Corte de árvores na Praça de Londres e na Guerra Junqueiro adiado por seis meses

por • 11 Abril, 2017 • Actualidade, AMBIENTE, Segunda ChamadaComentários (3)145

A reunião entre o vereador da Estrutura Verde, José Sá Fernandes, e os activistas que vinham contestando o planeado corte de freixos na Praça de Londres e na Avenida Guerra Junqueiro, realizada na manhã desta terça-feira (11 de abril), resultou na suspensão do processo. De acordo com elementos que estiveram presentes no encontro, ficou assente que o abate das 16 árvores não avançará, por agora, mas poderá acontecer dentro de seis meses. Isto se a avaliação que for realizada nessa altura assim o indicar. “O processo foi adiado, suspenso, e será agora sujeito a uma reavaliação, com a certeza de que ocorrerá um acompanhamento semestral”, diz a O Corvo Rui Martins, dirigente do Movimento Vizinhos do Areeiro, que havia lançado uma petição contestado o corte, juntamente com a Associação de Comerciantes “Bairro em Movimento”, o Fórum Cidadania Lx e a Plataforma em Defesa das Árvores.

 

Agora, o activista, que reconhece a “existência de problemas em algumas árvores”, tem esperança na inversão da decisão de proceder ao corte, senão de todas elas, pelo menos de algumas. É que, nota, “nem todas as árvores estão em mau estado”, logo não se justificará a sua eliminação. Em outubro, será feita uma avaliação final, para se saber que medidas tomar. “Com isto, ganha-se tempo e, depois, veremos o que dizem os relatórios mais actuais, pois os últimos conhecidos são já de 2014”, afirma Rui Martins, fazendo notar, porém, que “diversos procedimentos legais” não terão sido cumpridos neste caso. Na reunião, ficou a saber-se que, além da Praça de Londres e da Avenida Guerra Junqueiro, “também a Avenida de Paris tem previstos cortes de árvores”. Um outro activista, presente na reunião com Sá Fernandes, salientou a O Corvo a inexistência de “fundamentação técnica precisa, para além de se dizer que as árvores estão doentes”. E fez notar que, com o adiamento, “atira-se a questão para depois das eleições autárquicas”.

 

O Corvo tentou confirmar a decisão da suspensão da operação com o assessor de comunicação do vereador, mas ainda não o conseguiu até ao momento.

 

Texto: Samuel Alemão

 

Pin It

Textos Relacionados

3 Responses to Corte de árvores na Praça de Londres e na Guerra Junqueiro adiado por seis meses

  1. Jorge diz:

    Mais uma medida impopular que fica para depois das eleições… a juntar à Segunda Circular e à mesquita.
    O “quero, posso e mando” segue dentro de 6 meses…

  2. As árvores estão de óptima saúde.!
    Há um par de anos, quando foi dado o primeiro abate, fiquei com uma árvore inteira (cortada em toros). A madeira está em excelentes condições, não tem qualquer tipo de doença.
    Se for preciso algum tipo de prova para evitar o abate dos freixos eu posso mostrar esses toros.

  3. Maria Sá Maria Sá diz:

    E anda-se ao mando deste Sá Fernandes, desta Cãmara!!!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *