porto de Lisboa que é uma entidade privada que manda em Lisboa. É óbvio que o estacionamento dos navios deveria ter sido feito em Santa Apolónia, prolongando a linha do elétrico até lá. Infelizmente Lisboa está entregue a uma quadrilha de construtores e arquitectos liderados pelo Salgado da Câmara, brilhantemente reeleito.

  6. Paulo Só diz:

    Claro que qualquer pessoa medianamente informada sabe que Barcelona, Veneza e Amsterdam estão a investir para retirar os navios de cruzeiros do centro, pois esse turismo é reconhecidamente predatório, não rende nenhum benefício às cidades, contra todos os problemas que lhes causa. Mas os nossos políticos, construtores e arquitectos estão sempre no século anterior. Simultaneamente o primeiro ministro vai a Bruxelas anunciar as metas de redução do carbono em Portugal, e constrói estacionamentos e portos para navios de cruzeiro no centro da Cidade. Até quando o “para inglês ver”? Até quando se privilegiam os interesses de meia dúzia aos interesses da cidade? Até quando este atraso?

  7. Paulo Só diz:

    Do Público, 22/10/2017:

    “Francisco Ferreira insistiu que, no caso dos incêndios, com zonas “fortemente afectadas com concentrações absolutamente brutais, com consequências para as pessoas mais debilitadas, crianças, idosos”, e das partículas do Norte de África, não é possível tomar medidas preventivas.
    Mas, acrescentou, quando se trata do dióxido de azoto, “temos a obrigação de tomar medidas” e Bruxelas, Paris, Madrid ou Londres têm planos activados e medidas implementadas para impedir essas ultrapassagens.

    Em Lisboa isso não acontece, e nos vários dias com a mesma situação meteorológica de ultrapassagens ao final da tarde, em zonas de maior tráfego, “limitamo-nos a um aviso da Direcção-Geral de Saúde e não a tomar medidas de forte redução de tráfego e permitir uma utilização mais facilitada dos transportes públicos”, lamentou.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *