De onde vêm os cravos do 25 de Abril?

cravos 006

40 anos do 25 de Abril

Durante toda esta semana, o cravo vermelho é a flor mais procurada pelos portugueses. O Corvo foi tentar perceber de onde chegam os cravos que as comemorações consomem.

 

Texto: Rui Lagartinho        Fotografias: David Kong

À saída da Ponte Vasco da Gama, no sentido sul, um cartaz vende a cidade do Montijo como “Capital da flor”.  A ponte veio dar alento à actividade de produtores e distribuidores que são procurados directamente por alguns retalhistas e mesmo por floristas, preferindo estas quintas ao MARL (Mercado Abastecedor da Região de Lisboa) para se abastecerem de flores.

A meio da manhã de 24 de abril, restam por colocar no mercado apenas alguns molhos de cravos vermelhos...

Ler Mais

Debates da Assembleia Municipal sobre transportes públicos começam a 13 de Maio

fotografia-250

“Transportes públicos em Lisboa: o que temos e o que queremos” é o lema da próxima série de debates temáticos promovidos pela Assembleia Municipal de Lisboa, o primeiro dos quais se realiza a 13 de Maio, anunciou terça-feira a presidente daquele órgão, Helena Roseta. Seguem-se outros três, nos dias 20 de Maio, 27 de Maio e 3 de Junho, sempre às 18 horas.

O formato destes debates será semelhante ao que foi dedicado à Colina de Santana, no qual se discutiu o futuro daquela zona da cidade, de onde o Governo pretende retirar os hospitais e para a qual há diversos projectos urbanísticos que terão de aguardar que esteja concluído o Programa de Acção Territorial (PAT) – cujo esboço deverá estar pronto no Verão, para ser discutido e aprovado até ao final do ano de 2014, como afirmou ...

Ler Mais

Aprovado estacionamento subterrâneo no Campo das Cebolas

Parque Cebolas

No Campo das Cebolas, em frente à Casa dos Bicos, vai nascer mais um parque de estacionamento subterrâneo, obra ontem aprovada na generalidade pela Assembleia Municipal de Lisboa. A estrutura deverá colmatar as carências de parqueamento na zona Sul-Nascente da Baixa Pombalina, em especial Alfama, permitindo, ao mesmo tempo, reordenar o espaço à superfície e acabar com o estacionamento caótico que ali se pratica.

A proposta, apresentada pelo vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, substitui uma anterior versão, que previa a construção de um silo e que não foi aceite. Trata-se agora de um único piso subterrâneo, com um total de 230 lugares, 160 dos quais destinados a residentes e comerciantes da zona (110 referentes a assinaturas de 24 horas e 50 a estacionamentos nocturnos)...

Ler Mais

Muralha de Dom Dinis visitável a partir de amanhã no Banco de Portugal

2014-03-22 15.55.04

O único troço conhecido da muralha de Dom Dinis, monumento nacional existente na cripta da antiga igreja de São Julião, vai poder ser visitado pelo público a partir de amanhã, quarta-feira, na sede do Banco de Portugal, onde foi inaugurado um núcleo de interpretação que contextualiza este achado histórico.

A descoberta da antiga muralha de Dom Dinis verificou-se em 2010, durante as obras de reabilitação da antiga igreja de São Julião, em campanhas arqueológicas que precederam os trabalhos de restauro, como O Corvo noticiou a 25 de Março. Além daquela estrutura defensiva da Lisboa medieval, que foi mandada construir por Dom Dinis e também denominada muralha da Ribeira, foram encontrados diversos outros vestígios, entre os quais fragmentos de cerâmicas e ossadas, que vão esta...

Ler Mais

Câmara tenta desde 1970 fazer passagem pedonal junto à Avenida 5 de Outubro

fotografia-248

Quando ocorreu o 25 de Abril de 1974, os instrumentos de planeamento urbanístico da Câmara Municipal de Lisboa (CML) já previam, desde há quatro anos, a construção de uma passagem pedonal entre a Avenida 5 de Outubro e a Rua Ivone Silva, nas imediações do Hospital Curry Cabral. Passado quase meio-século sobre o plano original, o assunto ainda está por resolver e será, mais uma vez, alvo de discussão na sessão desta terça-feira da Assembleia Municipal de Lisboa (AML). Em apreciação estará a proposta da CML de permutar um terreno municipal na 5 de Outubro por um prédio particular, situado nos números 203 e 205 da mesma artéria, para nele fazer a tal passagem.

À assembleia, o vereador Manuel Salgado, responsável pelo pelouro do Urbanismo, pede autorização para realizar a d...

Ler Mais

Freguesia do Beato disponível para acolher gabinete de António Costa

fotografia-246

Quando António Costa anunciou a saída do gabinete que ocupa, há três anos, no Largo do Intendente, garantiu haver “outras Mourarias” na cidade. Deixava assim no ar a possibilidade de repetir tal operação de regeneração urbana. Hugo Xambre, presidente da Junta do Beato, gostava que fosse na sua freguesia, marcada pela pobreza, envelhecimento da população e dos edifícios.

Texto e fotografias: Samuel Alemão

“Teríamos todo o gosto em recebê-lo cá. Gostava muito que isso sucedesse”. Hugo Xambre (PS) mostra toda a disponibilidade possível para ser o próximo anfitrião de António Costa, acaso ele decida repetir a experiência de descentralização do seu gabinete para o Largo do Intendente, durante os últimos três anos, e que agora chega ao fim...

Ler Mais

Uma terra de ninguém às portas do Castelo

Patio Fradique 1

As urtigas invadiram tudo à volta. Ao cenário de ruínas, apenas os graffiti lhe dão côr e fazem parar quem passa. Se não fosse o lugar alcandorado, pareceria um arrabalde pós-industrial e esquecido da cidade. Mas fica no seu coração. Por aqui passam milhares de visitantes do Castelo de São Jorge.

 

Texto e fotografias: Francisco Neves

“Parece uma ‘no man’s land’. Mas as cores das pinturas são uma coisa positiva”, diz um turista parisiense, quando lhe perguntam a impressão que lhe dá o muito antigo Pátio de Dom Fradique, um acesso oriental à entrada do castelo. “Acho mau.Tem pinturas interessantes, mas estão no sítio errado. Isto é a cidade antiga”, comenta um turista inglês. Uma jovem espanhola pára para uma fotografia...

Ler Mais

Vereador culpa fundos imobiliários pela proliferação dos edifícios devolutos

fotografia-245

O vereador dos direitos sociais, João Afonso, aponta a existência de fundos imobiliários como uma das principais causas para a proliferação de edifícios abandonados em Lisboa e noutras cidades do país. “Uma das razões maiores para a situação de desertificação no centro da cidade e pela manutenção de muitos prédios vazios tem que ver com a existência dos fundos imobiliários, que foram criados há cerca de uma década, por razões de isenção fiscal”, disse o autarca, ao princípio da noite desta quarta-feira, durante a conferência “Sustentabilidade Demográfica e Regeneração Urbana”, no Centro de Informação Urbana de Lisboa, em Picoas, e inserido no 2º Encontro de Urbanismo.

“Com a criação dos fundos imobiliários, os proprietários de muitos edifícios existent...

Ler Mais

Mercado do Rato poderá ter nova vida este ano

#CR_mercadoRato_110414

Há um ano, o Mercado do Rato ia fechar. Os comerciantes haviam sido informados oralmente por um representante da Câmara Municipal de Lisboa de que, até 31 de Março de 2013, deveriam optar por receber uma indemnização ou mudar-se para outro mercado. Até hoje, nenhum se foi embora e poderá estar para breve a recuperação do espaço.

Os rumores chegaram aos estabelecimentos no início do ano. “Começou-se a ouvir falar disto: a junta disse que ficava com o mercado, mas a câmara diz que não”, conta Cristina Rebelo, que tem no mercado uma banca de fruta e legumes, juntamente com a mãe, Maria de Fátima Rebelo, desde o 25 de Abril de 1974.

Vasco Morgado Júnior, presidente da Junta de Freguesia de Santo António, confirma as negociações com a câmara no sentido de o mercado passar p...

Ler Mais

Helena Roseta e António Costa desentendem-se por causa da Colina de Santana

fotografia-244

O processo relativo à Colina de Santana voltou a ser discutido, terça-feira, na Assembleia Municipal de Lisboa, onde gerou desentendimentos pouco usuais entre os presidentes da Câmara Municipal e daquele órgão. Helena Roseta chegou mesmo a intervir em defesa da sua honra, na sequência de afirmações feitas por António Costa sobre a correspondência trocada entre o vereador Manuel Salgado e a Estamo, a empresa estatal que detém o património dos hospitais a encerrar.

Na sessão, o presidente da câmara saiu em defesa do vereador do urbanismo, dizendo que a carta enviada à Estamo não estava escondida e até traduzia um pedido que ele próprio fizera a Manuel Salgado...

Ler Mais